Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Lutar contra o excesso de peso #12

 

 

Desde Junho que 10kg já se foram, o que dá uma média de 2kg por mês. É pouco tendo em conta o objetivo inicial, que seria de 1kg por semana, ou seja 4kg por mês, mas é um ritmo aceitável e por isso prefiro manter-me assim. A verdade é que para perder meio quilo por semana os sacrifícios não são muitos e consigo comer um pouco de tudo. Sim até bolos e chocolate, mas sem abusar. Claro que se pensar que por esta altura já poderia ter perdido o dobro e que já só me faltariam perder uns 2 ou 3 kg, me dá uma pontada no coração, mas a verdade é que devagarinho vamos ao longe e prefiro ir devagar e conseguir, do que ir demasiado depressa e desistir logo nos primeiros meses. Cá me vou aguentando. Olhando em frente, dos 23kg que queria perder, já só faltam 13kg!

 

Recomeçar a dieta depois das férias é quase tão difícil como iniciar uma nova dieta. É dizer ao cérebro que agora é altura de nos concentrarmos novamente, que agora acabaram-se os enchidos e o pão, as sobremesas e os pequenos-almoços elaborados. Pelo menos até ficarmos doentes... Semana passada passei-a na cama. Na cama e a comer porcarias, e por porcarias entenda-se pão - muito pão - e massa - bastante massa. Já me pesei. Não aumentei de peso felizmente, mas também não perdi. Isso confesso, deita-me um bocado abaixo, mas gosto de ver que mesmo quando como mais normal sem grandes restrições que o ponteiro da balança não se mexe. Significa que vai ser mais fácil de manter o peso do que eu temia. Claro que terei de ter para sempre cuidado, mas significa que assim que normalizar o meu peso não vou ter de fazer tantas restrições como achava, e isso é bom.

 

Desde que fui de férias que parei totalmente com o exercício físico, e isso faz com que os resultados apareçam novamente um pouco trocados e na última consulta voltei a perder massa muscular e a aumentar um pouco a massa gorda, quando o desejado é ao contrário. Ainda assim perdi volume de cintura e anca que é o que realmente importa, acho eu. A verdade é que estou constipada deste que regressei de férias e os dias estão mais frios e não estou tão predisposta, nem para as caminhadas que fazia na hora do almoço, nem para os quilómetros de bicicleta que fazia antes do jantar. Assim é mais complicado. Mas cá me vou aguentando.

 

Incrivelmente uma das minhas maiores dificuldades é lanchar. Por excesso e por defeito. É lanchar. No trabalho esqueço-me de lanchar e só quando chego ao jantar faminta é que me lembro que o iogurte da tarde ficou por comer. Em casa é difícil ficar-me só pelo iogurte e tantas vezes acabo a comer pão. Acabo por tentar compensar no jantar, mas nem sempre consigo.

 

Olhando para todo o percurso, verifico que os maiores benefícios desta dieta até agora foram:

  • Como muito menos. Mas muito menos. Agora sinto que como como uma pessoa normal, como uma só pessoa. Vendo bem, é incrível a diminuição da capacidade do meu estômago.

  • Os ataques exagerados de gula diminuíram. Diminuíram quase para zero. Consigo ter um bolo em casa e mal lhe tocar. Consigo comer uma colher pequena de sobremesa. Consigo olhar para um chocolate e não o devorar. Consigo acima de tudo ter gordices em casa e não ter vontade de lhes tocar. Consigo passar por uma cadeia de fast food e não ter vontade de comer. É realmente das maiores vitórias. Claro que há dias em que a coisa se altera um pouco, essencialmente perto da altura da menstruação, mas nada que não se controle.

  • A fome constante desapareceu. E quando me dá uma fome mais descontrolada é porque algo de errado se passou: o pequeno-almoço não foi o suposto, ou esqueci-me do lanche, ou falhei algum snack. A verdade é que não passo fome, não é suposto ter fome e quando isso acontece é preciso perceber o porquê de estar a acontecer.

 

Mas claro que fazer dieta continua a ser difícil se não, eu não continuaria a empregar este termo. E as principais dificuldades são:

  • As saídas com os amigos, os jantares aqui em casa ou na casa deles... É quase impossível não descarrilar a dieta nestas alturas. Seja por comer mais e pior nessas alturas, seja por beber refrigerantes - que agora é raro - seja por comer sobremesa -. que é inevitável.

  • Fazer boas opções quando não levo almoço na marmita. Se é fácil fazer dieta quando sou eu que preparo a marmita é mais complicado quando assim não o é. Não porque vá comer hambúrgueres ou pizzas porque isso não acontece. Mas é mais difícil fazer opções saudáveis e equilibradas. Pedir uma sopa implica comer uma sopa carregada de batata, e muitas das vezes a alternativa é uma sande de qualquer coisa e isso implica comer uma dose relativamente grande de pão.

  • Beber água neste altura. Se beber 2L água no verão já não é fácil, beber 1,5L no inverno é quase impossível. Estranhamente, e ainda assim, bebo melhor água do que chá. Chá bebo 0,5L e parece que já bebi 3L, mas é algo que temos mesmo de forçar porque é mesmo importante.

 

Não, não vos quero enganar. Fazer dieta, ou reeducarmo-nos ao nível alimentar não é fácil e tenho cá para mim que nunca irá ser realmente. Nunca me apanharão na curva a dizer que correr 40km é o melhor do mundo, e que arroz de couve flor é melhor que o arroz normal. Mas sabem o que é realmente muito, muito bom? É podermos começar a vestirmos a roupa que gostamos e isso sim é realmente fantástico e vale o sacrifício.

 

Daqui a uma semana tenho nova consulta... Vamos ver como correu realmente este mês.

37 comentários

Comentar post

Pág. 2/2

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.