Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Lutar contra o excesso de peso #16

1.JPG

 

E chegou a tão temida consulta com a nutricionista pós-festas.

 

Antes de continuar, relembremos:

           - O meu objetivo: Chegar a 2018 abaixo dos 70kg.

           - O objetivo da nutricionista: Manter o peso.

 

Claramente aqui a doutora é ela, a experiência é dela e eu não percebo nada disto. Achei que não seria uma tarefa impossível perder 1,5kg em três semanas. Claramente ela conhece-me melhor do que eu e foi difícil manter o peso, quanto mais perder 1,5kg em três semanas. Claro que seria mais ou menos fácil se essas três semanas não englobassem o Natal, o Ano Novo e os Reis. Claramente estas três pequenas e quase inofensivas palavras têm mais peso do que achei que poderiam eventualmente ter...

 

Cheguei a dizer com orgulho que perdi peso no Natal. Ainda hoje não percebi o que aconteceu, mas após ter passado dois ou três dias a alimentar-me à base de pudim, queijo e bolo rei a balança quis dar-me um presente, e numa espécie de milagre de Natal os números desceram. Dei pulinhos de alegria, achei que o organismo estava mesmo a precisar de uns miminhos para arrebitar e acelerar.

 

Presente envenenado, ou dona do organismo mais desnaturada de sempre? Não sei, mas no Ano Novo engordei o que deveria de ter engordado no Ano Novo e no Natal! Que bom! Universo equilibrado este. E agora? E agora tinha uma semana para pelo menos equilibrar as coisas e ser o orgulho da nutricionista e conseguir pelo menos alcançar o objetivo por ela proposto: manter.

 

Na consulta: "Parabéns, conseguiu o que muita gente não consegue. Não só conseguiu não engordar, como ainda conseguiu perder algumas gramas [200g para ser mais precisa], e alguma anca. Acredite ou não são poucos os que conseguem esta proeza! Mal ela sabe, ou talvez até saiba, que eu perdei pelo menos 1kg e 200g! No mínimo isso!... Por isso até foi um feito do caraças visto por este prisma. Apesar do balanço final ter sido menos 200g, o real foi menos um quilo e tal. É bom, certo? Vamos acreditar que é bom.

 

A parte má é que posso mentir à nutricionista mas não posso mentir àquela balança do demo e pela primeira vez a gordura visceral subiu um pouquinho. "Nada alarmante", disse ela, "mas vamos aqui fazer um esforço extra, pode ser? E daqui a 15 dias quero-a abaixo dos 70kg como tanto quer!" Claro que sim! A doutora manda! Ou veremos se manda é que afoguei as mágoas num croissant ao pequeno almoço, num big mac ao almoço e num jesuíta ao lanche!... Mas já sabemos que, eu, que não tenho dia do lixo oficial, instaurei que dia de consulta é dia do lixo. É o dia em que como tudo o que me apetece, em que afogo as mágoas e as vitórias para no dia seguinte começar com mais energia. Tem resultado!

 

Tenho de me mentalizar que tenho de voltar a subir à bicicleta que jaz no quarto de arrumos... Quero tanto ver um 60 na balança! Dizem que querer é poder certo? Tudo apostos? 'Bora lá continuar este longo e desconsolado caminho!

 

Capturar.JPG

Como seria mais fácil a vida se tudo o que fosse saudável soubesse a lasanha...

Lutar contra o excesso de peso #16

 

Ai as festas, as festas...

 

Não há nada mais que abale uma dieta que as grandes festas. É sabido que em muitas casas a mesa é a mesma do Natal ao Ano Novo, recheada de coisas boas, cheias de açúcar, altamente gordurosas e carregadas de calorias. Devemos olhar para o lado e pedir um chá antes de uma fata de bolo rei? Claro que não. O segredo não está em não comer, porque a alma também se alimenta. O segredo está em ter juízo e comer, pouquinho do que se gosta. Eu cá tirei a barriga de misérias, pois claro. Mas, como me disse a minha nutricionista, devemos ter em mente que há apenas dois - vá eventualmente quatro - dias em que podemos abusar mais - os 24/25 e os 31/1 - mas devemos ter a consciencia de que nos restantes dias é para ter juízo. E se é verdade que no Natal a coisa estendeu-se ali até dia 26, eventualmente até dia 27, no ano novo no dia 2 já estava mais do que na linha - vantagens de não ter festejado em casa.

 

Hoje decidi partilhar convosco a minha rotina de alimentação, aquele plano alimentar que uso mais frequentemente - porque depois tenho outro quando preciso de dar um abanão ao metabolismo, e outro quando o bicho funciona quase sem esforço. Confesso que pensei muito, antes de partilhar o meu plano convosco porque foi feito para mim, tendo em conta os meus gostos e necessidades, tendo em conta eu, e não outra pessoa e como é sabido, o que resulta comigo pode não resultar com os outros. Ainda assim como não é um plano demasiado restritivo pareceu-me uma partilha inofensiva e pode ser que ajude alguém, quiçá.

 

Pequeno-almoço

  • Chá ou café (que eu à revelia transformo numa meia de leite com adoçante) + 1 pão de centeio/mistura/cereais (50g) com queijo magro (fresco, queijo creme ou em barra) ou fiambre de frango/peru ou compota sem adição de açúcar (1 c. de chá).

    OU

  • 1 Iogurte magro + 3 colheres de sopa de flocos de aveia + 1 peça de fruta + sementes e/ou canela a gosto.

 

Meio da manhã:

  • 1 peça de fruta + frutos secos (um pequeno punhado)

    OU

  • 1 peça de fruta + 2 marinheiras ou 2 tostas integrais ou 6 tostas finíssias integrais.


    Raramente como a fruta com os frutos secos porque raramente consigo comer só um punhado. Opto quase sempre pelas tostas finíssimas ou pelas marinheiras.

 

Almoço:

  • Carne (120g) ou peixe (120g-140g) ou 2 ovos + 2 colheres de sopa de arroz/massa/milho/quinoa/etc. ou 1 batata média ou 4 colheres de sopa de leguminosas 1/2 prato de legumes/salada + 1 peça de fruta ou gelatina.


    Aqui, sou-vos muito sincera: como de tudo. Do empadão ao bacalhau com natas. Do franguinho grelhado ao salmão com crosta de broa. Ao almoço o que a meu ver importa mais é a quantidade. Se sabem que é um prato mais calórico comem menos e até podem complementar com sopa. Aqui a sopa é permitida, só não está no plano porque raramente como sopa ao almoço.

 

1º Lanche:

  • 1 Iogurte magro + 2 colheres de sopa de flocos de aveia

    OU

  • 1 Iogurte magro + 1 colher de sopa de sementes a gosto (excepto bagas de goji).


    Acho que nunca como o iogurte com aveia ao lanche, o plano permite mas dava demasiada asneira andar com a aveia atrás de mim ("Aveia, aveia everywhere" se é que me entendem), então habitualmente é iogurte com sementes de chia ou de papoila.

 

2º Lanche:

  • 1 Gelatina sem açúcar ou 2 Queijinhos light ou 1 Queio fresco magro ou 1 Iogurte magro


    É muito raro fazer segundo lanche, apesar dos meus dias serem muito compridos. Almoço às 15h30 e depois só janto às 22h. Mas quando tenho um pouco mais de fome que o normal, o mais frequente é comer uma gelatina ou queijinhos light daqueles da vaca que ri.

 

Jantar:

  • 1 prato de sobremesa de salada ou 1 prato de sopa de legumes (faço sempre sem batata) + carne/peixe/2 ovos + 1/2 prato de legumes/salada + 1 peça de fruta ou gelatina.

 

Ceia:

  • 1 Chávena de chá sem açúcar.

 

A somar a tudo isto, bebo 1,5L de água com drenante que vou variando para o organismo não se habituar e alternando com chá de hibisco ou cavalinha para eu não me cansar.

 

E é isto. Acham que dá para passar fome?

 

Não vos vou mentir, claro que ao início custa, essencialmente quando um pacote de frutos secos me durava 1 ou 2 dias ou quando comia por 2 ou 3 pessoas às refeições. Agora não custa assim tanto e sinceramente sinto-me com muito mais energia, era desgastante andar sempre com fome, andar sempre a pensar em comida. Agora não, agora sinto que sou normal e isso é bom.

 

E então é agora em 2018 que vais começar a trabalhar o teu #corpodeverão2020? A Mula já começou em 2017!

Lutar contra o excesso de peso #15

a2fe99278858935821d9a9f022322475.jpg

 

"Como é que consegues?"

"Eu não consigo... Não tenho força de vontade!"

"Passas fomes?"

"É preciso muito sacrifício..."

 

 

Podiam ser ditas por mim. Aliás, foram ditas por mim ao longo de muitos anos e agora, sem que eu saiba muito bem como, sou eu que respondo, sou eu que dou conselhos, opiniões, que partilho experiências. Foram já seis meses de caminho até aqui.

 

Se bem se lembram, tive de reformular o plano porque o dito deixou de resultar e regressei 15 dias depois.

 

Resultado: Menos um quilo e meio neste lombo de Mula. Menos 4 cm na barriga, menos um na anca, menos 0,5% de gordura visceral, por isso digamos que estou novamente na corrida para o #corpodeverão2020.

 

Respondendo um pouco às perguntas que me vão fazendo.

 

 

"Como é que consegues?"

Não sei como consigo, acho que o que dizem é certo: o que custa é começar, depois vamos tomando o gosto de ver a balança a diminuir e isso gera um efeito bola de neve.

 

 

"Eu não consigo... Não tenho força de vontade!"

Não quero parecer injusta, porque também já estive do outro lado e será muito fácil regressar ao outro lado, porque emagrecer/manter o peso é uma luta constante, luta essa que já perdi outras vezes. Acho que a melhor maneira de mantermos o foco é arranjar uma motivação: caber em alguma peça de roupa que gostem e queiram voltar a usar, um casamento, uma reunião de ex-colegas de escola... O meu grande motivo é a vontade de ser mãe, e quero ser uma mãe saudável. A verdade é que é a este motivo que tantas vezes me agarro quando sinto vontade de desistir.

 

 

"Passas fomes?"

Não passo fome. Decidi recorrer a ajuda externa exatamente para não passar fome. Quando há uns anos decidi fazer dieta passei muita fome, aliás eu só me alimentava à base de omeletas e gelatina, e por isso é que quando voltei a comer normalmente recuperei tudo com juros. Recorri à ajuda de uma profissional. Como imensas vezes ao dia, por vezes até mais do que precisava - é o que sinto, porque não gosto de comer sem fome - e isso faz com que eu tenha um plano adequado às minhas necessidades que tem funcionado muito bem. Como viram, quando deixa de fazer efeito o plano é reformulado, e isto sozinha era muito mais difícil de fazer.

 

 

"É preciso muito sacrifício..."

Não vou negar. É preciso muito sacrifício. Essencialmente em jantares de amigos, em aniversários, em casamentos, e... 2 vezes por semana aos fins-de-semana, mas sabem o que eu faço? Em dias especiais eu não me privo de absolutamente nada - priva-me o meu estômago por questões de capacidade. Mas estabeleço comigo mesma um contracto: hoje extravaso, mas amanhã volto ao trilho sem estrebuchar e com juros - faço uma caminhada, reduzo os hidratos. Um dia não vai estragar toda uma dieta, vários dias é que sim, por isso é um forma de compensação. Com o tempo o que eu senti é que quanto menos como, menos tenho vontade de comer. Tantas vezes entro numa confeitaria cheia de bolos com aspeto delicioso mas acabo a pedir algo salgado... A verdade é que com o tempo a expressão "ter mais olhos que barriga" ganha sentido e o sacrifício deixa de o ser efetivamente, passa a ser natural.

 

 

-----------------------------------------

Estas são as questões mais regulares, se tiveres alguma questão que me queiras colocar, podes perguntar por aqui, ou então via email - desabafosdamula@hotmail.com - e no próximo "Lutar contra o excesso de peso" eu respondo. Prometo anonimato se assim for desejado.

-----------------------------------------

 

 

E é assim que encerramos 2017. Uma Mula mais leve, mais feliz e acima de tudo mais magra e com mais autoestima.

 

Balanço de 2017: 12 quilos perdidos, vários centímetros reduzidos, muita água bebida.

 

Agora consulta só para o ano... Objetivo destas festividades proposto pela nutricionista: Manter! Parece-me justo, mas em 2018 queria já ter dito adeus aos 70's e dito olá aos 60's  só falta 1 quilo e uns trocos. Será que consigo?

Lutar contra o excesso de peso #14

 

Ganhei coragem - e alguma vergonha na cara - e lá fui toda pimpona à consulta com a nutricionista.

 

Os resultados foram piores do que estava à espera. Calma, não ganhei peso, mas perdi 0 gramas - e eu que achava que tinha perdido umas gramitas que fossem... Consegui o que se calhar muita gente não consegue, que é ficar estabilizada quase como que criocongelada. Aumentei 0 gramas, perdi 0 gramas, a massa gorda e muscular são exatamente as mesmas de há 5 semanas atrás. No fundo parece que esta Mula, qual Bela Adormecida, parou nas profundezas do tempo e nada viveu nestas últimas 5 semanas.

 

A nutricionista analisou tudo o que comi nestas últimas semanas, concordou que o aumento do pão aumentou, mas ainda assim é da opinião que não é isso que está a bloquear a perda de peso. É verdade que cometi pecados, mas esses nunca foram um entrave até então e até cometi menos do que na altura do Verão, tendo em conta que fui a dois casamentos e a alguns aniversários. 

 

"É o marco dos 10 kg..." disse-me. Diz que é normal ao fim de 6 meses a estratégia deixar de funcionar. E a verdade é que tudo deixou de funcionar: o detox nunca mais alterou nada em mim, o drenante não mais me fez correr que nem Obikwelu para a casa de banho de 10 em 10 minutos e as quantidades ingeridas há muito que deixaram de ser um problema. Conclusão: Todo um novo plano se engendra para combater esta coxinha - que não é de galinha - flácida e preguiçosa.

 

Tinha no mês passado ganho o privilégio - de tão bem que estava a correr -  de voltar a ingerir hidratos de carbono processados à noite. Isso acabou. Vou voltar - como há uns anos atrás - a não ingerir fruta - para fazer detox do açúcar - e proteína agora é com força. Todos os lanches e snacks que eram com fruta passam a ser com proteína e frutos secos, e o batido verde que bebia de manhã e à tarde duas vezes por semana fica por aqui. O drenante também foi alterado - acho que nunca bebi nada que soubesse tão mal na vida... - e sopinha de legumes é para comer quase à descrição.

 

Voltamos por tudo isto às consultas quinzenais, para vermos se vai ou não vai. Ela diz que este travão é mais do que normal e diz ainda que assim que desbloqueie volto novamente a perder peso como habitual, que só precisamos de ver como desbloqueamos isto.

 

Bora lá reformular todas as rotinas alimentares novamente...

 

Bora lá ganhar nova motivação... 

 

Porra que assim não é fácil... 

Lutar contra o excesso de peso #13

 

Estou a deixar de perder peso.

 

Continuo na luta, continuo com o meu regime, a cometer as minhas facadinhas ali e acoli como sempre fiz - e que nunca me impediram de obter resultados - mas agora simplesmente deixou de resultar, já não perco peso. Neste último mês não perdi peso. Vá perdi, míseras gramas. Não é nada. Não é mesmo nada. E agora o Natal está à porta, o desejo por pão-de-ló e rabanadas anda ao rubro e não sei o que fazer à minha vida.

 

Sei qual é a solução. Sei que inscrever-me no ginásio era uma solução. Mas também sei que ir ao ginásio implica abdicar de um tempo que eu agora não tenho. Que implicaria acordar mais cedo - que eu odeio - ou então chegar a casa ainda mais tarde - e eu já chego tão tarde - e ainda implicaria abdicar das minhas folgas - ou pelo menos de uma, que é tão essencial para ter a minha casa em ordem. Sinto-me desorganizada. Parece que tenho cada vez menos tempo. Por esta altura já deveria de estar abaixo dos 70 e isso não está a acontecer e confesso que me começo a sentir frustrada... E já se sabe o que acontece quando me frustro: fico com mais fome, como mais, engordo em vez de emagrecer e começa tudo de novo.

 

Curiosamente foi neste peso que empanquei há dois anos atrás quando fiz por minha livre e total espontânea vontade dieta sem qualquer ajuda ou plano, para ir minimamente linda e maravilhosa para o casório.

 

Hoje pela primeira vez não apareci na consulta de nutrição. Sinto-me tão mal que não consegui... Sinto-me culpada.. Ainda que não tenha tido assim tanta culpa porque continuo a seguir o plano. 

 

Vi um ginásio aqui perto de casa: tem bons preços e a minha querida aula de Pilates existe à noite, por volta das 21h30 e daria para eu ir depois do trabalho. Mas depois penso: Estamos no inverno, e provavelmente iria converter-me na melhor cliente do ginásio: a que paga e não ocupa lugar, e isso deixa-me como uma maluquinha no meio da ponte...

 

Oh vida! Porque és tão difícil? 

Lutar contra o excesso de peso #12

 

 

Desde Junho que 10kg já se foram, o que dá uma média de 2kg por mês. É pouco tendo em conta o objetivo inicial, que seria de 1kg por semana, ou seja 4kg por mês, mas é um ritmo aceitável e por isso prefiro manter-me assim. A verdade é que para perder meio quilo por semana os sacrifícios não são muitos e consigo comer um pouco de tudo. Sim até bolos e chocolate, mas sem abusar. Claro que se pensar que por esta altura já poderia ter perdido o dobro e que já só me faltariam perder uns 2 ou 3 kg, me dá uma pontada no coração, mas a verdade é que devagarinho vamos ao longe e prefiro ir devagar e conseguir, do que ir demasiado depressa e desistir logo nos primeiros meses. Cá me vou aguentando. Olhando em frente, dos 23kg que queria perder, já só faltam 13kg!

 

Recomeçar a dieta depois das férias é quase tão difícil como iniciar uma nova dieta. É dizer ao cérebro que agora é altura de nos concentrarmos novamente, que agora acabaram-se os enchidos e o pão, as sobremesas e os pequenos-almoços elaborados. Pelo menos até ficarmos doentes... Semana passada passei-a na cama. Na cama e a comer porcarias, e por porcarias entenda-se pão - muito pão - e massa - bastante massa. Já me pesei. Não aumentei de peso felizmente, mas também não perdi. Isso confesso, deita-me um bocado abaixo, mas gosto de ver que mesmo quando como mais normal sem grandes restrições que o ponteiro da balança não se mexe. Significa que vai ser mais fácil de manter o peso do que eu temia. Claro que terei de ter para sempre cuidado, mas significa que assim que normalizar o meu peso não vou ter de fazer tantas restrições como achava, e isso é bom.

 

Desde que fui de férias que parei totalmente com o exercício físico, e isso faz com que os resultados apareçam novamente um pouco trocados e na última consulta voltei a perder massa muscular e a aumentar um pouco a massa gorda, quando o desejado é ao contrário. Ainda assim perdi volume de cintura e anca que é o que realmente importa, acho eu. A verdade é que estou constipada deste que regressei de férias e os dias estão mais frios e não estou tão predisposta, nem para as caminhadas que fazia na hora do almoço, nem para os quilómetros de bicicleta que fazia antes do jantar. Assim é mais complicado. Mas cá me vou aguentando.

 

Incrivelmente uma das minhas maiores dificuldades é lanchar. Por excesso e por defeito. É lanchar. No trabalho esqueço-me de lanchar e só quando chego ao jantar faminta é que me lembro que o iogurte da tarde ficou por comer. Em casa é difícil ficar-me só pelo iogurte e tantas vezes acabo a comer pão. Acabo por tentar compensar no jantar, mas nem sempre consigo.

 

Olhando para todo o percurso, verifico que os maiores benefícios desta dieta até agora foram:

  • Como muito menos. Mas muito menos. Agora sinto que como como uma pessoa normal, como uma só pessoa. Vendo bem, é incrível a diminuição da capacidade do meu estômago.

  • Os ataques exagerados de gula diminuíram. Diminuíram quase para zero. Consigo ter um bolo em casa e mal lhe tocar. Consigo comer uma colher pequena de sobremesa. Consigo olhar para um chocolate e não o devorar. Consigo acima de tudo ter gordices em casa e não ter vontade de lhes tocar. Consigo passar por uma cadeia de fast food e não ter vontade de comer. É realmente das maiores vitórias. Claro que há dias em que a coisa se altera um pouco, essencialmente perto da altura da menstruação, mas nada que não se controle.

  • A fome constante desapareceu. E quando me dá uma fome mais descontrolada é porque algo de errado se passou: o pequeno-almoço não foi o suposto, ou esqueci-me do lanche, ou falhei algum snack. A verdade é que não passo fome, não é suposto ter fome e quando isso acontece é preciso perceber o porquê de estar a acontecer.

 

Mas claro que fazer dieta continua a ser difícil se não, eu não continuaria a empregar este termo. E as principais dificuldades são:

  • As saídas com os amigos, os jantares aqui em casa ou na casa deles... É quase impossível não descarrilar a dieta nestas alturas. Seja por comer mais e pior nessas alturas, seja por beber refrigerantes - que agora é raro - seja por comer sobremesa -. que é inevitável.

  • Fazer boas opções quando não levo almoço na marmita. Se é fácil fazer dieta quando sou eu que preparo a marmita é mais complicado quando assim não o é. Não porque vá comer hambúrgueres ou pizzas porque isso não acontece. Mas é mais difícil fazer opções saudáveis e equilibradas. Pedir uma sopa implica comer uma sopa carregada de batata, e muitas das vezes a alternativa é uma sande de qualquer coisa e isso implica comer uma dose relativamente grande de pão.

  • Beber água neste altura. Se beber 2L água no verão já não é fácil, beber 1,5L no inverno é quase impossível. Estranhamente, e ainda assim, bebo melhor água do que chá. Chá bebo 0,5L e parece que já bebi 3L, mas é algo que temos mesmo de forçar porque é mesmo importante.

 

Não, não vos quero enganar. Fazer dieta, ou reeducarmo-nos ao nível alimentar não é fácil e tenho cá para mim que nunca irá ser realmente. Nunca me apanharão na curva a dizer que correr 40km é o melhor do mundo, e que arroz de couve flor é melhor que o arroz normal. Mas sabem o que é realmente muito, muito bom? É podermos começar a vestirmos a roupa que gostamos e isso sim é realmente fantástico e vale o sacrifício.

 

Daqui a uma semana tenho nova consulta... Vamos ver como correu realmente este mês.

Lutar contra o excesso de peso #11

 

 

Disseram-me algures por aqui que nas férias não se faz dieta. Cumpri. Não fiz dieta nas férias. Não é todos os dias que se está de férias e por isso foi altura de aproveitar. Não comi este mundo e o outro. Não comi. Mas também não me privei de nada do que me apeteceu. Não me privei. Acho que balanceei a mente com o estômago: Comi o que o meu cérebro pediu nas quantidades que o meu estômago permitiu. Andei, nadei, descansei. Vivi.

 

Claro que isso se refletiu na balança: engordei meio quilo nos Açores. Mas a dESarrumada é que sabe e ela disse que eu ia perder isso fácil fácil porque era só água escondida por entre as entranhas. E não é que tinha razão? Dois dias volvidos a casa e regressei ao peso com que entrei no avião rumo ao paraíso. 

 

Eis que chegou a segunda semana de férias: amigos, copos e passeios, no meio ainda um casamento. Foi tudo a ajudar. No casamento não acho que tenha comido em demasia mas bebi mais do que a conta, e como já sabem, as bebidas alcoólicas têm mais calorias do que aparentam ter, e no dia seguinte ao casamento pesava muito mais do que após uma semana nos Açores. Pânico: ia à nutricionista dali a dois dias. Confesso-vos, tentei adiar a consulta mas ninguém me atendeu e lá me resignei que era para ir. Mas como dizem que a nossa senhora das dietas alimenta-nos torto por mãos direitas, apanhei uma gastroenterite - provavelmente não devido a nada estragado, muito provavelmente devido às misturas alcoólicas que fiz - e no dia seguinte ao casório tive uma detox biológico que foi um mimo. Sopa e chá o dia todo para animar a alma e as ancas.

 

E eis que ontem lá fui à nutricionista...

 

Nutricionista: Então como é que correu?

Mula: Não correu... - Que eu cá não ludibrio ninguém.

Nutricionista: Não correu?  - pergunta com um ar um tanto chocada.

 

Pois que não correu. Lá lhe expliquei que andei, pulei, rebolei - literalmente - e nadei, mas que comi tudo o que não podia ou devia, e que não foi altura de fazer dieta, mas que agora era altura para me redimir. Riu-se. Disse-lhe que ainda assim achava que não tinha estragado nada na medida em que achava que não tinha perdido, mas que também não tinha ganho peso.

 

Foi mais ou menos assim...

 

Perdi 200g mas ganhei dois centímetros na barriga e um na anca. Estou eu a calçar-me, eis que ela desata a rir de um momento para o outro. Fico a olhar para ela sem perceber o que se passava. Eis que ela acrescenta: "Afinal as férias fizeram-lhe muito bem!Pois que a vida é uma coisa espetacular... Ao nível das massas tive os melhores resultados de sempre. Para terem uma noção, desde junho - quando iniciei as consultas - só tinha perdido 1kg - mais coisa menos coisa - de massa gorda, porque a bicha ora aumentava ora reduzia, e perdia quase sempre massa muscular o que é horrível e não é o desejado. Acho que em todas as consultas eu baixava a massa muscular - e  raras vezes a massa gorda - chegando ao ponto de reduzir massa muscular e aumentar a massa gorda. Eis que após todos estas loucuras alimentares perdi 3kg de massa gorda e ganhei 2kg de massa muscular. Vivam os montes dos Açores, os queijinhos e o pão! No fundo só perdi 200g porque o músculo é mais pesado do que a massa gorda. Ainda reduzi a gordura visceral que há algum tempo estava estagnada. Não é fantástico? Fiquei mesmo feliz por ter ido à consulta, porque apesar de não se refletir na balança os resultados foram bons! Saí de lá de alma cheia. Acho que é isto que eu gosto na minha nutricionista, arranja sempre forma de me mostrar algum lado bom do pouco esforço que por vezes faço, para me animar. Conseguiu.

 

Se regressar à rotina no trabalho não é fácil: é sentar-me ao computador e atirar-me aos lobos, à dieta confesso que não é tão simples assim. Recomeçar a dieta é quase como regressar à estaca zero. É voltar a educar o cérebro para os horários, para os "nãos", para os lanches e lanchinhos, para as quantidades... É aprender novamente toda uma rotina que foi muito fácil de apagar da memória. No entanto sei que em Dezembro já não quero estar nos 70's e vou fazer o que estiver ao meu alcance para isso acontecer!

 

 

'Bora lá comigo?

 

#tudoporumcorpo2020 #agoraésósopaeágua #boraláespalharmigalhaspeloescritório #vousermagraumdia #operaçãogajaboua

Lutar contra o excesso de peso #10

Não tenho uma dieta que implique contar calorias. Nem daria para mim, porque eu não peso a comida e por isso não tenho uma verdadeira noção do que como realmente. No entanto tento usar as calorias a meu favor na hora de escolher, como por exemplo quando compro pão embalado, iogurtes e até mesmo gelados. É assustador por vezes as escolhas que fazemos às cegas.

 

Ora vejam:

 

Em tempos fui com uma amiga lanchar e decidi pedir um croissant brioche simples. É relativamente seco, não tem cremes e aquele até nem tinha geleia no topo como é habitual. Pareceu-me uma boa escolha, tendo em conta que as outras opções eram bolas de berlim, pastel de chaves e afins. Cheguei a casa e por curiosidade fui ver ao Dr. Google quantas calorias tem um croissant: de acordo com o FatSecret um croissant brioche tem em média 300cal! Se tiver creme e/ou geleia, o valor é bastante superior.

 

Eu não sei se vocês têm noção das calorias que devemos comer por dia, mas existem tabelas que podemos consultar que nos ajudam a ter alguma noção. Por exemplo, atentem nesta tabela:

 

tabela calorias.png

(Retirada daqui)

 

Tendo em conta que eu não sou ativa e que meço 1,63m é-me indicado que devo ter um gasto calórico diário de 1700cal - o que está de acordo com o que me era indicado na altura que andava no ginásio -, ou seja, se eu comer 1700cal diariamente mantenho o peso, se comer mais do que isso engordo, se comer menos do que isso (ou tiver um gasto energético superior) emagreço. Até aqui tudo certo?

 

Vamos agora fazer as contas para uma tentativa de manter o peso:

Ora vejamos, 1700cal a dividir por 5 refeições - pequeno almoço, meio da manhã, almoço, lanche e jantar - dá um valor redondo de 340cal por cada refeição. Se tivermos em conta que um almoço saudável tem entre 600-700 calorias e que jantamos muitas das vezes o que almoçamos, facilmente chegamos à conclusão que não podemos ter lanches de 400cal - sim porque acompanhei com um sumo. Assim, facilmente achamos que nos alimentamos de modo saudável e não compreendemos como é que ainda assim engordamos porque até "só comemos um croissant ao lanche" Claro que se for uma vez de quando em vez não faz mossa, mas se for um hábito diário os resultados podem ser bastante negativos. E em mim os resultados estão à vista que na loja comia quatro napolitanas por dia - duas ao pequeno almoço, e duas ao lanche -  ou dois jesuítas de amêndoas - um ao pequeno almoço e outro ao lanche.

 

Outro exemplo: Estava a tomar café e apetecia-me um doce para acompanhar. Não queria comer uma nata - que tem de acordo com o FatSecret 297 cal - e olhei para os húngaros da montra que tinham um aspeto divinal. Pensei em pedir um para acompanhar o café mas antes fui ao Dr. Google e perdi o apetite por saber que uma só bolachinha, um só húngaro teria 100cal. E é assim que vamos cometendo erros sem nos apercebermos, porque até não enchemos os pratos de arroz e massa e até comemos sopa às refeições.

 

Não podemos efetivamente deixar que as calorias controlem a nossa vida, não devemos ser os ninjas das calorias sob pena de enlouquecermos mas podemos - e devemos - ter consciência do que cada alimento poderá representar na nossa alimentação. Agora claro que também existe a lei da compensação e se por cada húngaro que comermos fizermos uma caminhada de 20/30 minutos, então está tudo bem, mas se não o fizermos... Bem, já sabem o que acontece se não o fizermos.

Lutar contra o excesso de peso #9

 

Na terça-feira foi dia de consulta na nutricionista. Tal como já esperava, os resultados foram os melhores dos últimos tempos. Desde a última consulta perdi 3 kg - que fazem um total de 8 em três meses que já tinha andado aqui a apregoar - e menos 2 cm na anca assim como menos 2cm na cintura, que é das maiores vitórias, essencialmente os da cintura que durante várias semanas não se alterava por mais dieta que fizesse.

 

Como disse aqui, deixei de tomar o drenante, achei que como continuava a beber água e a fazer xixi como se o mundo fosse acabar amanhã, que o drenante estava a mais. Parece que não estava: aumentei a retenção. Pobre nutricionista, enganada por mim disse que o drenante devia de estar a deixar de fazer efeito porque tinha aumentado imenso a retenção e que agora era para atacar com chá de cavalinha também. Mal ela sabe que deixei totalmente de o usar... Pelos vistos tenho de retomar a toma alternadamente com o chá a ver se volto a diminuir a retenção.

 

Não entendo o que posso fazer realmente para deixar de fazer retenção de líquidos... Bebo água, aumentei a quantidade de exercício físico... Deveria de ser suficiente.

 

Perguntei-lhe também como era possível os intestinos funcionarem pior agora que tenho uma alimentação muito mais saudável, indicou-me que acontece, que é comum, porque as gorduras e os açúcares acabam por provocar mais os intestinos, mas que perdemos elementos muito importantes, mas também garantiu que assim que o organismo se habituar ao novo tipo de alimentação que ficará tudo bem. A verdade é que eu dantes comia muito pão com sementes - que tem muitas fibras - e agora raramente toco no pão, imagino que seja uma alteração demasiado grande. A redução da quantidade dos hidratos de carbono no geral é também a grande responsável por esta maior dificuldade. Imagino que o facto de trabalhar o dia todo sentada que também não ajude...

 

Estive a ver os meus registos antigos de peso. Estou atualmente com mesmo o peso que tinha, quando em 2013 achando-me gorda decidi ir para o ginásio. Curiosamente apesar do mesmo peso, os restantes resultados são melhores: Tenho atualmente bastante mais massa muscular, lembro-me do choque do PT ao ver que eu estava abaixo dos 30, uma vez que o saudável nas mulheres é acima dos 35 - atualmente estou acima dos 40 -  e menos massa gorda, tinha na altura 46 e atualmente tenho 43 - o ideal é rondar os 20-25% lá chegaremos - e as medidas também são atualmente mais reduzidas, mas curiosamente o peso é o mesmo. É incrível como a massa muscular influencia o peso, e como não o podemos ver de forma desintegrada, porque em 2013 apesar de ter o mesmo peso que agora, estava bastante mais gorda do que estou agora.

 

Estou há três meses sem cozinhar com natas, de quando em vez lá compro umas natas de soja só para fazer um prato mais apetitoso mas a verdade é que eu punha natas e queijo em tudo e isso agora já não acontece. Custou, custou bastante, neste momento já estou habituada.

 

Perguntam-me o que me levou a colocar um ponto final no meu excesso de peso, o que mudou este ano que não tivesse mudado nos anos anteriores. Poder-vos-ia dar imensas respostas que vão desde a autoestima à roupa que eu gosto e não me serve. Mas foi essencialmente uma questão que me levou a tomar esta decisão mais afincadamente: Quero ser mãe em breve. Quero começar a pensar em engravidar, mas não assim, não com este peso, não seria saudável para mim, não seria saudável para o bebé, não seria saudável para ninguém. Primeiro quero ser magra, e depois quero ser mãe de forma saudável, tendo atenção regrada para não aumentar de peso depois. Sei que é possível, e eu vou conseguir. Torçam os dedinhos por mim porque eu vou conseguir!

 

Quando eu digo que vou ser magra é claramente uma brincadeira, porque eu não tenho corpo de magra, nem quando tinha 52kg eu era magra, a verdade é que eu tenho anca larga, tenho peito grande, tenho coxa rechonchuda, por isso eu magra não ambiciono ser, mas digo-vos, vou ser uma gaija boua! Ai vou! Quando entrar nos 30, terei o corpo com que ambiciono, e pronto para esse verão - não de 2020, como apregoo no instagram, mas de 2018!

 

Ainda estão a tempo de se juntar a mim! Acreditem, se a Mula preguiçosa e altamente gulosa está a conseguir, vocês também conseguem!

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.