Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Açores - S. Miguel // Parte IV

Capa Açores 1.jpg

 

Dia 4

Ao quarto dia foi dia de conhecer Ponta Delgada, todas as noites fui percorrendo a pé as ruelas e calçadas mas ainda não lhe tinha dedicado tempo efetivo. Este foi um dia de sol, de chuva, de vento, de tudo um pouco. Mas foi essencialmente um dia de calor, que nos permitiu andar confortáveis.

 

Ponta Delgada é capital administrativa dos Açores e apesar das ilhas dos Açores serem descritas como sendo verdes, com muito pasto, muito gado, muitas montanhas e muita água, Ponta Delgada é uma cidade relativamente plana, moderna - preservada - e completa. É uma cidade com todas as comodidades necessárias sem que tenha abdicado do seu traçado regional.

 

Começamos este passeio pelas Portas do Mar, um grande empreendimento no passeio marítimo inaugurado em 2008 que prometeu dar vida à zona marítima da cidade. Aqui podemos desfrutar da cidade e do mar sem ter de abdicar de nenhum dos dois. É uma zona com muitos restaurantes e com animação noturna. Todas as noites fazíamos uma boa parte a pé deste passeio para ajudar a fazer a digestão.

 

 

clicar nas setas para ver restantes fotografias

(Passeio marítimo de Ponta Delgada)

 

 

Aqui no passeio marítimo encontramos várias empresas de turismo para fazer excursões, ir ver as baleias e os golfinhos, entre outros passeios em toda a ilha. Confesso que fiquei com pena de não ir para alto mar ver, mas a verdade é que o dinheiro não chega para tudo e os preços ainda eram elevados. Talvez numa outra altura até porque prometemos regressar.

 

Ali na zona das docas, como é possível ver numa ou outra fotografia, é possível nadar. Existe delimitação para que as pessoas saibam por onde podem andar e existe inclusive um nadador salvador. Digamos que é uma piscina em plena cidade e pelo que percebi, é gratuita.

 

 

clicar nas setas para ver restantes fotografias

(Zona marítima de Ponta Delgada)

 

Vê-se alguns turistas, mas curiosamente pensava que iria encontrar muitos mais. A verdade é que quando dizia que ia a S. Miguel as pessoas diziam que era bonito mas que agora haviam demasiados turistas que nem dava para ver bem as coisas, que agora o que estava a dar era ir para as outras ilhas antes de serem igualmente turísticas, e a verdade é que não senti nada disso. Há efetivamente algum turismo mas não me pareceu que a cidade estivesse lotada nem nada semelhante. Mas claro, temos de ter noção que fui em finais de Setembro, em Julho e Agosto imagino que seja diferente, mas Julho e Agosto é diferente em todo o lado.

 

O que adorei em Ponta Delgada é o facto de não tentarem modernizar a cidade, com prédios novos cheios de vidro e linhas modernas, gosto do facto de preservarem os edifícios em pedra, com pedra regional e acho que de outro modo seria uma cidade como qualquer outra sem qualquer piada.

 

clicar nas setas para ver restantes fotografias

(Praça de Gonçalo Velho)

 

E aqui está o ex-libris de Ponta Delgada, aquele símbolo que aparece desde sempre associado aos Açores: As Portas da Cidade. São três arcos de volta perfeita em pedra regional, erguidos em 1783 na costa sudoeste da ilha e que em 1952 transferidas para o seu local atual: A Praça de Gonçalo Velho e são o símbolo da defesa terrestre da cidade.

 

 

clicar nas setas para ver restantes fotografias

(Forte de S. Brás)

 

E por falar em defesa da cidade, um pouco mais à frente, temos o Forte de S. Brás também conhecido pelo Castelo de S. Brás edificado no século XVI.

 

E aqui tivemos de fazer uma pausa para gelado. Porque férias sem gelado não são férias, e ainda por cima encontrei os meus gelados de máquina favoritos que são tão difíceis de encontrar: baunilha - os mais comuns são de nata - e morango. Mais um ponto para S. Miguel!

 

IMG_20170922_151648(1).jpg

(Não foram os melhores que já comi, mas estava muito bom)

 

 

Ali bem perto do forte de S. Brás temos a Praça 5 de Outubro, que também é uma praça com traçado regional e com uma árvore muito antiga, que está neste momento em risco de queda, tendo uns suportes para que os seus ramos não se partam. Numa das laterais da praça temos o antigo Convento de São Francisco, atual Santa Casa da Misericórdia. No centro da Praça existe um jardim com um coreto 

 

 

clicar nas setas para ver restantes fotografias

(Praça 5 de Outubro)

 

 

clicar nas setas para ver restantes fotografias

(Santa Casa da Misericórdia e Monumento ao Emigrante)

 

 

 

clicar nas setas para ver restantes fotografias

(Edifício da PT; edifício histórico junto às Portas da Cidade e Igreja de S. Sebastião)

 

 

Há igrejas muito bonitas em S. Miguel mas a Igreja Matriz de S. Sebastião conquistou o meu coração com esta entrada em estilo manuelino, digam lá se não é um espanto! E até a Câmara Municipal tem uma arquitetura belíssima.

 

 

IMG_2487(1).jpg

(Câmara Municipal de Ponta Delgada)

 

 

Depois do passeio pelo centro de Ponta Delgada fomos um pouco mais para norte a Fajã de Baixo ver a plantação de Ananases de Augusto Arruda.

 

IMG_1880(1).jpg

 

 

A plantação de Ananases A. Arruda é de visita gratuita e curiosamente está situada numa antiga quinta de laranjas. Aqui podemos encontrar várias estufas com plantações de ananás em diferentes fases, desde a planta até ao ananás maduro pronto a colher. Em média um ananás de São Miguel dura cerca de 18 meses e é reconhecido como o melhor ananás do mundo. Aqui bebi um sumo delicioso de ananás, melão e menta. 

 

 

clicar nas setas para ver restantes fotografias

(Ananases A. Arruda - Espaço Exterior)

 

clicar nas setas para ver restantes fotografias

(Ananases A. Arruda - Estufas)

 

 

Ao final do dia fomos ainda dar um passeio pelo sul da ilha até Vila Franca do Campo onde numa vez mais encontramos miradouros com vistas de cortar a respiração. Mesmo as terras do interior dos Açores são incríveis, mas se vos mostrasse tudo o que vi e senti, acreditem, ficavam dias e dias a ler, dava um romance histórico o quanto eu gostei da ilha.

 

E já só falta um dia. O último dia reservamos para ir às Furnas por isso não percam o último episódio porque eu também não.

Açores - S. Miguel // Parte III

capa 3.jpg

 

Dia 3

Foi neste dia que começamos a perceber que 4 dias efetivos em S. Miguel era muito pouco para visitar a ilha como deve de ser, como ela merece ser verdadeiramente visitada. Só tínhamos mais dois dias pela frente e ainda nos faltava tanto para ver, mas tanto, que confesso: temi que não iria conseguir ver nem metade do que acabei por ver. Tivemos de, passando a expressão, de dar corda aos sapatinhos, ou colocar o pé no acelerador que é quase a mesma coisa.

 

Começamos por ir ao ponto mais ocidental da ilha de S. Miguel: à Ponta da Ferraria na freguesia de Ginetes. A Ponta da Ferraria é uma fajã lávica, ou seja, de origem vulcânica formou-se devido ao recuo da costa devido às escoadas de lava que avançaram sobre o mar. São normalmente constituídas por grandes massas rochosas delimitadas por costas abruptas com grandes recortes.

 

Nesta zona podemos admirar o Farol da Ponta da Ferraria:

 

(Farol da Ponta da Ferraria em Ginetes)

 

 

Um pouco mais à frente temos o Miradouro da Ilha Sabrina que nos permite ter uma vista ampla sobre o farol, e sobre o Monumento Natural Regional do Pico das Camarinhas e Ponta da Ferraria. Aqui nesta zona temos as termas de água quente apesar de se situarem em zona oceânica, em que as águas do mar são aquecidas pelas águas quentes das nascentes termais da zona e onde se pode aceder gratuitamente à piscina natural que se criou na pseudocratera da Ferraria.

 

 

(Pseudocratera da Ferraria vista do Miradouro do Pico das Camarinhas)

 

 

Continuamos viagem e paramos em mais alguns miradouros - não faltam miradouros pelo caminho - mas o nosso objetivo era específico: A Lagoa do Fogo que tentamos ver no dia anterior mas que não conseguimos devido ao denso nevoeiro que se fazia sentir na Serra da Água de Pau.

 

IMG_1434(1).jpg

(Um dos muitos miradouros que passei)

 

 

Chegamos finalmente à Lagoa do Fogo. As vistas lá do cimo do miradouro são incríveis, únicas.

 

IMG_1491(1).jpg

(Lagoa do Fogo vista do miradouro)

 

 

A Lagoa do Fogo é uma das maiores e mais altas lagoas dos Açores, ocupando uma área de 1360 hectares, tendo como ponto mais alto 949 metros. É uma lagoa de origem vulcânica, sendo que o Vulcão do Fogo é o que dá forma ao grande maciço vulcânico da Serra da Água de Pau. A Lagoa, onde estupidamente descemos já que não temos qualquer tipo de preparação física para tal esforço, encontra-se no centro da caldeira do vulcão e para podermos descer até à Praia da Lagoa do Fogo - reconhecida como uma das 7 Maravilhas de Portugal na categoria de praia selvagem -, tivemos de descer cerca de 600 metros, num percurso ao longo de 2km, com uma inclinação brutal.

 

(Lagoa do Fogo vista através da descida pelo trilho)

 

 

A lagoa é mesmo assim, com uma água tão azul e cristalina - não é photoshop - e acho que é impossível não nos apaixonarmos por ela, talvez por isso tenha querido tanto ir vê-la de mais perto.

 

Hoje, que estamos vivos e de boa saúde, fico feliz por ter descido, mesmo lá em baixo - contrariamente à opinião do Mulo - as vistas são incríveis, a ideia de que estamos dentro de um vulcão é incrível, mas não voltarei a repetir a façanha pois é possível que no futuro não tenha o mesmo desfecho a menos que sigamos com algum grupo e bem preparados com roupa e calçado apropriados ao trilho que está - deixem-me que vos diga - em muito mau estado: Degraus que já existiram e que já não existem, muitas zonas lamacentas que escorregam muito, zonas perigosas - como aquela em que caímos - sem qualquer tipo de vedação - mais à frente encontramos barras a proteger os limites do trilho, mas não as há na maior parte do percurso.

 

Mas a verdade é que chegamos vivos, e ainda nos molhamos num vulcão. Não é incrível esta ideia? Estivemos DENTRO de um vulcão, ainda que não tenha lava, nem calor em excesso, nem pedras saltitantes, ou qualquer outra coisa que lembre realmente um vulcão.

 

 

IMG_1496(1).jpg

(A Mula a lavar os pézinhos no vulcão, porque não tinha água em casa)

 

 

IMG_20170921_164219(1).jpg

(Lagoa do Fogo vista da caldeira, da praia)

 

 

Uma coisa engraçada que encontrei na caldeira da lagoa foram pedras todas empilhadas umas em cima das outras, qual ritual satânico. Não percebi a ideia, não sei o que significa, mas olhem porque a Mula é pior que a Maria Nabiça também quis fazer o seu boneco, e eis o boneco da Mula:

 

 

IMG_20170921_165030(1).jpg

(O boneco de pedras da Mula na Lagoa do Fogo)

 

 

Espero que não signifique assim nada de muito importante porque enquanto eu fazia o meu boneco o Mulo andou a atirar pedrinhas aos bonecos dos outros tentando atirar as pedrinhas ao chão. Acho que estava só a exorcizar os seus demónios.

 

Sabem quando é que eu percebi verdadeiramente a profundidade da descida? Pois claro, quando foi para subir. Quando olho e vejo um monte gigante à minha volta.

 

IMG_1498(1).jpg

(Lá em cima de tudo, junto ao céu estava o nosso carro, cá em baixo de tudo junto à água estávamos nós, e eu só pensava: "ó céus onde me fui meter!")

 

 

Mas já não havia volta a dar, ainda perguntei ao Mulo se existiam helicópteros em S. Miguel para nos irem buscar e em caso de não haver quanto tempo tardaria a chegar um do continente... Mas tendo em conta que estava mortinha por relaxar na Caldeira Velha para esquecer tudo o que se passou, lá ganhamos coragem para regressar ao cume.

 

Quando cheguei ao carro confesso, acho que foi quando caiu a ficha de tudo o que aconteceu. Estava tão cansada, mas tão cansada... Subi a maior parte da montanha de joelhos, é que se a descer era só saltar, a subir era mesmo horrível, e eu não conseguia ter força nas pernas, para subir degraus de mais de um metro. Foi mesmo uma aventura e tanto e por isso descansar na Caldeira Velha foi mesmo um descanso merecido.

 

A Caldeira Velha, também conhecida como Monumento Natural e Regional da Caldeira Velha, é um local termal de grande procura pelos seus banhos de água quente medicinais. É no fundo uma ribeira alimentada por água de várias nascentes - do vulcão do fogo - com grande abundância de ferro.

 

 

(Zona envolvente da Caldeira Velha) 

 

Não é de acesso livre, para entrar pagamos 2€ por pessoa mas vale bastante a pena, aqui o grande problema é mesmo estacionar. O parque à entrada é muito pequeno e acabamos por deixar o nosso estacionado na serra em local proibido, mas pelo que percebi é algo habitual.

 

Aqui finalmente pudemos relaxar. Existem pelo menos dois locais onde nos podemos banhar - já chegamos ao final da tarde, basicamente experimentei estes dois e nem procurei mais - onde as temperaturas são muito diferentes. Na zona da cascata a água deveria de rondar os 25º - que desilusão para quem achava que ia encontrar água a escaldar - e foi este o primeiro lugar que experimentamos, mas perto da fumarola cuja temperatura pode chegar aos 95º conseguimos um bom lugar com água a rondar os 37º. Foi mágico. Confesso, junto à fumarola o cheiro é muito intenso a enxofre - pelo cheiro parecia-me enxofre mas não vi escrito em lado nenhum que fizesse parte da composição da água - que confesso ao início incomoda um pouco, mas estávamos tão cansados que nem nos importamos.

 

(Da esquerda para a direita: As duas primeiras fotografias são da parte da fumarola, e as outras duas da cascata com a água mais fresca.)

 

 

Como podem ver, é uma zona muito natural, com pouca alteração feita pelo bicho homem e é um palco paradisíaco para quem goste de relaxar. Para quem seja fã de botânica, a Caldeira Velha possui ainda uma coleção fantástica de plantas de espécie endémica, o que dá ao espaço um ar ainda mais selvagem, ainda mais incrível.

 

 

IMG_20170921_204949.jpg

(Zona de banhos junto à fumarola, às 20h - hora que nos despedimos - a água estava a 37º)

 

 

Foi um bom fim-de-dia, saímos daqui já de noite e fomos apenas jantar às Docas em Ponta Delgada, xixi e cama que estávamos muito cansados.

 

Aqui nas Docas foi o meu grande dissabor das férias: Os senhores do Restaurante Cervejaria Docas - o Portugália lá do sítio - acharam que por seremos turistas que não sabíamos ler ou fazer contas e tentaram enganar-nos ao jantar, cobraram-nos o que não comemos para pagarmos mais e depois o pior é que o empregado de mesa estava tão envergonhado que colocava os pés pelas mãos e o gerente nem quis dar a cara... Um conselho, se forem a Ponta Delgada afastem-se da Cervejaria Docas que aquilo não é de boa gente! O que comemos estava bom mas longe de valer a chatice que nos deu e a conta que pagamos, para além de que a sobremesa que comi era totalmente artificial, provavelmente comprada no supermercado apesar de ter pago ao preço de gourmet. Não, ali não nos apanharam mais, mas descobrimos um bar ali perto com uns cocktails fantásticos e baratinhos... No fundo... Há males que vêm por bem.

 

E esta viagem já vai a meio... Peço-vos desculpa pela demora na publicação da terceira parte, mas isto dá um trabalho que muitos não imaginam e implica um tempo que eu não tenho. Mas estou a adorar rever tudo e falar-vos sobre estas fantásticas férias, é como se ali regressasse novamente.

 

Já sabem... Não percam os próximos episódios, porque eu também não!

Açores - S. Miguel // Parte II

IMG_1039(1).jpg

 

Dia 2

Amanhecer nos Açores é uma experiência... Diferente. Foi logo na primeira manhã que descobrimos o tempo incerto de S. Miguel. No dia anterior compramos o nosso pequeno-almoço - o valor do pequeno-almoço do hotel dava para almoçarmos os dois... - e tomamos na varanda do nosso quarto e nos 15 minutos que ali estivemos deve ter chovido e feito sol no mínimo umas 5 vezes. Mesmo com chuva, o ar é quente e não é uma chuva que incomode tanto como a do continente - claro que também pode ser pelo facto de estar de férias e quando estou de férias poucas são as coisas que me incomodam.

 

Traçamos o nosso objetivo do dia e seguimos em direção a Sete Cidades.

 

(Imagem retirada daqui)

 

 

Cedo descobrimos que as estradas na Ilha de S. Miguel são emolduradas, quase todas as estradas têm imensas flores, essencialmente hortênsias (e umas outras cor-de-rosa cuja nomenclatura desconheço).

 

IMG_1091(1).jpg

(Estrada micaelense a caminho de Sete Cidades)

 

 

Mas não são só as flores que emolduram a ilha, porque toda a paisagem envolvente é uma bela moldura da ilha.

 

(carregar nas setas para ver restantes fotografias)

 

 

Subimos ao miradouro da Vista do Rei para admirar as Lagoa das Sete Cidades, que é o maior reservatório natural de água doce dos Açores. Esta lagoa está dividida em duas, com tonalidades de água diferentes: uma mais azul - conhecida pela Lagoa Azul - e outra de coloração mais esverdeada conhecida pela Lagoa Verde, atravessadas por uma ponte baixa. Reza a lenda que as lagoas têm duas cores em representação das lágrimas de uma princesa e de um pastor que sofreram um amor proibido na região e que junto à lagoa choraram imenso. As cores diferentes representariam as cores dos olhos de cada um.

 

 

(Lagoa das Sete Cidades - Lagoa Verde e Lagoa Azul)

 

 

Do lado da Lagoa Azul situa-se Sete Cidades, cujo nome se associa a sete tribos fenícias que no passado habitaram a ilha: Aira, Antuab, Ansalli, Ansesseli, Ansodi, Ansolli e Con.

 

IMG_1050(1).jpg

 (Sete Cidades vista da Vista do Rei)

 

 

Sete cidades não é muito grande, mas convida a um passeio. Tem uma belíssima igreja, a Igreja de São Nicolau, mandada edificar em 1849 - e algumas casas típicas merecedoras de admiração.

 

(Igreja de São Nicolau)

 

 

Vista esta belíssima terra, decidimos ir dar um passeio mais natural, e não é que o nosso carro até ficava bem no meio das montanhas? Mas um carro branco para andar nos Açores, confesso, não foi lá grande ideia, ainda que não tivéssemos propriamente opção.

 

(creio que estávamos na Serra da Devassa)

 

 

E foi neste belíssimo trilho que descobrimos o verdadeiro segredo das Vacas Felizes: É que têm muitas delas uma belíssima vista para o mar.

 

IMG_1175(1).jpg

(E afinal haviam vacas em todo o lado)

 

 

Como as horas passam a voar, começamos a ir em direção a Ponta Delgada: passamos por Santo António, Capelas, Rabo de Peixe, Lagoa, e tantas outras terras que embora mais urbanizadas estão bastante conservadas e com o estilo típico dos Açores não sofrendo grandes processos de modernização, o que eu acho incrível. Gosto quando conservam as terras.

 

Os Açores têm imensos miradouros, se formos com tempo devemos apreciar cada um deles, mas se forem com as horas contadas como eu não é possível e fomos passando por várias placas que não fomos parando.

 

Descemos depois a Serra da Água de Pau para tentarmos ver a Lagoa do Fogo, mas estava bastante nevoeiro e tivemos de ali voltar no dia seguinte. É algo que nos avisam vários roteiros, esta serra tem constante nevoeiro e devemos tentar ir ver a Lagoa do Fogo - para mim a mais bonita da ilha - nos primeiros dias para irmos tentando até conseguirmos.

 

IMG_1295(1).jpg

(Vacas um pouco menos felizes, imagino eu pelo frio que estava, na Serra da Água de Pau)

 

 

E a chegar a Ponta Delgada encontrei mais um paraíso à beira mar plantado: O pôr-do-sol com um campo carregado de vários animais e Ponta Delgada em pano de fundo. Lindíssimo.

 

(Serra da Água de Pau a descer para Ponta Delgada)

 

E assim passamos mais um fantástico dia.

 

Estão a gostar de fazer esta viagem comigo? Então acompanhem-me nos restantes dias, que ainda faltam mais 3!

Açores - S. Miguel // Parte I

Foi uma viagem há muito desejada confesso. Já há muitos anos que queria ir até S. Miguel e deste ano não passou. Tenho tanto para vos contar e mostrar que vou optar, como tem sido habitual, dividir em vários capítulos para não vos maçar a alma. 

 

Capa Açores 2.jpg

 

 

Dia 1

Aterramos em Ponta Delgada ao final da tarde e contrariamente ao esperado - acho que nem o IPMA consegue prever o tempo na ilha - estava bastante calor, bastante sol, um final de tarde lindo.

 

IMG_0953(1).jpg

(Ponta Delgada vista do avião)

 

 

Fomos buscar o nosso carro à rent-a-car de imediato e o senhor da rent-a-car que nos levou do aeroporto até às instalações era muito simpático e falou-nos um pouco sobre a ilha, sobre o que ver e o que fazer, ou seja fez um pouco de guia turístico.

 

Para visitarem S. Miguel é mesmo aconselhado que aluguem carro, a não ser que comprem todo o tipo de excursões - o que acho que deve acabar por ficar bastante mais caro - porque tudo fica longe - dentro do que é possível ser longe numa ilha cuja altura máxima é de 15km e largura máxima de 65km - e a rede de transportes não é assim a maior do mundo, a menos que acabem por ficar apenas em Ponta Delgada. Sei que muita gente visita a ilha a pé, mas só tínhamos 4 dias efetivos - dia de chegada e partida não contam - para visitar por isso ou víamos o máximo que conseguíamos de carro - mesmo que isso implicasse perder algum encanto das caminhadas - ou então andaríamos a pé e não veríamos nem metade do que vimos. Optamos pela primeira.

 

IMG_20170919_195246(1).jpg

(Zona marítima de Ponta Delgada)

 

 

O que achei engraçado em Ponta Delgada e que desde logo reparei foi no trânsito, que não é muito, mas curiosamente as pessoas mesmo em grandes e largas avenidas andam devagar, são bastante calmas a conduzir, e isso confesso agradou-me bastante.

 

A vantagem de comprarmos - como foi o caso - tudo com bastante antecedência permitiu-nos viajar com preços mais reduzidos e até o hotel onde ficamos  ficou bastante barato. Confesso que quando vimos onde íamos ficar a dormir que ficamos um pouco abananados, porque não contávamos com tanto luxo, e ficamos a achar que nos iriam pedir o resto do valor assim que nos aproximássemos da receção, mas não. Conseguimos realmente um ótimo valor por um hotel de 4* bem junto ao centro de Ponta Delgada.

 

img.jpg

(Hotel VIP Azores, e vistas do quarto)

 

 

Chegamos com fome, pois claro, Mula que é Mula numa terra com comida da boa, tem fome. E como conhecíamos alguns amigos que tinham estado na ilha à pouco tempo pedimos algumas referências de restaurante, e assim conhecemos a Taberna Açor, onde passamos a jantar quase todas as noites. Aqui comemos à base de tapas, tábuas de queijo e enchidos, muito pão e torras de massa sovada, pratos de moelas e orelheira de porco, só coisas boas. E a cerveja regional? Uma delícia. Quer a preta quer a branca, uma verdadeira delícia.

 

IMG_20170919_214051(1).jpg

Açor.jpg

(Delícias da Taberna Açor, Ponta Delgada) 

 

Se forem a Ponta Delgada não deixem de visitar a Taberna Açor, as pessoas que servem são muito simpáticas, as tapas são muito boas, os queijos deliciosos, os enchidos... Não falemos dos enchidos. Saí daqui sempre tão cheia, mas tão cheia que em 4 refeições apenas numa comi sobremesa: o fantástico ananás caramelizado que aqui servem com gelado. No entanto se decidirem ir a este espaço convém que reservem antecipadamente ou então preparem-se para esperar. Chegamos a esperar uma hora. Se chegarem um pouco mais tarde, por volta das 22h é mais fácil arranjar mesa.

 

Depois de jantarmos fomos dar um passeio à noite, pela marginal, pela marina, pelas ruas pedonais. Um outro conselho: não percam tempo a tentarem estacionar na rua, os parques da Tecnovia são muito baratos, a primeira vez até achamos que a máquina estava avariada porque estivemos cerca de 3 horas lá estacionados e pagamos apenas 1,20€, não compensa por isso dar voltas e voltas e mais voltas à procura de um lugar que nem existe.

 

IMG_20170919_234942(1).jpg

(Portas da Cidade de Ponta Delgada à noite)

 

E assim foram as primeiras em S. Miguel, foram poucas mas bem aproveitadas.

Não percam os próximos episódios, porque eu também não!

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.