Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Livro: A Gorda de Isabela Figueiredo

Custou mas consegui terminar. Nunca um livro tão bom e tão pequeno me custou tanto a ler, não por falta de motivação, mas por falta de energia e um sono extremo que me tem atacado à noite. Neste fim-de-semana alargado foi uma boa altura para colocar as leituras em dia e finalmente terminei A Gorda de Isabela Figueiredo.

 

 

 

 

A Gorda, conta a história de Maria Luísa, branca, nascida em Lourenço Marques - atual Maputo - que na época dos retornados, vem com a sua família para Portugal onde recomeçam do zero, com tudo o que conseguem trazer de Moçambique. Maria Luísa é uma mulher de tudo ou nada, é uma mulher dedicada, estudiosa, empenhada e culta, só que gorda. E toda a sua vida é domada pelo seu peso. Na escola foi gozada por estar acima de peso, no início da vida adulta perde o homem que ama devido à vergonha que ele tem dela, por causa dos amigos gozarem com ele por ela ser gorda, e já em adulta Maria Luísa sofre o estigma do peso porque não quer acabar como o seu pai, também ele pesado que morre devido ao excesso de peso. Apesar de tudo, e de todo o sofrimento que viveu, Maria Luísa não é uma vítima. Maria Luísa é uma lutadora, uma mulher esforçada que não se dobra pela opinião pública, mas a obsessão que possui pelo homem que sempre amou vai ditar-lhe, de certa forma o futuro.

 

O que mais gostei neste livro, foi a forma diferente como é contado. Maria Luísa parte das divisões da casa em que vive para contar a sua história e o seu relacionamento com a casa, com a família e a amigos, e por isso a história não é contada do passado para o presente, mas sim com constantes vai-vens de passado-presente que se vão misturando capítulo após capítulo. É por isso mesmo um relato, não um livro de mistério. O livro fala-nos da vida, fala-nos de cultura, de sentimentos, de ambições e acima de tudo de desejos.

 

Gostei muito d'A Gorda, talvez porque me tenha identificado tanto com ela. Também eu já ouvi "não devias usar isso porque és gorda e não te fica bem" também eu ouço constantemente "Não comas tanto, deves ter mais cuidado." como se do meu peso dependesse toda a minha vida. Nunca fui gorda na infância - até bem pelo contrário - mas como a Maria Luísa desenvolvi os seios demasiado cedo e isso era motivo de vergonha e de comentários mais desagradáveis por parte das raparigas e mais assanhados por parte dos rapazes, isso deixava-me desconfortável. Também eu já fui deixada por um rapaz por causa dos amigos dele não me aceitaram, não pelo meu peso, mas pela minha idade, e ele, tal como com a Maria Luísa, só queria estar comigo se fosse às escondidas. Era bem capaz de passar por mim e fazer de conta que não me conhecia e no momento a seguir estava a ligar-me a pedir desculpa. Nunca compreendi. Nunca pactuei com estes julgamentos sociais, e tal como a Maria Luísa, na verdade nunca quis saber. Ainda hoje, apesar de estar longe de ser magra, a verdade é que não quero saber o que os outros pensam sobre isso. Uso saias curtas se me apetecer, uso vestidos, decotes, tudo o que tenho direito - e me sirva, está claro - dentro da decência e do bom gosto - ainda que seja sempre relativo.

 

A Gorda, podia ser qualquer um de nós, porque A Gorda conta muito mais que a história de uma mulher gorda. A Gorda podia ser A Estrábica, A Magra, A Míope, A Gorda podia ser qualquer um, porque este é um livro que não fala do excesso de peso, mas sim de rótulos, e de como os rótulos podem condicionar de uma maneira ou de outra a relação que cada um estabelece com as pessoas, e a forma como cada um se relaciona - melhor ou pior - com os rótulos que tem.

 

Foi um livro que gostei muito, quer pela forma crua como é escrito, quer pela empatia fácil que se cria com as personagens, quer pela escrita simples e coloquial. Maria Luísa fala connosco e transporta-nos para o seu mundo e por isso acho que é um livro que é muito fácil gostar.

 

Ao ler a história da autora, da Isabela Figueiredo, fiquei ainda com a ideia de que poderá ser uma espécie de autobiografia, devido às semelhanças entre Isabela e Maria Luísa. As duas nasceram em Lourenço Marques e as duas retornaram nos anos 70. As duas são professoras, têm um blog, e ambas sofreram com o excesso de peso e com o amor renegado. Por isso, de certa forma, ao ler a história de Maria Luísa senti que estava a ler a história verdadeira de Isabela Figueiredo o que me permitiu amar ainda mais este livro.

 

Digo-vos só mais uma coisa: Leiam!

Livro: As Desaparecidas de Megan Miranda

Comprei este livro por impulso. Nunca tinha ouvido falar dele nem da autora, mas algo nele me chamou a atenção, quer o título, quer a capa, e a sinopse então fez o restante. Mas que escolha tão acertada, já tinha saudades desta ânsia, desta vontade de conhecer mais e mais da história.

 

As Desaparecidas não sendo um livro difícil de ler, é um livro que exige alguma atenção por ser escrito de maneira totalmente diferente do habitual: É escrito de trás para a frente. Do presente para o passado. E por isso ao lermos, vamos conhecendo pormenores da trama que não compreendemos e que naquele momento até não nos faz sentido, mas que depois, com o conhecimento do que aconteceu no dia anterior, e no dia antes, e no dia antes do antes do antes, vamos percebendo cada peça do puzzle. Por isso é um livro que não deve ser lido com grandes pausas pelo meio sob pena de não compreenderem alguns pormenores.

 

Uma das coisas que mais amei neste livro é o facto de existir pouca palha irrelevante. É habitual muitos autores escreverem sobre coisas que não são relevantes para a história, mas aqui n'As Desaparecidas, tudo tem um sentido, não há páginas mortas, tudo suscita curiosidade e por isso é um livro que se lê num ápice.

 

 

As Desaparecidas é uma história contada na primeira pessoa, pela Nicolette, que abandonou Cooley Ridge aos 18 anos após a sua melhor amiga, Corinne, desaparecer sem deixar rasto, envolvendo todos os seus amigos e namorado no seu desaparecimento. Todos são suspeitos. Todos mentiram. Todos escondem um segredo. Todos se encobrem uns aos outros para se encobrirem a si próprios. Um único álibi: Annaleise, uma rapariga bastante mais nova que assiste a algumas situações do grupo. Dez anos se passaram e Corinne nunca foi descoberta. Todos os intervenientes prosseguiram com a sua vida, ainda que em sofrimento e terrivelmente marcados, porque há situações que nunca se ultrapassam. No entanto todas as dívidas com o passado têm de ser pagas. A falta de dinheiro obriga Nicolette a regressar a casa, a Cooley Ridge, para tentar vender a casa de família, só que voltar à sua terra Natal implica voltar a reviver tudo novamente, como se não se passasse nem um único dia desde que Corinne desapareceu. Entretanto, e 10 anos depois, por volta da mesma altura, um novo desaparecimento, desta vez de Annaleise que estranhamente e inexplicavelmente está ligada a Corinne e isso faz com que todos os segredos do grupo comecem a vir a cima, e começa a luta contra o tempo para esconderem novamente aquilo que tentaram esconder 10 anos antes. Para confundir ainda mais Nicolette, o seu pai, cada vez mais confuso e demente, diz ter visto a Corinne. Será que Corinne está viva? O que aconteceu há 10 anos atrás? E Annaleise? Estão os dois crimes relacionados? Leiam que não se vão arrepender.

 

O livro é marcante, é emocionante, é daqueles que se gruda a nós e não largamos até terminar. É daqueles livros que dentro do sofrimento, dentro das mentiras e dos segredos nos permite refletir sobre questões muito importantes, como a possibilidade de se amar e se odiar a mesma pessoa, na mesma proporção e como incrivelmente com o tempo tendemos a ver apenas as coisas boas daqueles que amamos e que irremediavelmente já não estão connosco. É um livro que também reflete acerca das pessoas tóxicas e do que os outros nos conseguem obrigar a fazer, sem obrigar efetivamente. É um livro que fala de ganância. É um livro que mostra como num crime, todos podem ser culpados por diferentes razões, porque podem efetivamente existir diversas razões e motivações, não há inocentes e como é difícil acreditar por vezes naqueles que amamos quando as evidências parecem ser claras, ainda que na realidade sejam turvas.

 

Gostei mesmo muito do livro, passa provavelmente diretamente para o meu Top10, e adorei ter um final totalmente diferente do que eu imaginava, e no fundo um final pouco habitual nos livros.

 

É um thriller mas não mete medo, leiam é realmente fantástico.

 

Boas Leituras!

Livro: Viver depois de ti de Jojo Moyes

E na semana passada terminei de ler o livro Viver Depois de Ti da Jojo Moyes. Eu vi o filme, e como o filme me soube tão a pouco, saí da sala de cinema com a certeza e com a necessidade de ler o livro, eu queria saber mais, eu queria mais, mais e mais. E apesar de não ler o livro com a magia de descobrir o final, a verdade é que infantilmente li-o com a esperança de que o livro tivesse um final diferente, um final feliz diferente. Mas não. Mas é tão mais que o filme, que vale muito a pena lê-lo.

 

 

Certamente quem não viu o filme e vê esta capa, que imagina que estas folhas contam uma história de amor, ao estilo Cinderela, mas deixem-me que vos elucide: Esta história está longe de ser uma história de amor, e ainda mais longe de um conto de fadas. 

 

Após um acidente, Will Traynor tem uma lesão na espinal medula que o atira para uma cadeira de rodas sem hipótese de recuperação. Uma vez que Will apenas tem mobilidade na cabeça e nalguns dedos de uma mão, a mãe, contrata Louisa Clark, conhecida por Lou que acaba de ficar desempregada, para fazer companhia ao filho e ajudá-lo nas necessidades básicas, como a alimentação. No início, Will é mordaz, é arrogante, e maltrata Louisa, no entanto com o tempo, e devido à persistência de Lou - que precisa muito do emprego - acaba por aceitá-la na sua vida e os dois desenvolvem uma boa amizade. Will acha que Lou está a desperdiçar a sua vida naquela aldeia e convence-a a apostar em si e no seu futuro, mas esta não o leva muito a sério. No entanto tudo muda quando Lou descobre os verdadeiros planos de Will e faz de tudo para que este mude de opinião, mostrando-lhe que há muita coisa que ele ainda pode fazer para se divertir, só que Lou acaba por se envolver demais. O que será que Will quer fazer? Será que Lou conseguirá fazer Will mudar de opinião? Não sabem? Então têm de ler.

 

O livro é muito mais, dá muito mais conta da situação que Lou vivia com os pais e com o namorado. O livro aprofunda muito mais o facto de ela nunca ter sido levada a sério, que vai muito além das roupas que vestia, ela apenas não era a filha favorita, a que valia o esforço. Isso revoltou-me muito enquanto lia. Quando vi o filme parece que vi apenas a situação do Will, acho que o filme só focou o Will, mas o livro foca muito mais a visão dela, o sofrimento dela, os problemas dela e por isso gostei muito de aprofundar esta história.

 

Este é um livro que fala sobre um tema muito triste, como já falei aqui, e polémico, essencialmente polémico: A Eutanásia. Até que ponto devem estas pessoas serem obrigadas a sobreviver agarradas eternamente a uma cadeira ou a uma cama, totalmente dependentes de outros, sem terem tão pouco a autonomia de comerem sozinhos. Will e a família eram ricos, tinham comodidades que muitas outras pessoas na mesma situação não possuem, nomeadamente a cadeira de transporte, o computador e afins. No fundo, obrigar alguém a viver agarrado a estas condições, ou falta delas, é, na minha opinião, um ato de egoísmo, porque creio que seja mais para os outros, os que cá ficam, não sofrerem, como se o sofrimento daquele que vive a situação, não valesse nada.

 

É um livro que fala da densidade das relações familiares, de como os casamentos se forçam apenas devido às circunstâncias e como isso pode influenciar a visão dos outros perante as situações, deixando as pessoas com sentimentos duais relativamente a um filho, a uma situação.

 

Este é um livro que leva às lágrimas os mais sensíveis, a mim levou-me às lágrimas e aos soluços apesar de conhecer a história...

 

Este é um livro para todos aqueles que têm esperança e amor, e para todos aqueles que gostam de ver o copo meio cheio, em vez do meio vazio, porque Lou vai sempre tentar mostrar o outro lado apesar do cenário ser negro. E no fundo, no fundo, até tem um final feliz... E se é verdade que Lousia mudou a vida de Will, também é inegável que Will mudou a vida dela, estamos por isso, perante um crescimento mútuo de dois jovens tão diferentes e que num outro contexto nunca se conheceriam.

 

Este é um livro para todos. Leiam, não se vão arrepender!

Livro: O Labirinto dos Espíritos de Carlos Ruiz Zafón

Toda esta febre começou em Maio do ano passado, quando através do Livro Secreto me chegou a casa A Sombra do Vento de um autor que nunca tinha lido mas do qual já tinha ouvido falar muito bem. Não me apaixonei logo nas primeiras páginas pela história, mas por volta da página 40 ou 50 a paixão deu-se e só consegui parar de ler 8 dias depois quando a última página foi alcançada. Não podia obviamente parar por aqui e assim que possível li O Jogo do Anjo e o Prisioneiro do Céu. Adorei todos, ainda que O Jogo do Anjo seja o que menos me faz sentido, de toda a saga, e provavelmente o que mais trabalho deu a Zafón ligar, n'O Labirinto dos Espíritos, já que foi, na minha opinião um imbróglio demasiado exagerado, ainda que a história seja bastante interessante.

 

Dizem que estes quatro livros podem ser lidos por qualquer ordem, porque como o próprio indica neste último livro: "Uma história não tem princípio nem fim, só portas de entrada." no entanto, ainda que possa conceber que A Sombra do Vento e O Jogo do Anjo possam trocar de ordem, não consigo conceber que se leia o terceiro e o quarto por outra ordem que não esta. Acho que os demais iriam perder o encanto e a surpresa.

 

Mas adiante, que não quero falar-vos da saga em si, mas do livro que encerra toda a saga.

 

Concluí finalmente O Labirinto dos Espíritos e posso vos dizer que ainda estou meia abananada com toda a história. Vou tentar falar do livro sem me alargar nem ser spoiler.

 

 

 

O Labirinto dos Espíritos é o livro que promete unir as histórias dos outros livros da saga, é por isso o livro que conta a história do início ao fim - sem contar efetivamente o fim - da família Sempere. É o livro que conta essencialmente a curta história da Isabella Sempere, mãe de Daniel Sempere, que conhecemos n'O Jogo do Anjo e cujo passado começamos a compreender n'O Prisioneiro do Céu. No entanto, e apesar de ser um livro de encerramento, é um livro com histórias únicas e novas aventuras, com introdução de novas personagens tão ou mais emocionantes que as já conhecidas, como é o caso de Alícia Gris, uma jovem e enigmática de humor peculiar com o objetivo de desvendar toda a trama. No fundo, é pelas mãos de Alícia que conhecemos o passado da família de Daniel, e é por ela que se faz justiça.

 

Este é o livro mais sangrento e macabro dos quatro. É um livro bastante visual e por várias vezes me deu náuseas devido às descrições das torturas a que alguns personagens foram sujeitos. É um livro que nos permite pensar até que ponto devemos levar uma vingança, até que ponto vale a pena e até onde pode ir a maldade humana. É só um livro! dirão alguns. Não é só um livro a partir do momento em que o cenário é o pós-guerra em Espanha, sob o regime político ditatorial de Franco. Aquela história pode não ter efetivamente acontecido, mas muitas outras histórias efetivamente aconteceram, e é isso que me choca, é isso que me comove, saber que tanta gente sofreu nas mãos dos supostos polícias do regime que nada mais eram que assassinos protegidos e promovidos pelo governo.

 

O livro é brutal, não no sentido do choque - ainda que também - mas pela forma como é construído. É um livro complexo, com múltiplas histórias a ocorrer ao mesmo tempo, com imensos personagens ao ponto de por vezes pensar "mas quem é este?", mas logo Zafón nos esclarecia. Zafón tem noção que é um livro denso e por isso se vai repetindo para nos refrescar a memória, se outra forma poderia ser complicado perceber quem era aquela gente toda.

 

Sem dúvida que foi um trabalho excecional de Zafón pegar nos outros três livros e ligá-los a este último  - por isso se seguiram a saga faz todo o sentido que o leiam. Há, no entanto, e aqui esclareço-vos já, que há pontas que não foram enlaçadas e que se perderam na história e que isso me desgostou um pouco, houveram coisas que não compreendi, e que só por isso gostava de um dia encontrar Zafón na rua e perguntar-lhe sobre essas pontas, o que aconteceu, o que significaram. Sou Mula teimosa, agarro-me a pormenores e dificilmente me esqueço.

 

Lembram-se da história das conchas na casa de banho, no filme O Demolidor com o Stallone e com a Sandra Bullock? Pois quem viu certamente recorda que existiam três conchas que o Stallone, vindo do passado, não sabia usar na casa de banho e toda a gente se ria dele. Fiquei irritada quando o filme terminou e nunca foi explicado o que eram e para que serviam as conchas e aqui não é diferente. Spoiler Alert: A grande pergunta que se impõe, uma das que mais fiz ao longo dos livros: Mas quem raio era o homem de branco, de mão dada com a Cristina? Mas esse homem alguma vez existiu? E à Cristina, o que é que lhe aconteceu realmente? E porquê tanta violência com o Valls? É verdade que ele era o vilão dos vilões, mas quem lhe fez o que fez... Fiquei sem compreender muito bem porquê. Então e... Alguém me explica por que é que quando o Fermin reencontra Alícia está zangado com ela? Não era suposto ter ficado feliz?

 

Apesar de todas as dúvidas com que fiquei, e ter vontade de fazer como a Hazel d'A Culpa é das Estrelas e ir a Espanha fazer umas perguntinhas a Zafón, a verdade é que foi sem dúvida um livro que valeu a pena carregar de um lado para o outro, que valeu a pena as quase tendinites e torcicolos na cama. É um livro carregado de mistérios, de entroncamentos sem fim, como diz a outra e rivaliza diretamente com A Sombra do Vento, ainda que este último ocupe um lugar mais especial no coração. Assim disse adeus a Daniel e pisquei o olho a Fermín, desejando-lhes toda a felicidade do mundo para lá das letras. São personagens que sem dúvida vão deixar saudades!

 

 

P.S. para quem já leu: Sou só eu a achar, ou esta família tem péssima imaginação para dar nomes aos filhos? E aquele capítulo final, hein? Menos 100 páginas e o livro estaria perfeito, não concordam?

Livro: O Prisioneiro do Céu de Carlos Ruiz Zafón

Depois de me ter apaixonado pel'A Sombra do Vento - um dos melhores livros alguma vez lido - e de ter devorado O Jogo do Anjo, chegou a vez d'O Prisioneiro do Céu, numa altura em que O Labirinto dos Espíritos já está na mesinha de centro a bater pé enquanto me pergunta, nada baixinho, se vou demorar muito até o devorar com todas as unhas e dentes que me for possível. Está quase, digo-lhe eu. Esta semana é a hora! Me aguarde, Labirinto, me aguarde!

 

 

Disseram-me para não ter grandes expectativas face a este livro. Então eu peguei nele de mansinho e desconfiada... Mas se n'A Sombra do Vento demorei umas 40 páginas até me emaranhar, e se n'O Jogo do Anjo só lá para meio do livro é que me captou verdadeiramente a atenção, este, curiosamente, considerado por muitos um dos piores livros da saga - não confirmo nem desminto - captou-me a atenção desde a primeira página. Talvez por saudades do Fermín e do Daniel, porque, realmente, o livro é bastante diferente dos dois primeiros. Mas, e apesar da história ligeira, pouco mórbida e surpreendente, gostei bastante, talvez por o ter lido numa altura em que sei que há mais páginas à minha espera, que é só um até amanhã. Confesso que se achasse que este era o último livro da saga me teria enervado um pouquinho com o fim, que me saberia muito a pouco, mas imagino que O Labirinto dos Espíritos, tenha as respostas para as perguntas que tenho acerca do Fermín, do Daniel, do Valls e do David Martim! Mas bem, para quem não leu ainda, vamos ao que interessa.

 

O Prisioneiro do Céu conta a história de como Fermín chegou até Daniel e de como a história de amizade entre estes dois foi pouco aleatória, apesar do que nos leva a crer no primeiro livro. Numa altura em que Fermín está prestes a casar-se com Bernarda, está na hora de enfrentar alguns demónios uma vez que a sua identidade não existe, e é necessária para os papéis do registo. Assim, Fermín decide contar toda a sua história a Daniel que o ouve com atenção e o decide ajudar a encontrar nova identidade. O Prisioneiro do Céu é um livro que une a saga, é um livro que une Fermín e Daniel - d'A Sombra do Vento - a Martim e Isabella - d'O Jogo do Anjo. Com pouco suspense, passamos a conhecer melhor Daniel, pela narração de Fermín. É um livro que do ponto de vista descritivo da realidade da época, nos revolta, uma vez que uma parte da história nos é contada na altura da Guerra Civil Espanhola, onde nos é relatado muitas das atrocidades que ocorriam nas catacumbas do governo, também chamadas de prisões, onde criminosos e inocentes - provavelmente mais inocentes que criminosos - permaneciam para cumprir penas que ninguém compreendia em condições abaixo de miseráveis.

 

O Prisioneiro do Céu é, do meu ponto de vista obviamente, um livro que atiça o ódio nos leitores apaixonados por Sempere e Filhos. Quando criamos empatia com um personagem, não queremos que nada lhes aconteça e neste livro vemos como a história de Daniel foi reescrita por quem não devia e é impossível não ficarmos revoltados com isso.

 

Aviso à navegação: O próximo parágrafo contém spoilers d'O Jogo do Anjo

 

Este livro vem desmentir algumas premissas d'O Jogo do Anjo. Quem leu sabe que o autor nos deu a entender do sobrenatural associado a Martim e a Corelli, quem leu sabe que Corelli representava a figura do diabo e que Martim jurava a pés juntos que ele existia. Pois que n'O Prisioneiro do Céu percebemos que afinal não é bem assim, e confesso que fiquei com vontade de reler todo O Jogo do Anjo para encontrar erros, e a verdade é que mesmo sem ler, fiquei com algumas dúvidas da suposta inexistência de Corelli tendo em conta a morte da Cristina, que de certa forma, atestava a sua existência. Aliás, não compreendo como Cristina nunca tenha sido referida n'O Prisioneiro do Céu, uma vez que o verdadeiro final dela, ficou meio em aberto no outro livro. Propositado? Falha? Encontrarei as respostas n'O Labirinto dos Espíritos? Vou aguardar para ver.

 

A verdade é que adorei este livro apesar de ser diferente dos seus "irmãos", não o achei uma perda de tempo, bem pelo contrário, e foi bom reencontrar o desbocado Fermín e o jovem Daniel. Fico-me só a perguntar, onde andará Caráx...  Às vezes, acho que me esqueço que eles não existem realmente...

 

Estou muito ansiosa pelo início d'O Labirinto dos Espíritos!

 

Boas leituras!

Livro: As Gémeas do Gelo de S.K. Tremayne

Diz o senso comum, que não se deve julgar um livro pela capa, mas a verdade é que as capas são a forma mais eficaz de comunicar - primeiramente - com o leitor, e assim que vi a capa deste livro senti vontade de o ler. Não conhecia a trama, não conhecia o autor, mas senti-me atraída pela capa. Assim que li a sinopse percebi que tinha mesmo de ler este livro. Na altura não o comprei, porque tinha alguns livros em lista de espera, mas no início deste mês vi este livro a um preço espetacular no OLX que acabei por aproveitar a oportunidade. A oportunidade de comprar um livro novo - novinho mesmo, parece que nunca foi folheado - a preço de usado. Adoro estes negócios.

 

 

As Gémeas do Gelo conta a história de Sarah que tinha duas filhas gémeas idênticas - Lydia e Kirstie - que fisicamente ninguém as distinguia, apesar de caracteristicamente serem bastante diferentes. Lydia era introvertida e Kistie muito mais extrovertida e irrequieta.  Tudo corria bem para este casal, até que uma das gémeas cai abaixo de uma varanda em casa dos pais de Sarah e morre. Assim, aos 6 anos Lydia é dada como morta e o casal passa por uma grande crise. O pai, Angus começa a beber, a mãe Sarah entra numa profunda depressão. Acontece que um ano depois, e após terem perdido o emprego e todas as poupanças recebem uma herança: uma pequena ilha esconcesa com uma casa e um farol em muito mau estado, mas que esperam recuperar para conseguir vender por um bom preço uns anos mais tarde. Sem grandes alternativas decidem assim mudar-se para essa pequena ilha na esperança de começarem do zero e recuperarem do trauma que é perder uma filha. Acontece que Kirstie, a suposta sobrevivente, começa a dizer que não é a Kirstie, que os pais cometeram um erro e que ela é a Lydia e começa efetivamente a comportar-se como Lydia - mais introvertida, sempre agarrada aos livros - e os pais ficam confusos. A filha parece também não compreender quem é e não consegue relacionar-se com outras crianças sem as assustar. A ida para a nova escola transforma-se assim num inferno e a gémea começa assim a parecer cada vez mais perturbada. Afinal quem sobreviveu foi a Lydia ou a Kirstie? Leiam e descubram.

 

O livro tem no total três narradores: Sarah, um narrador externo e Angus o que permite ter uma visão diferente e abrangente da história. No entanto grande parte da história é-nos contada pela visão de Sarah, a mãe devastada pela morte da filha.

 

Apesar de o livro estar categorizado como sendo um thriller, eu classifico-o como um drama, porque a verdade é que apesar de ter algum suspense no final, quase todo o livro se foca na dor daquela mãe e daquela filha que se refere a si como um plural demonstrando uma grande confusão interna. Por isso se buscam um livro totalmente arrepiante e assustador, este não é o livro. É, no entanto, um livro arrepiante do ponto de vista sentimental, que demonstra como a nossa mente pode ser muito traiçoeira e a nossa realidade não ser a realidade efetiva. As descrições de sentimentos e das angustias permitiram-me sentir uma grande empatia pelas personagens e sentir verdadeiramente o drama daquela família. Tantas e tantas vezes que fiquei com um nó na garganta.

 

Este livro toca num grande ponto fraco dos pais: os seus filhos favoritos. E se vocês descobrissem que afinal o vosso filho favorito não tinha morrido e tivesse morrido o outro? Sentiriam menos dor? E se isso implicasse fazer novamente o luto de um outro filho, apesar de nada ter mudado realmente? E se vocês descobrissem que não conheciam verdadeiramente os vossos filhos ao ponto de não os distinguirem? Estas questões são retratadas no livro: as dificuldades do luto e a necessidade de esclarecimento de algo que não vai amenizar a dor mas só vai causar novos problemas. Os problemas de identidade, e até mesmo o que os pais são capazes de fazer para proteger a família.

 

Ao longo do livro vamos tecendo várias teorias sobre o que realmente aconteceu e apesar de o final não ser totalmente inesperado, a verdade é que de um certo ponto nos surpreende. O final deixou-me agoniada, precisei de o reler novamente para assimilar o que verdadeiramente aconteceu e a ambiguidade do mesmo dá-lhe um ar místico e enternecedor. Ficamos sem compreender se o que acontece se deve a algo sobrenatural, se à loucura, se ao desespero, se apenas ao amor.

 

As descrições do livro são fantásticas - até para mim que odeio descrições - pois permitem-nos fazer parte do cenário, sentir o que as personagens estão a sentir. O grande ponto fraco é o mistério - já que é classificado como thriller - pois o grande clímax da história só acontece no final, com a descoberta do que verdadeiramente aconteceu, e não vão dando pequenos mistérios para se irem resolvendo ao longo do livro, por isso dentro desta categoria desilude um pouco.

 

O que mais me assustou no livro é o confronto com a facilidade com que criamos premissas que se tornam verdadeiras - mesmo podendo não ser - e a facilidade com que essas premissas passam a assumir o controlo da nossa vida. Assustou-me o facto de uma pequena desconfiança, um mero mal entendido, possa deitar por terra tudo o que achamos sobre os outros e como distorcemos a nossa realidade e a dos outros. Acho isso bastante assustador.

 

Leiam o livro, vale bem a pena.

 

Já agora... alguém sabe se é suposto este livro sair para o cinema como a Rapariga no Comboio? Visualmente, tendo em conta as paisagens descritas, dava um filme lindíssimo - se bem conseguido, obviamente.

Livro: O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón

Comecei a ler antes do casório, esteve quase dois meses parado - ainda no início do livro - por causa do casamento e do Livro Secreto e agora... Foi todo de enfiada que estava ansiosa por saber o que iria acontecer.

 

 

Quem segue o blog sabe que adorei A Sombra do Vento. Depositei por isso grandes expectativas neste livro. No entanto, e se na Sombra do Vento o interesse louco pelas palavras que nele continha apenas surgiu por volta da página 40/50, n'O Jogo do Anjo, demorou um pouco mais. Este livro começa de forma muito lenta, e até de forma pouco entusiasmada, senti que o autor andava às voltas sem saber muito bem qual o caminho a seguir e não se percebe muito bem onde a história nos vai levar. Entretanto quase a meio do livro a história envolve bastante o leitor e quase no final, a história ganha a morbidez e o encanto que A Sombra do Vento nos faz sentir. O final deste livro é um misto de emoções: Chorei e revoltei-me, apeteceu-me mandar o livro contra a parede e perguntar ao autor porquê... Mas acho que é suposto os livros causarem-nos este tipo de sensações.

 

O Jogo do Anjo tem como palco uma vez mais a livraria dos Sempere e conta a história de Martim - amigo do Sempere pai do Daniel e seu avô - que vende a sua alma por 100 mil francos franceses para escrever um livro religioso para um misterioso editor francês a quem chama carinhosamente de O Patrão. Entretanto descobre que na casa onde vivia, alguém tinha vivido com uma história muito semelhante à sua e que morreu envolto em grande mistério. À medida que Martim se arrepende do contracto que fez e tenta fugir d'O Patrão, tenta perceber quem era aquele homem que viveu naquela casa com as mesmas iniciais que as suas, até que se vê envolvido em vários crimes. Será que foi Martim que cometeu aqueles crimes? Quem é O Patrão? Pois leiam e descubram!

 

O sentimento geral que tenho do livro é que gostei. Gostei bastante. Carlos Zafón consegue transportar o leitor para os seus palcos, consegue fazer-nos viver a história de forma bastante intensa. No entanto senti que algumas pontas ficaram soltas e isso enerva-me. Claro que o final pode esclarecer tudo, mas ainda assim fica tudo demasiado generalizado, e eu odeio generalizar. Por exemplo, no início do livro Martim envolve-se com uma mulher misteriosa que supostamente é uma personagem de uma das suas novelas, no dia seguinte descobre que tudo aquilo que supostamente viveu não existia. E então? O que é que aconteceu? Foi uma miragem? Um sonho?... Pois que me devem ter arrancado do livro as páginas da explicação que nunca as encontrei. Então e a doença grave de Martim? Ele não ia morrer dentro de dias?... Ok... ok... que O Patrão era um "homem" muito poderoso, mas ainda assim... E o Marlasca fez o que fez porquê? Quais as suas motivações?... Pode ser a minha mania de querer todas as explicações mas fiquei com a sensação de que o autor se esqueceu de explicar um pouco mais.

 

Leiam e tirem as vossas próprias conclusões. Apesar de tudo na minha opinião é um livro que vale bastante a pena.

Livro: Os Últimos Sete Meses de Anne Frank de Willy Lindwer

Terminei de ler o livro Os Sete Últimos Meses de Anne Frank, do cineasta holandês Willy Lindwer, livro que me acompanhou nas últimas três semanas. Comprei este livro por impulso numa das minhas visitas ao supermercado da terrinha. Li algumas passagens enquanto esperava que o Mulo encontrasse qualquer coisa para o nosso carro, e já não consegui sair do supermercado sem o livro.

 

 

Tenho um sentimento dual para com este livro. Se por um lado gostei, por ter testemunhos marcantes e chocantes de várias mulheres que sobreviveram ao holocausto, por outro lado senti-me completamente enganada, porque este livro está longe de ser «O "último capítulo", nunca escrito, do diário de Anne Frank» porque se é verdade que todas as mulheres constantes neste livro conheceram Anne Frank, por outro, este livro não é sobre Anne Frank existindo apenas breves referências à sua pessoa e à sua irmã, uma vez que estas mulheres viram-na no campo de concentração, mas a maioria nem conviveu com ela, como é dado a entender pelo autor do livro. Por isso senti que usaram o nome de Anne Frank para venderem um livro que não é, efectivamente sobre Anne Frank. Agora, claro que, é inegável que Anne possa ter vivido tudo aquilo que foi descrito por estas mulheres, já que os factos se repetem ao longo dos vários testemunhos, sobre diferentes pontos de vista, mas estamos muito longe de ter um ponto de vista da Anne sobre isto que aconteceu a si e à sua família, nem tão pouco um ponto de vista e os sentimentos de Otto Frank foram explorados. Senti por isso que usaram o nome da Anne para vender mais e para conseguirem destacar o livro, que provavelmente de outra forma não conseguiria ter tanta visibilidade.

 

Por outro lado, é realmente um bom livro - dentro do que se pode chamar de bom, ao horrível -, com testemunhos marcantes e macabros sobre o que aconteceram a milhões de judeus, ciganos e presos políticos na II Guerra Mundial e no Holocausto. É curioso como diferentes mulheres que experienciaram os mesmos acontecimentos têm visões tão diferentes do que lhes aconteceu, e com formas tão diferentes de viver durante o próprio holocausto: umas mais resignadas e à espera da morte, outras com um maior espírito de luta e de força interior, bastante mais desafiadoras.

 

Ao ler o livro é impossível não ficarmos revoltados. Não consigo compreender como é que alguém se consegue julgar superior a outro e infligir-lhe sofrimento sem qualquer motivo. Como é que pessoas, igualmente presas, se conseguem aliar aos bandidos que lhes fizeram mal, para fazer ainda pior a outras pessoas. Há coisas que realmente nunca vou conseguir compreender!

 

Não é um livro de leitura fácil, se por um lado possui, relatos horrendos de experiencias de sofrimento e privação, por outro contém imensos termos em alemão, que pode dificultar a compreensão do livro. Mas com a continuidade percebe-se o que querem dizer.

 

Se procuram um livro sobre o Holocausto, aconselho vivamente este livro, se procuram um livro sobre Anne Frank, esqueçam!

 

Boas Leituras!

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.