Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Alfabeto Literário #C Citação literária preferida

Citação literária preferida:

Como eu tenho medo destas questões... Medo mesmo, daqueles medos a sério... Medo de começar a pôr citações, citações, citações e não mais neste blog restar espaço para a Mula que o escreve. Acho que não há passagens favoritas de todo o sempre, direi mais que há citações favoritas de cada livro que se lê. Escolhi uma passagem que me marcou muito do Para onde vão os guarda-chuvas, mas a verdade é que poderia ser muitas outras passagens de muitos outros livros.

 

IMG_20170714_195912_185.jpg

 

 E a vossa é qual?

 

________________________________

 

Por 26 dias, eu, a Magda, a Just, a Maria João Covas, a Sofia Gonçalves, a Alexandra, a Drama Queen, a Caracol, a Gorduchita, a B♥, a Sandra.wink.winka Fátima Bentoa Happya Carla B. e a Princesa Sofia  responderemos a 26 perguntas sobre livros, tendo como mote o alfabeto. Às 14h das segundas, quartas e sextas, cá estaremos com este desafio. Não se esqueçam de visitar os restantes blogs para verem as várias respostas.

 

Boas Leituras!

Alfabeto Literário #B Bebida preferida durante a leitura

Bebida preferida durante a leitura:

Bebida favorita para qualquer altura ou situação, na realidade: Chá! De preferência de menta ou hortelã.

 

 

Só tenho pena que agora no verão não saiba bem beber quentinho, a fumegar, bem docinho - com açúcar, nada de mel - e com umas bolachinas de manteiga a acompanhar!

 

E qual é a vossa bebida favorita para as leituras?

 

________________________________

 

Por 26 dias, eu, a Magda, a Just, a Maria João Covas, a Sofia Gonçalves, a Alexandra, a Drama Queen, a Caracol, a Gorduchita, a B♥, a Sandra.wink.wink, a Fátima Bento, a Happy, a Carla B. e a Princesa Sofia  responderemos a 26 perguntas sobre livros, tendo como mote o alfabeto. Às 14h das segundas, quartas e sextas, cá estaremos com este desafio. Não se esqueçam de visitar os restantes blogs para verem as várias respostas.

 

Boas Leituras!

Alfabeto Literário #A Autor Favorito

Autor Favorito:

Muita coisa mudou desde o último desafio de livros. Conheci muitos outros autores, uns que me apaixonaram mais do que outros, mas ganhei um novo autor favorito, aquele autor que lhe permito até as mais longas descrições - que quem me conhece sabe que não sou apreciadora - e ainda me consigo apaixonar por elas. Um autor que um outro desafio literário me trouxe. 

 

Falo-vos, pois claro,  de Carlos Ruiz Zafón, autor da trilogia - mas que afinal são quatro -  O cemitério dos livros esquecidos. 

 

Quem mais é fã? Ou perguntarei antes... Quem não é? 

 

 

________________________________

 

Por 26 dias, eu, a Magda, a Just, a Maria João Covas, a Sofia Gonçalves, a Alexandra, a Drama Queen, a Caracol, a Gorduchita, a B♥, a Sandra.wink.wink e a Princesa Sofia responderemos a 26 perguntas sobre livros, tendo como mote o alfabeto. Às 14h das segundas, quartas e sextas, cá estaremos com este desafio. Não se esqueçam de visitar os restantes blogs para verem as várias respostas.

 

Boas Leituras!

O Adultério regressou ao lugar que lhe pertence

O meu livro da primeira edição do livro secreto regressou ao seu cantinho na estante com um sabor agridoce.

 

Acho que a lição número um que retiro desta primeira edição, desta fantástica troca de livros, é a de que somos todas tão diferentes que é complicado um livro agradar a todas, e um livro que para mim estava cheio de significados, significou muito pouco a muitos dos seus leitores. Bem sei que poucas o leram - poucas, porque éramos todas meninas, sim? - e algumas das que leram não gostaram, acho que isso se nota pela quantidade de linhas e rabiscos que acolheu. No entanto, e se isso inicialmente me estava a doer na alma - por saber que não estavam a gostar - a verdade é que com o tempo aprendi a aceitar, até porque me passaram também livros pelas mãos que me vi e desejei para os conseguir ler, e alguns confesso, li quase na diagonal para saber como acabavam. Lição número um: O nosso livro especial pode não despertar a atenção do outro. Deal with it!

 

Poderia ter ficado com uma má experiência do desafio, é um facto. Mas isso não aconteceu.

 

Conheci tantos livros que desconhecia e com os quais me encantei. Li pela primeira vez Zafón que se tornou no meu escritor favorito, conheci Sándor Marái com umas velas que me falaram ao coração que de outra forma não teria tido contacto, falei de uma forma única e quase desconcertante com uma Contadora de Filmes. Foram tantos e tão diferentes livros que me transportam para a lição número dois: Não podemos julgar o livro pela capa. E quem diria que um livro com uma capa tão feia podia ser tão bom! Ó Mula, e já não sabias disso? Não! Não compro livros com capas feias, é um ponto assente na minha escolha literária e um motivo de seleção tão válido quanto qualquer outro.

 

O meu livro da primeira edição do desafio secreto foi o Adultério do Paulo Coelho, o que me leva para a lição número três: Paulo Coelho está a anos luz de reunir consensos. Desde adolescente que adoro Paulo Coelho, comecei com o Brida, passei pelo Verónika Decide Morrer, abalei-me com os 11 Minutos - o meu favorito, mas que não o possuo - e terminei com o Adultério.

 

 

E porquê o Adultério, Mula? Em que é que andas a pensar?

 

Em nada. Só que o livro mostra-nos que às vezes canalizamos as nossas energias, a nossa tristeza e apatia pela vida da forma errada, às vezes achamos que a nossa felicidade está onde efetivamente não está. Eu já tive depressão, passei por períodos muito negros e também eu já procurei a felicidade onde afinal ela não existia, acabando por me magoar mais, a ser ainda mais infeliz e a fazer os que estavam à minha volta miseráveis. Creio que muitas das vezes as nossas ações afetam mais os outros que a nós mesmos, e consegui ler neste livro isso mesmo e por isso o quis partilhar. É efetivamente um livro que fala de adultério, de traição, de mentira e de um jogo perigoso de sedução, mas é acima de tudo um livro que acompanha a auto-descoberta da personagem principal que apesar de ter a vida perfeita aos olhos dos outros, efetivamente ela não a sentia como tal.

 

E porque sou teimosa, na segunda edição do livro secreto enviei um novo livro que pretende mostrar a evolução de uma nova personagem, através de mistérios e algumas traquinices, mas desta vez da mais consensual Alice Vieira, tenho cá para mim que é impossível não se gostar deste livro, mas isso só com o seguimento do desafio irei perceber se tenho ou não razão, e no final, daqui a dois anos, se ainda cá estivermos todos pois claro, cá estarei para vos falar desse pequeno livro cheio de sentimentos e acontecimentos.

 

Boas Leituras!

Livro Secreto #11 A contadora de filmes de Hernan Rivera Letelier

O primeiro livro de 2017 é também o último livro do Livro Secreto - 1ª Edição. E digo-vos, do fundo do meu coração, este desafio não poderia ter terminado da melhor maneira. Mas que livro belíssimo! Tão pequeno, tão profundo, tão triste, tão belo de tão triste. Com apenas 80 páginas, A Contadora de Filmes de Hernan Rivera Letelier foi lido de um só fôlego, como os livros pequenos merecem que sejam lidos!

 

 

A Contadora de Filmes, conta a história de uma família muito pobre de mineiros, amantes de cinema que por não poderem pagar as idas ao cinema de todos, encontra na filha, única mulher e a mais nova de 5 irmãos, Maria Margarita a forma de todos poderem conhecer de fundo os filmes do cinema. Maria Margarita via os filmes e depois contava-os e interpretava-os de forma excecional, assim todos os seus familiares, essencialmente o pai, poderiam conhecer a tão desejada história. A forma como Maria Margarita contava os filmes era tão excecional que muitas das gentes da mina preferiam ir ouvir os filmes contados por ela do que conhecerem o filme original no grande ecrã, no cinema. Assim começaram a cobrar as entradas para a contadora de filmes da mina e depois Maria Margarita começou inclusive a contar os filmes ao domicílio, que era onde ganhava melhor. Só que um dia tudo muda, e quando tudo muda uma avalanche de mau agoiro sobrevoa Maria Margarita e sua família e nada volta a ser o que era.

 

Nunca falei com um livro anteriormente. Maria das Palavras possibilitou que pela primeira vez falasse com um livro, obrigada Maria!

 

Este é um livro pequenino, que começa de forma singela, simples e até romantizada de uma pobre família que é feliz dentro da sua infelicidade, mas que com o avançar das páginas se torna avassalador. A contadora de filmes é um livro que fala se sonhos, de esperanças, da coragem e força que é preciso para se ser feliz na miséria, e acima de tudo, mostra como é possível ser-se feliz quando tudo na vida corre mal. Neste caso o cinema, e as histórias que dele advinham era o escape da miséria de Maria Margarita, e todos nós precisamos de um escape para o nosso sofrimento, o meu por exemplo, é este blog e a fotografia. Fala também de como os acontecimentos na vida pode alterar de forma tão drástica a forma como se vê o mundo, como se vê as gentes, e como nos vemos a nós mesmos.

 

Muito poderia falar sobre o livro, só que acabaria a contar demais, e eu quero que vocês leiam este livro, é daqueles que vale bem a pena, eu li-o numa hora, numa hora e meia e acho que é impossível não gostarem.

 

Termino com um pequeno excerto, um dos meus favoritos:

 

Por essa altura, descobri que toda a gente gosta que lhe contem histórias. As pessoas querem sair por um momento da realidade e viver os mundos da ficcção dos filmes, dos folhetins radiofónicos, dos romances. Até gostam que lhes contem mentiras, se as mentiras forem bem contadas*. Daí o êxito dos vigaristas hábeis no falar.

 

* Até já falei disso aqui.

 

Por isso, leiam leiam que não se vão arrepender.

 

Boas Leituras!

Desafio | A minha vida é um livro!

 

Quando o Crónicas de um café mal tirado desafiou a Mula para contar uma história utilizando todos os livros lidos em 2016, não tinha consciência do número de livros que li este ano, e tenho a confessar-vos que nunca li tantos livros em tão pouco tempo. Catorze livros no total. Para muitos um número pequeno, brincadeira de crianças, para a Mula é um grande número. Sempre gostei de ler, mas com a escola, e depois com a faculdade, nunca sobrava grande tempo para tal, e então lia uns dois ou três livros por ano, não... catorze. Catorze e uns pozinhos, que tenho dois ou três livros começados e não terminados, entre eles o atual, o derradeiro, o apaixonante: Labirinto dos Espíritos! ^_^

 

O Desafio consiste em:

Eis a minha história:

 

Uma Mulher Não Chora, dizem aqueles que nunca viram o seu coração partido por um malandro qualquer de cabelos loiros e olhos azuis. Maria, após chorar dias e dias a fio por um malandro que não a merece, é aconselhada pela amiga Rita a ler um Guia Astrológico para corações partidos que encontrara num café, na sua romântica Lua-de-Mel em Paris. Rita sempre fora apaixonada por Paris, tinha criado até um plano, ao qual chamava de O Plano Infinito, para viver com o seu marido naquela cidade. Mas João não estava muito para aí virado, sempre fora O Navegador Solitário, aquele que preferia viver isolado nas montanhas, longe da confusão, e Paris era demasiado confuso e com demasiadas gentes. João não gostava, quem o tirava das montanhas tirava-lhe a alma e a vontade de viver. Dizia que a cidade não tinha  A Sombra do Vento, que era tudo negro e sem vida, que as flores eram falsas que para serem verdadeiras não poderiam ser criadas em estufas, trancadas, como se d' Os Sete Últimos Meses de Anne Frank se tratasse. João dizia que as plantas mereciam ser livres, terem acesso ao vento, ao sol e à água naturalmente, longe das mãos dos homens.

 

Maria nunca gostou muito do campo, preferia a cidade, tal como Rita, mas como estava deprimida desde que fora abandonada pelo seu amante, e com saudades da sua amiga, decidiu visitar Rita e João nas montanhas. Seria uma viagem com volta no próprio dia, mas uma tempestade a impediu de regressar, tempestade essa que fez com que o casal ficasse sem luz na sua residência, obrigando-os a colocar velas em todas as divisões. Só que como se sabe, As velas ardem até ao fim e não tardaram em ficar às escuras. Maria sempre teve medo do escuro e aquele momento fazia-lhe lembrar O Jogo do Anjo que brincava em miúda, em que todas as luzes se apagavam e um miúdo previamente nomeado precisava de encontrar a outra criança que tinha a lanterna - como que um anjo - para os ajudar a encontrar os restantes meninos, que entretanto se tinham escondido longe dos olhares de todos. Maria tropeçara, e magoara-se. Como os pais eram contra que Maria brincasse a esse jogo ficou de castigo e ao longo de todo o verão fora obrigada a ler O Novíssimo Testamento, "para aprender a ser uma boa menina", dizia a mãe.  Durante todo o verão, As Gémeas do Gelo que viviam no andar de baixo, tentaram convencer a mãe de Maria a tirar-lhe o castigo para brincarem todas juntas, mas a mãe insistia que a filha precisava de encontrar A Luz que tinha dentro de si, para se portar bem e ser uma boa menina, mas a menina não encontrava essa tal luz e apenas se sentia como O Prisioneiro do Céu, na torre da sua casa, qual Rapunzel.

 

Entretanto nas montanhas, a luz voltou para alegria de todos e finalmente surge João do escuro de joelhos, carregando cuidadosamente nas suas mãos A pérola mais bela que alguém alguma vez já vira, abraçando a sua amada enquanto lhe dizia baixinho ao ouvido: Vamos viver para Paris!

 

 

E eu que sou conhecida por ter histórias com finais trágicos, começo assim 2017 com uma história com final feliz, tomem lá esta, suas más línguas, tomem!

 

E os nomeados são:

- Desculpa Magda, sei que te vai dar um trabalho desgraçado, coragem m'lher! [Acho que não faz mal se fizeres uma seleção prévia!]

- Pandorinha, não podes faltar a este desafio, escrita criativa e livros que mais podias desejar para começar bem o ano?

- Cumékeé Maria, temos palavras e livros, conto contigo?

- FatiaMor, como estivemos de leituras em 2016? 'Bora lá, bem sei que não fazes reviwes dos livros, desenrasca-te com os links para a wook!

- Inês, quão trabalhoso é fazer uma tira, ou uma banda desenhada inteira, com uma história?

 

Boas histórias a todos e que 2017 seja um ano de muitas e boas leituras!

Livro Secreto - Balanço

E algures em Outubro ou Novembro do ano que passou, a mais conhecida que o tremoço M.J. imbuída no espírito natalício da altura, teve uma epifania e lembrou-se que poderíamos trocar livros no Natal. Não sei se a ideia inicial dela era outra, ou se eu é que percebi tudo errado - que pensamento rápido e boa compreensão já sabem não ser o meu forte -, compreendi que seria para escolhermos um livro nosso e oferecermos a uma pessoa aleatória que se inscrevesse no desafio de leitura. Assim eu receberia um livro de oferta e ofereceria outro. Só e apenas, finito. Um livro. Um livro que poderíamos ler quando nos apetecesse. Afinal não foi assim. Não iríamos oferecer nenhum livro. Iríamos apenas doar temporariamente um livro ao grupo mas no final, bom filho a casa torna.

 

Confesso que me assustei, Éramos 13 pessoas. A ideia era ler 12 livros diferentes que não escolhemos ler. Tempo do desafio: 12 meses. Desde pequena que leio e que adoro ler, mas quem me conhece sabe o que acontece quando me obrigam a fazer coisas, a ler coisas... Eça sofreu com o meu desprezo devido à obrigação de o ler, Saramago não foi exceção. Odeio ler por obrigação. Mas também odeio voltar com a minha palavra atrás. Assim segui com o desafio, enviei o recém lido Adultério de Paulo Coelho, que na altura adorei, cruzei os dedos e rezei. Bem, é possível que agora esteja a exagerar um pouco, o caso também não era para tanto, mas confesso que tenho um ritmo de leitura irregular e achei que não iria conseguir cumprir os prazos.

 

Enganei-me, com à exceção do livro que me calhou na altura do casamento e da lua-de-mel e que por isso não consegui ler, cumpri todos os prazos e li com satisfação todos os livros que recebi. Ora a nossa Presidenta como a Maria das Palavras diz e muito bem, sugeriu-nos a resposta a algumas questões. Ora aqui vão:

 

1469708787009.jpg

(Livro que terminei de ler esta semana e que em breve falarei sobre e o meu refresco de abacaxi e hortelã que sabe tão bem com este calor.)

 

a) Porque decidi participar na iniciativa:

Porque percebi tudo errado, porque de um modo consciente nunca me envolveria numa loucura destas... Ler um livro por mês - e agora até mais que isso, que também tenho os meus livros para ler - tendo em conta que estou fora de casa mais de 12 horas por dia, que não me sobra grande tempo para leituras, a não ser em viagens e entre uma pitada de sal e um virar o frango. É que ler no trabalho, tirando no inverno, está fora de questão, porque não me consigo concentrar. Mas a verdade é que tenho encontrado tempo e estou a adorar. Fico muito feliz por ter percebido tudo errado e ter tido oportunidade de participar neste desafio.

 
b) Qual o livro que mais gostei até agora:

No geral gostei de todos os livros que li até agora* - uns mais que outros está claro -, mas sem dúvida que a Sombra do Vento de Carlos Zafón levou o meu coração. Há muito que um livro não me prendia como este me prendeu e devorei-o de uma ponta à outra em pouco mais de uma semana. 


c) Qual o livro que menos gostei:

Estão a circular no desafio diferentes livros, de diferentes estilos. É normal que hajam uns que se enquadrem mais nas nossas leituras habituais, e outros que por fugirem demasiado ao habitual não nos prendam tanto. Até agora o livro que esteve totalmente fora do que costumo ler e que foi o livro que menos me prendeu foi o Lua-de-Mel em Paris de Elizabeth Adler. Gostei do livro no geral, mas é para mim demasiado descritivo e com pouco sumo que se retira para a vida. Gosto de encontrar nos livros ensinamentos, frases e palavras que me toquem ao coração e me façam pensar, e neste não consegui encontrar. Ainda assim, li sem dificuldades e não me foi maçador, é um bom livro para sonhar e para os dias em que estamos tristes e chateados e precisamos de algo que nos anime. Acho que daria, por exemplo, um bom filme, que contrariamente às leituras, adoro filmes deste género.


d) Uma passagem do livro que tenho e que está sublinhada por alguém:

IMG_20160728_142031.jpg

(Da nossa Petrolina, que há-de voltar.)  

 


e) Se já pensei em desistir:

Só mesmo no início, quando percebi a dinâmica do desafio e achei que não iria conseguir cumprir os prazos e que não iria ter prazer com as leituras uma vez que não poderia escolher os livros. Tão enganadinha que eu estava. 


f) Coisas que gosto e não gosto na iniciativa:

Gosto de ter a possibilidade de me surpreender com livros que de outra maneira não leria - e que tão boas surpresas já tive; gosto da partilha de emoções e sentimentos que se cria com as citações dos anteriores leitores; gosto de conhecer novos autores, alguns como este Sandor Marai que nunca tinha ouvido falar; gosto porque gosto de livros e livros são livros. Não gosto do terror psicológico que todos os meses sofro nos CTT a esconder as folhas com as citações no interior do livro - era bastante mais fácil se todos permitissem rabiscar o próprio livro; não gosto dos timings ainda que tenha consciência que têm de existir; odeio ter de entregar o livro a outra pessoa e não o poder colocar na minha estante como se fosse meu... A verdade é que há livros, como a Sombra do Vento que depois me obrigam a adquiri-los, mesmo depois de já os ter lido, porque se eu gosto tanto de um livro eu tenho de o ter na minha estante para o folhear sempre que sentir vontade.


g) Se pudesse trocava o livro que enviei por outro: qual!

Se pudesse trocaria o meu livro pela minha primeira opção: Estarás aí? de Guillaume Musso, só que na altura considerei que poderia ser complicado devido ao número de páginas e ao facto de ser livro de bolso e saber que nem toda a gente se dá bem com os livros de bolso por terem letras demasiado pequenas. Mas seria esse que teria oferecido. Porque foi um livro que me disse muito e me colocou algumas questões importantes ao nível do "e se...".

 

Como podem ver, o balanço é mais que positivo - se isso for possível. Posso já reservar o meu lugar no segundo round?

 

* livros lidos: Uma mulher não chora de Rita Ferro; Plano Infinito de Isabel Allende; Lua-de-mel em Paris de Elizabeth Adler; A sombra do vento de Carlos Zafón;  O Navegador Solitário de João Aguiar; Cloud Atlas de  David Mitchell (não terminado); As velas ardem até ao fim de Sandor Marai.

Desafio | Uma paixão chamada Livros #41

Balanço do desafio

 

O balanço deste desafio é bastante positivo, ainda que tenha tido algumas dificuldades, nomeadamente na lembrança de títulos de livros que tenha lido.. Tive grande dificuldade em me lembrar de alguns livros que li e que já não possuo, ou que me emprestaram, ou que simplesmente requisitei e acabei por me centrar mais nos livros que tenho nas prateleiras da minha estante, o que poderá ter resultado em negligência para com outros livros e autores, originando inclusive mais repetições do que as que desejava. No entanto, foi um bom exercício de memória, e gostei bastante de ver as preferências de todos os outros participantes. É curioso ver que livros que eu não gosto - como o Harry Potter - é um dos preferidos do pessoal, e como há autores cuja existência desconhecia e que tenciono, depois do desafio, ler. Como é o caso da Jodi Picoult e Khaled Hosseini.

 

Um ponto negativo que retiro do desafio: o desafio foi demasiado longo, a meu ver, e com o tempo fui perdendo algum interesse, quer pelas minhas respostas quer pelas respostas dos outros. No entanto, sou de palavra e não desisto facilmente e por isso levei este desafio até ao fim. Será que mais alguém sentiu isto?

 

E... depois deste, segue-se um desafio de cinema, que decorrerá ao longo do mês de Abril. Eu devo estar doida para voltar a ingressar novamente nesta loucura... Mas ó pá... eu adoro cinema, ainda mais que ler, por isso não tive como escapar.

Desafio | Uma paixão chamada Livros #40

Próximo livro a ler

 

Estou a ler o novo livro que me chegou do Livro Secreto  - O Navegador Solitário de João Aguiar - e tenho na mesinha de cabeceira - que vou lendo entre trocas de livros - o livro Em Busca do Carneiro Selvagem de Haruki Murakami. Quando tudo isto terminar, o livro que estou ansiosa com começar a ler é o livro As Gémeas do Gelo de  S. K. Tremayne.

 

 

MCj03825760000[1].gif

 

Boas Leituras!

 

_____________________________________

Desafio Uma Paixão Chamada Livros onde eu, M*The Daily MiacisMagdaMiss FMarcianoAlexandraJPDrama QueenFatiaMorCMNathyMJJustAna Rita Garcia M.TeaCarla B.Neurótika Webb, NoqeCaracol,Morena,asminhasquixotadas e Kikas partilhamos a nossa paixão pela leitura e pelos livros. 

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.