Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Não sei se me ria, não sei se chore #4

Contei-vos que fui fazer uma aula de zumba na praia, num sunset, certo? O que não vos contei foi que antes de lá chegar, tive um quiproquó com um vizinho.

 

Quando estava para ir embora, chego à garagem e está um carro a impedir a saída da minha carrinha, ou seja, mesmo estacionado em frente ao meu lugar. É habitual o carro ali estar, mas o vizinho costuma estar por perto. Olho em volta... Nada! Vou lá fora ver se o vejo... Nem sinal do homem. Eu sei quem o senhor é, mas não fazia ideia de onde morava até porque a garagem é comum, mas são três blocos de apartamentos, com 5 entradas distintas.

 

Aguardei 15 minutos que alguém aparecesse para tirar a carro para eu poder sair, e findos esses 15 minutos achei que já era abuso esperar nem que fosse mais um segundo. Andei por isso pelos prédios ao lado - no meu bloco eu sabia que ele não morava - a perguntar pelos vizinhos se alguém sabia de quem era aquele carro*.

 

Recordam-se como é que eu ia vestida? A juntar à vestimenta justinha de licra, andava eu com o cabelo amarrado - tendo em conta que tenho o cabelo curto é mais o cabelo solto que amarrado - e desgrenhado. Andei linda, a desfilar pela zona onde moro naqueles fantásticos preparos.

 

Eu sabia que era um sinal que eu não deveria de ter saído assim à rua!

 

*E após tocar a três campainhas, lá encontrei o sujeito, nos entretantos ainda fui atacada por um mini-cão, que devia achar, pela maneira fluorescente que ia vestida, que era um animal qualquer a abater!

 

__________________________________________

Já participaste no passatempo da Mula? Não? Vê aqui como podes ganhar um conjunto da Alma Gémea da Amorim.

Entristecimentos

Entristece-me a ignorância. Tenho pena que a educação - não no sentido de ser bem ou mal educado, mas no sentido de conhecimento - não chegue de todos de igual forma. Entristece-me que uns possam ser extremamente formados/letrados, e outros não reconheçam questões básicas. Entristece-me esta discrepância.

 

Choca-me, que nos dias de hoje ainda existam pessoas que não sabem ler e/ou escrever, que não consigam assinar um documento oficial sabendo verdadeiramente o que estão a assinar. Mais do que chocar-me, entristece-me. Porque são acima de tudo pessoas vulneráveis a todo o tipo de esquemas e falcatruas.

 

Hoje no comboio ia um senhor, que não deveria de ter 40 anos, a falar ao telemóvel... Toda a gente ouvia a conversa que o senhor estava a ter porque o senhor ia com o alta voz ligado, apesar de ter o telemóvel encostado à orelha. Assim à partida, fiquei a pensar que o senhor ouvia mal, poderia ser esse efetivamente o caso. Até que o senhor desligou a chamada e eu percebi que o senhor não sabia de todo trabalhar com um telemóvel. O senhor carregou em tudo que era botões para tentar desligar a chamada.

 

Bem sei que nem todas as pessoas têm de ser tecno-dependentes, viciados em redes sociais e afins aqui como a Mula, mas é inegável que nos dias de hoje viver sem o mínimo de conhecimento tecnológico, seja para usar um telemóvel, seja um computador, é complicado. E o caso torna-se mais grave quando nos referimos a uma pessoa jovem como era este senhor, mas que por falta de meios, imagino eu, não tenha acesso às mesmas condições que eu tenho, que as pessoas que me rodeiam, têm. E são estas situações e discrepâncias que me entristecem.

 

Onde trabalho exigimos por vezes que as pessoas nos forneçam um e-mail, porque se as pessoas não têm acesso a e-mail não há processo, e sem processo não há ajuda possível ao cliente, porque é necessário que pessoas que estão foram do país nos enviem documentos assinados via e-mail. Ou seja, é necessário por vezes que pessoas - sejam velhos ou novos, educados ou iletrados - recebam um e-mail nosso, o imprimam o voltem a digitalizar e enviar-nos para que possamos dar seguimento ao que nos pedem. Por vezes atendemos pessoas mais idosas, pessoas que não têm e-mail e então a coisa complica-se, e quando a coisa se complica podemos estar a pedir a pessoas que adiantem valores avultados do seu bolso para depois poderem, quiçá, receber o estorno quando novamente em Portugal. Tudo porque não têm acesso ao mesmo que eu tenho, ao mesmo que os meus têm, seja porque motivo for.

 

A verdade é que vivemos numa era tecnológica e quem não a acompanha acaba por ser ultrapassado. E isso sem dúvida que me entristece.

 

Digamos que hoje estou assim: entristecida!

Passatempo: Sorteio Alma Gémea

Poderia encontrar uma alma gémea para cada alma solitária que por aqui passa, mas em primeiro lugar sou péssima casamenteira, em segundo lugar, este curral poderia ser, mas não é, um blog de encontros. Posto isto, vamos lá ver o que se sorteia por estes lados.

 

Os Desabafos da Mula fazem, no dia 9 de Julho, 2 anos. Para celebrar, a Mula tem um conjunto da Alma Gémea, da Amorim, para sortear. O conjunto é composto por duas peças: um galheteiro branco e um açucareiro/leiteira azul, ambos constituídos por cerâmica e cortiça.

 

Passatempo Mula.jpg

 

 

Para ficarem habilitados ao sorteio têm apenas de preencher nome e e-mail no formulário, mas se forem seguidores da Mula no Sapo, no Facebook e/ou no Instagram têm mais possibilidades de ganhar, ganhando uma entrada extra no sorteio por cada elemento extra (e olhem que eu vou confirmar). Ou seja, só podes participar uma vez, mas podes conseguir de uma só vez, quatro pontos que te garantem quatro posições no sorteio

 

Formulário de Participação

 

Eu sou apaixonada por estas peças desde que lidei com elas na loja onde trabalhava. Queria fazer um passatempo para celebrar estes dois anos - tão crescido que ele está a ficar - e como tal, porque não sortear algo que adoro? Espero que vocês adorem também!

 

O Passatempo estará ativo até às 23:59 do dia 9 de Julho de 2017 e o vencedor será sorteado no decorrer da semana seguinte - até o dia 16 de Julho -, que é como quem diz, quando eu tiver tempo. O vencedor tem até dia 23 de Julho para responder ao meu e-mail para ser informada a morada para envio do conjunto. Caso o vencedor não responda em tempo útil será feito um novo sorteio durante a semana seguinte e por daí em diante.

 

Como é que podem ter a certeza que o sorteio será justo? Pois não podem. Não há qualquer elemento ou entidade externa a regulamentar o sorteio, têm só a minha palavra que já se sabe, vale o que vale, de que será efetivamente um sorteio justo.

 

Coisas que vejo por aí...

Quando vinha de Óbidos, passei ali pelos lados de Estarreja (não sei bem onde, confesso) e encontrei um restaurante com rodízio de.... MAMINHA!

 

Rodizio.jpg

 

Estarei a ter um pensamento maldoso? É só a mim que me soa muito mal - mas hilariantemente mal - um restaurante com rodízio de maminha à beira da estrada, ainda por cima tendo preços diferentes para homens e mulheres?

 

Coisas que aprendi com o novo regime alimentar

A lista é vasta. Aprendam com a Mula que a Mula não dura sempre:

 

  • A ideia não é comer, é enganar o estômago. Parece que comemos imenso, e imensas vezes ao dia, mas é tudo para enganar o estômago.

  • Quanto mais comemos o que é saudável, menos fome temos, porque menos nos apetece comer.

  • Anda meio mundo a tentar enganar outro meio mundo porque: couve-flor está longe de saber a arroz, courgette está longe de saber a massa e uma saladinha de alface e tomate com um peito de frango grelhado está longe de se parecer com um bife com batatas fritas. Ah! E gelatina, por muito boa que seja, é totalmente diferente de tiramisú!

  • Tudo o que é seco pode, com à exceção dos pacotes com bonecos. Quanto mais seco mais saudável - ainda estou em crer que é um truque barato para nos fazer beber mais água... Para empurrar - e quanto mais aborrecida a embalagem também. 

  • Fazer dieta é no fundo fazer um desmame do vício de comer, obrigando-nos a comer mais vezes ao dia até chorarmos encolhidos dizendo "eu não quero voltar a comer isto", e como não há outras opções, desistirmos entretanto de comer... 

 

Em suma... Podíamos já avançar com os ensinamentos, ligam-me um cateter, só para entrar alguma - pouca - glicose, e está feito.

 

P.S.: Mas uma coisa é certa, até os olhos da Mula brilham a ver um 7 em vez de um 8 na balança!

 

diet.jpg

Lutar contra o excesso de peso #2

Balanço do rescaldo da visita à nutricionista.

 

Quinze dias se passaram desde o choque, depois do verdadeiro choque, no entanto, e apesar de ter cometido algumas facadinhas na dieta perdi o peso suposto para estes quinze dias: Perdi 2kg e três centímetros na cintura. Estranhamente, passei pouca fome, ainda que andasse sempre desconsolada. O estranho é que apesar de ter passado a beber quase 2L de água, a percentagem de água no corpo tem diminuído e continua bastante abaixo do desejado. Alguém me sabe explicar como é que se aumenta a percentagem de água no corpo para além de beber água? É que pelos vistos não está a funcionar...

 

A maior dificuldade prende-se com os fins-de-semana: Não consigo beber água porque andando fora de casa não é possível ir de 30 em 30 minutos à casa de banho; não consigo perceber o que posso comer estando fora de casa, parece que não há nada saudável que se possa comer estando fora de casa, parece que só se vê publicidade do McDonalds e do Burger King e até os nossos olhinhos brilham e o nosso cérebro se amarfanha todo!

 

Outra coisa estranha aconteceu: Aumentei a massa gorda, e diminui a massa muscular, o que me remete para a ideia de que ando a perder o que não é suposto, mas enfim, acho que está na hora de dar uso aos pesos aqui de casa.

 

Estou, no entanto, a dois quilos de deixar o grau de obesidade e regressar à categoria de excesso de peso.

 

Principais mudanças:

  • Deixei de beber sumos e cervejas, agora só água, e quando estou fora de casa, eventualmente uma bebida qualquer zero.

  • Já não como até rebolar, ou vá, como, só que fico a rebolar com uma cabeça de brócolos e uma tira pequena de peixe. É a grande mudança e aquela que achava mais complicada.

  • Como tudo aquilo que não gosto - o que não me faz vontade de repetir -, essencialmente no que toca a snacks: tostas, tostinhas, bolachas secas e outras que tal. Ai como odeio coisas secas!

  • Passei a comer muito mais fruta e mais legumes, que felizmente adoro.

  • Diminui a quantidade de hidratos de carbono ingeridos, e achava que me ia sentir sem energia como já aconteceu anteriormente  e o mesmo não está a acontecer, felizmente. 

 

O que me custa mais? Foram 15 dias sem bolos, sem sundays nem macarons ou éclairs. Não sei o que me custa mais. Ontem tinha em mente ir comer um sunday de chocolate para matar saudades, depois da consulta. A consciência não deixou. Apesar disso fui a salivar todo o caminho. Bolas! Como me apetecia um sunday de chocolate, e pepitas várias! Mas sei que abrir uma exceção deste género é abrir uma caixa de pandora com uma força bruta! Cheguei ao trabalho e para compensar comi duas marinheiras, e até isso me fez ficar com a consciência pesada porque já tinha comido a dose de marinheiras recomendadas no lanche da manhã... Ó vida! 

 

E pronto é isto. Aceitam-se receitas de coisas boas e pouco calóricas para deixar de comer bife com salada, peixe com salada, só salada, salada com omeletes. É que não tarda estou-me a transformar numa folha de rúcula gigante.

...

Foi inevitável o nó na garganta quando vi nas notícias o que sucedeu em Pedrogão Grande. Eu que sou do Norte, que passo a maior parte do tempo no Porto, mas que no fim-de-semana passei em Leiria... Não, não estive perto do fogo. As cinzas que cobriram o meu carro disseram-me que estive perto - imagino o vento que esteve de noite -, o cinza escuro do céu ao acordar também me fazia sentir que estava perto, mas a verdade é que felizmente estive sempre longe, sempre junto à costa.

 

Não estive perto, mas podia ter estado.

 

A verdade é que as nossas rotas são sempre tão imprevisíveis... Viajamos quase sempre ao sabor do vento e das vontades - e tantas vezes pelos nomes curiosos das localidades. Não seria a primeira vez a passar em Castanheira de Pêra, ou em Figueiró dos Vinhos. Não seria a primeira vez naquela estrada e por isso penso: e se tivéssemos sido nós? 

 

Não consigo imaginar pior morte... Não consigo imaginar nada tão macabro e cruel... Não consigo imaginar a dor e o sofrimento daqueles que sobreviveram mas que de um dia para o outro perderam tudo o que tinham...

"Sabes lá tu com essa idade o que é o amor!"

 

E foi no dia 18 de Junho, há 14 anos atrás, numa pequena terra no Porto, que o Mulo timidamente e sem grandes palavras conquistou a Mula. Conhecíamo-nos pessoalmente apenas há uma semana, há exatamente uma semana. Nunca existiu um pedido oficial de namoro, nunca tais palavras de pedido foram pronunciadas, mas parece que desde sempre comunicamos sem necessitarmos de grandes textos ou artefactos.

 

A verdade é que parece que nos conhecíamos desde sempre... E no entanto, até há uma semana atrás ele era apenas uma pessoa que eu tinha conhecido num chat e com o qual falava há alguns anos.

 

É estúpido começar a namorar com alguém cujas primeiras palavras escritas foram "Olá, td bem? DDTC?" mas a verdade é que esta é a nossa história. Algures em 2000 uma miúda tímida com dificuldades em fazer amizades instalou o mIRC, entrou no canal da sua residência e conheceu esta personagem que tanto a intrigava. Conheceram-se três anos depois, começaram a namorar uma semana após se terem conhecido pessoalmente, juntaram-se ao fim de 5 anos de namoro, casaram-se ao fim de 8 anos de vivência em comum, e hoje fazem 14 anos de namoro e amanhã um ano de casados.

 

E ainda me lembro quando me diziam...

 

"Sabes lá tu com essa idade o que é o amor!"

 

Provavelmente tinham razão, não sabia, mas acho que com o tempo passei a saber!

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.