Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Foto da Semana #24

1529235473649.jpg

 

E a fotografia desta semana é a minha asneira da semana.

 

Acho que o sucesso da minha mudança alimentar - acho que já posso falar de sucesso após 16kg perdidos, certo? - deve-se ao facto de nunca me ter proibido de comer nada. Claro que faço sacrifícios, e muitos, e isto deixou de ser assim diariamente, mas confesso que passei a apreciar muito mais estes momentos de gula. Agora uma fatia de bolo não é uma qualquer fatia de bolo, que amanhã pode ser melhor. Não. Agora, é a fatia de bolo que me vai fazer deliciar e fazer passar um momento, não único, mas quase único. Parece que agora tudo tem mais sabor! Por isso sim, se me apetece mesmo muito uma coisa eu não reprimo esse sentimento. Só não deixo é que apeteça todos os dias e passo a ir ao ginásio com o objetivo de queimar aquilo que comi fora do plano!

 

Já só faltam 6kg para o peso pretendido, mas na realidade o que falta não é bem uma questão de peso. Falta afinar braços, barriga e um pouquinho mais as coxas que o meu objetivo nunca foi, nem nunca será, ser magra. O meu objetivo é continuar curvilínea. Curvilínea e saudável!

 

Boa semana, malta!

Curtas do dia #1031

Devia de ser sempre assim: Sol e férias; sol e férias; sol e férias.

 

Acreditem, não me aborrecia nem um pouco. Há tanto para fazer nesta vida, que a vida não deixa fazer por estarmos sempre ocupados.

 

Ora aprocheguem-se aqui à Mula: O que é que vocês deixam por fazer na correria da vida?

 

Eu cá, não estou o tempo que gostaria com as pessoas que eu tanto gosto!

 

Desafio de Cinema | 52 filmes em 52 semanas

#24 Melhor Documentário

E pela primeira vez vacilo a sério. Não me consegui decidir, por isso escolho os dois melhores documentários que vi, ou pelo menos aqueles dois documentários que mais mexeram comigo.

 

Um é bem português, que é o Pare, Escute e Olhe do Jorge Pelicano. Foi o único documentário que vi no cinema e retrata o isolamento que o encerramento de grande parte da linha do Tua, para construção da barragem, causou.

 

e9debb91f43289c19ae077272a30364d.jpg

 

E outro foi o Kedi - Gatos -, que acabei por ver em casa porque não sei o que aconteceu nunca o consegui encontrar no cinema apesar de estar anunciado. Kedi conta a história de alguns gatos vadios na Turquia e a forma como se relacionam com os demais. Acho que não é preciso dizer que adorei, certo? Tem gatos, basta para eu adorar!

 

 

E vocês, costumam ver documentários? Há algum em particular que vos tenha marcado?

Livro Secreto II #14 Contigo Para Sempre de Takuji Ichikawa

livro deste mês veio em dose dupla devido a uma desistência. E foi assim que li o Contigo para Sempre do japonês Takuji Ichikawa antes que fugisse da iniciativa. É só mais um livro que desconhecia e que cujo autor nunca ouvi falar e se por um lado estava com muita curiosidade - a sinopse agradava-me - confesso que por outro lado estava com algum receio porque estava um bocado escaldada com autores japoneses. Mas sabem que mais? Este pequeno livro é dos livros mais bonitos que li nos últimos tempos!

 

350x.jpg

 

Mio, Takumi e Yuji eram uma família feliz até que o pilar da família - Mio - morre aos 29 anos devido a doença prolongada. Percebemos logo nas primeiras páginas que Takumi é especial, com muitos problemas de saúde e quando se vê sozinho com o filho pequeno, sente-se totalmente perdido. Nunca mais a casa pareceu arrumada, usavam roupa suja, e comiam sempre a mesma coisa. No trabalho Takumi era beneficiado devido aos seus problemas e apesar de não ser um bom funcionário os colegas ajudavam-no sempre que podiam. Tinham pena dele. Takumi era muito abençoado e sabia disso.

 

Tudo muda quando de repente Mio reaparece. 

 

Num passeio pelo bosque, Takumi e Yuji encontram Mio perdida, encharcada e sem qualquer memória da sua vida. Takumi tem a certeza: está perante o fantasma da sua mulher, que cumpriu a sua promessa quando no leito de morte lhe disse que regressaria na época das chuvas para ver como é que eles estavam. Assim Takumi engendrou um plano: não lhe contaria que era um fantasma, dir-lhe-ia que tinha caído, batido com a cabeça e por isso não se lembrava de nada para que a sua mulher não voltasse a ir embora e para que esta voltasse a amá-lo contar-lhe-ia a história deles os dois. O livro é por isso a história que Takumi contou a Mio para que pudessem voltar a apaixonar-se.

 

Contigo para sempre é uma história de amor pouco convencional, que retrata a importância dos pilares, da independência e do amor, pois claro, na vida das pessoas. É um livro com um final surpreendente e que nos faz questionar: E se pudéssemos escolher seguir uma vida totalmente diferente? E se pudéssemos viver mais tempo mas não conhecer os nossos maridos, os nossos filhos? Poderíamos ser felizes se soubéssemos o que tínhamos perdido?

 

Contigo para sempre é uma história de fantasia mas que relata acontecimentos de superação que poderiam existir em qualquer família. É uma história que é contada de forma totalmente diferente, com muita ternura, com muito sentimento e com algum humor. É um livro com uma escrita muito fluida, com imensos diálogos que se lê num instantinho.

 

Adorei! E recomendo vivamente a leitura.

Curtas do dia #1028

Coisas que só acontecem a pessoas que têm muito medo de bichos:

Estava na sala entra um moscardo. Obviamente desapareço logo da sala e vou para a cozinha. Rais parta que estava lá o bicho - achei que saiu pela janela da sala e entrado pela janela da cozinha que está lado a lado. Volto para a sala e não é que estão dois moscardos a tomar a sala de assalto?

 

Não entendi... Depois olhei pela janela e vi um montão deles lá fora. Praga de moscardos em Valongo? Mas que porra é esta mesmo?

 

E não me venham com a conversa que tudo o que é bicho tem direito à vida...! Estes não têm! Estes não têm! Se quiserem ter, que fiquem bem longe da Mula que eu já borrifei a casa toda com Mafú!

Tantas vezes falamos e não fazemos nem ideia

Recentemente tive uma situação, um comentário, que me deixou bastante feliz mas que me deixou a pensar sobre as nossas acções. 

 

Não é por mal, não é por querer sempre dizer alguma coisa, mas é porque somos assim. A generalidade das pessoas é assim. É fácil olharmos, tecermos comentários com base naquilo que vemos e seguirmos com a nossa vida em frente. Tantas vezes ignoramos o que os outros pensam sobre isso até porque muitas das vezes nem pensamos nos outros. 

 

Estava a almoçar com uma colega e no final da refeição ela disse que lhe apetecia um docinho. Pois que a mim também. Eu agora é raro comer sobremesa, mas por vezes o corpo - ou a alna, confesso que nem sei bem -  pede e por vezes permito-lhe. Ela, que também tem cuidados com o que come pergunta-me o que quero e eu digo-lhe "uma nata para acompanhar o café!" ela confessa que também lhe apetecia uma nata mas que o bolinho de cenoura deveria de ser mais saudável. Digo-lhe que deve ser ela por ela já que os bolos de cenoura têm uma quantidade abismal de óleo. 

 

Chega a nossa vez. 

 

Colega: Qual é o mais saudável: a nata ou o bolinho de cenoura?

Menina: Ah é o de cenoura, que estes são feitos mesmo com cenouras, por isso tem vitaminas! 

Mula: E o óleo? 

Menina: Ah estes não têm muito óleo! Somos nós que os fazemos e pomos pouco.

Colega: Apetecia-me mesmo uma nata.... Mas vá, dê-me cá o de cenoura!

Menina: E pra menina?

Mula: Ah pra mim é uma nata!

 

Desatamo-nos todas a rir! Logo de seguida a menina acrescenta: Mas a menina pode, que é magrinha!

 

Ri e agradeci! Claro que soube bem ouvir, o ego adora!

 

O que acho engraçado nesta situação é que mal ela sabe que não sou magra, que sou uma gorda em recuperação, que não posso nem nunca poderei comer à vontade tudo o que me apetecer.

 

Acho engraçado porque fazemos isto diariamente: Ah ela é magra pode; ela é gorda não pode; ela é baixa não chega; ela é alta chega de certeza.

 

É-nos muito fácil tecer opinião sobre o que observamos e por vezes não fazemos nem ideia. Há quem leve a mal  há quem se ofenda, eu não faço parte deste lote de pessoas eu ouço, rio e calo-me e faço as minhas reflexões. Acho que é no fundo mais forte que nós e acho que todos o fazemos ainda que nem todos verbalizamos.

 

Quem nunca sentiu inveja - da boínha claro - de um corpo de alguém e imaginar o quão felizes seríamos se tivéssemos aquele corpo? Já pensaram que há muita gente supostamente com o corpo perfeito que se odeia e que odeia a sua imagem? 

 

Tantas vezes falamos e não fazemos nem ideia... 

5 factos estranhos sobre a Mula

Não há pessoas normais. A vida encarregou-se de me mostrar isso mesmo. Pode haver um padrão, mas cada pessoa encerra em si, medos, manias e estranhezas que a faz ser um tanto doida, mas não mais doida que outra pessoa qualquer, com outros medos, manias e estranhezas. É basicamente uma pequena explicação do "cada maluco com a sua mania" e uma vez que não há pessoas normais, somos, portanto todos malucos mas com maluquices - e graus de maluquice, claro - diferentes.

 

Eu, obviamente, não sou exceção e por isso hoje conto-vos 5 coisas relativamente estranhas sobre mim, que nunca vos tinha contado.

 

1. Não consigo dormir com armários e gavetas abertas.

Tanto quanto sei é uma mania um tanto comum, mas ainda assim não deixa de ser estranho. Será que achamos que durante a noite vamos ser sugados pela gaveta? Será que achamos que durante a noite algum alien vai sair por entre o nosso roupeiro e nos levar para um planeta distante? Pois que não faço ideia, mas armários abertos é coisa para me causar taquicardia e ansiedade.

 

2. Tenho a mania de cheirar tudo.

Desde livros, a canetas, a meros objetos de cozinha. Cheiro brinquedos, roupa e recipientes. Acho que isto justifica o facto de eu gostar muito de gatos. Numa vida passada devo ter sido um.

 

3. Não consigo dormir sem meias.

Desde pequena que passo por este pequeno sufoco. A fricção dos pés com os lençóis é algo que me faz arrepiar até as gengivas. Há noites demasiado quentes, que a meio da noite tiro as meias, mas isso é raríssimo e já estou num estado de sono considerável de outra maneira não há como. Curiosamente ando descalça sem problemas no chão, na rua, em festas, ...

 

4. Não consigo dormir na véspera de viajar de avião - mas só à ida.

Não me sinto confortável a andar de avião, isto é certo. Mas estranhamente só tenho problemas em dormir quando vou viajar para fora de casa. Na véspera de regresso durmo que nem um bebé. Eu cá acho que se deve mais à ansiedade de ir de férias do que do avião em si. Mas... continuo a não me sentir confortável a andar de avião.

 

5. Não consigo usar phones em casa se estiver sozinha.

Uso na rua - uma vez à custa disso ia sendo atropelada... -, no ginásio e até no trabalho se for preciso. Mas não em casa se não estiver mais ninguém. Não sei, quando estou em casa - tirando quando estou a limpar - gosto de estar com relativo silêncio para detetar qualquer barulho anormal. Já quando estou a limpar... Ponho música para mim, para os meus vizinhos e provavelmente para o prédio do lado - sim, sou este tipo horrível de pessoa!

 

 

Tenho obviamente muito mais maluquices e manias estranhas... Mas não posso contar tudo de uma vez se não ainda me mandam internar!

 

E vocês, querem partilhar algum facto estranho com a Mula?

Pág. 1/4

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.