Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

O túnel

Já há muito tempo que não entrava no túnel, e que não ouvia as pessoas lá ao fundo, como se estivessem longe de mim. Já há muito tempo que caminhava sóbria em casa, nos restaurantes, nas ruas... Mas no fim-de-semana foi diferente, e o problema que me assaltava na infância voltou a assaltar-me novamente.

 

Os médicos nunca me souberam compreender, ou eu é que nunca me consegui explicar, mas o túnel às vezes encerra-me em si e eu fico distante e sinto-me distante, tão distante como se não me conseguissem tocar.

 

"É como se de repente estivesse a sonhar e conseguisse olhar as pessoas de fora do meu círculo" foi o que sempre comuniquei aos xôs doutôres que me analisavam e que me tentaram escarafunchar a mente como se de uma cobaia se tratasse. Após dois ou três encefalogramas e outras tantas análises, nada de errado eu tinha, e os médicos foram desvalorizando, como se fosse só uma criança carente de atenção. Mas eu continuava a entrar no túnel e no sonho aparente, e continuava-me a queixar, até que os médicos convenceram a mãe a deixar de trabalhar que isto era "falta da mãe" diziam! Talvez tivessem razão. E com a presença mais assídua da mãe, deixei, por vários anos de entrar nesse túnel que me sugava a alma e a deixava fora do meu corpo. E durante anos apenas permaneceu a lembrança desses tempos, dos tempos em que eu deixava de agir, e ouvia os outros à minha volta a falarem, sem que eu conseguisse interagir, com aquela sensação de que se quer correr mas o corpo não corresponde ao pedido da mente.

 

Mas parece que não se pode fugir para sempre desse estranho túnel inexplicável, e no fim-de-semana, voltei a entrar nesse túnel. No meio de uma multidão, de um barulho ensurdecedor, voltei a ver as pessoas a passarem por mim mais rápido do que realmente andavam, mais longe do que realmente estavam, e inexplicavelmente consegui encontrar o silêncio dentro de mim como se a música tivesse simplesmente parado. Tentei, em vão que a minha alma reentrasse no corpo e que voltássemos a ser um só, mas só quando por fim encontrei o silêncio, um silêncio real e não adulterado é que me reencontrei comigo mesma, e voltei a ser eu, alma, ouvidos e visão normal.

 

Muitos acharão que nessa noite bebi mais do que a conta, a sensação é realmente a mesma, mas os meus lábios não tocaram em álcool, a não ser que a coca-cola tivesse sido adulterada à lata fechada, e assim após tantos anos de descanso, deixo novamente de conseguir estar em locais com demasiada gente e barulhentos sem que me perca por entre as gentes e me veja do lado de fora, como se de um sonho se tratasse.

 

Acho que ainda hoje não consigo explicar verdadeiramente o que me acontece nesses breves minutos no túnel.

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.