Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Eu já... #13

 

Eu já fui cobaia para um teste de cabeleireiro. Tenho a dizer-vos que NUNCA mais, e só para vos adiantar... a miúda reprovou no teste!

 

O teste era aparentemente fácil, pelo menos para uma suposta finalista do curso de cabeleireiro. Tinha que me cortar 6 centímetros de cabelo, fazer-me madeixas loiras e apresentar um penteado ondulado adequado à minha idade.

 

As madeixas estavam horríveis, nada uniformes, tinha mais de um lado do que doutro, o corte não estava certo, e o ondulado envelhecia-me, no mínimo, uns 10 anos. Fui o caminho todo, ia para a faculdade depois disso, a tentar destruir os caracóis... e no dia seguinte, tive que cortar ainda mais um pedaço de cabelo para o acertar e pintar o cabelo de quase preto para cobrir todo o mal que me tinha sido feito.

 

Não... descobri que para além de não ter vocação para anjo, também não tenho vocação para cobaia!

 

Apesar de tudo, o que mais me assustou, é que a miúda andava a estagiar nos cabeleireiro Inês Pereira, e descobri com isso, que muitos cabeleireiros da Inês Pereira estão "empestados" com estagiárias. Ou seja, as pessoas pagam couro e cabelo, literalmente, e são atendidas por estagiárias... Viva à exploração dos mercados!

 

Eu já... #12

Eu já tive de identificar um sujeito que fumou nos wc's de um avião.

 

Vínhamos de Londres, e eu estava na última fila. A meio do voo sinto um terrível cheiro a tabaco, e vejo um sujeito de meia idade a sair da micro casa de banho. Próximos da aterragem, a hospedeira vem perguntar aos passageiros da última fila se sabiam quem tinha sido... Eu era a única que estava acordada e confirmei que tinha visto um senhor a sair da casa de banho na altura que senti o cheiro. Pois muito bem, o avião a descer, já bem inclinado e eu a passear em pé no avião, com o auxílio da hospedeira para identificar o sujeito... [cuja única referência que tinha era um casaco...], como existiam dois sujeitos semelhantes, sinalizei os dois de forma bem discreta [apesar da minha circulação no avião numa altura em que já não se pode estar em pé, ser tudo menos discreta] e voltei devagarinho para o meu lugar... Para não dar nas vistas, fui de uma ponta à outra do avião... e regressei! Escusado será dizer, que enjoadinha como sou, cheguei ao meu lugar quase a desfalecer!

 

Ainda hoje não sei se fiz a coisa certa...

Eu já #9

Eu já bati com um carro de uma cliente, com a cliente a ver!

 

[Na altura trabalhava como recepcionista num centro de lavagem automóvel e era minha função conduzir o carro da recepção até à parte da lavagem, e da lavagem até à recepção para entregar o carro ao cliente. Ao fazer marcha-atrás, para retirar o carro do local onde estava estacionado, fora do campo de visão dos espelhos, estava uma grade metálica no meio do caminho para impedir a passagem para um outro piso do centro comercial... e só quando ouvi os lavadores a berrar e o barulho metálico a bater no chão, é que percebi que tinha, literalmente, levado tudo à frente... Só vos digo uma coisa, se tivesse um buraco tinha-me enfiado lá até ao ano seguinte... como não tinha, tive que enfrentar a fúria da cliente!...]

Eu já... #7

[A próxima acho que nunca tinha dito em voz alta, nem nunca tinha contado a ninguém... Foram as piores semanas da minha vida, e acabei a entregar tudo o que tinha a meu cargo ao porteiro, e mandei uma mensagem apenas a dizer: "Não vou mais, arranje outra pessoa, que eu estou farta." Escusado será dizer que nem sequer recebi o que era meu por direito: o meu ordenado.]

 

Eu já fui vítima de assédio sexual no trabalho.

Eu já...#5

Eu já votei! E tu?

 

Nós mulheres temos uma responsabilidade acrescida. Durante anos, as mulheres foram impedidas de votar, porque não tinham "voto na matéria", e várias mulheres arriscaram a vida para que hoje em dia, tenhamos este direito! Por isso, voto como um dever de um cidadão, mas voto também como mulher, que hoje pode usufruir desse direito.

 

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.