Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Não há condições...

IMG_20191118_223726.jpg

 

Até o google me chama de preguiçosa sem meiguice ou aviso prévio. É mesmo assim à bruta. Diz que 55 minutos de atividade diária é demasiado ambicioso para mim... Quer reduzir para 45!

 

É que nem o meu telemóvel me ajuda!... Até ele me aponta o dedo!

 

Basta já chega!

 

... Vou mudar de telemóvel para um que me diga: "relaxe, que já fez demasiado hoje, irei encaminhar dentro de segundos um ubereats para a Sra. D. Mula. Escolha só primeiro a gordice que quer comer hoje e depois nada mais faça, que farei tudo por si!".

 

Isto sim, seria um telemóvel à altura da Mula!

 

Entre mãe e filha, não se mete a chouriça!

Ou mete-se... O pior é que se mete...!

Semana passada estava com uma grande dor num dente. Era na gengiva na realidade, mas é praticamente a mesma coisa, doía para xuxu, para não dizer uma grande e valente asneira, para tentar manter o pouco nível do blog.

 

Chego a casa para jantar e pergunto o que é o jantar - já que estava um tanto limitada - e percebo que era massa estufada com coisas. Fiquemos assim, com coisas.

 

     Mula: Não quero carne que não posso comer, fico só com a massa.

     Mãe: Não tem carne, podes comer à vontade, agora somos vegetarianas.

 

Hmm... Até aqui tudo bem, percebi que seria massa com legumes estufados. Estava ótimo. Mas eis que olho para o meu prato e tem lá um montão de rodelas de chouriço!

 

Sim, de chouriço. Não, não era de soja, ou tofu, ou seitan - e entretanto esgotei todo o meu vocabulário vegano.

 

Hmmm... Não sei, Alexandra queres, talvez, explicar aqui à Mãe da Mula como é que funciona o vegetarianismo?

Desafio de escrita dos pássaros #12 Aqueles pássaros não se calam

Screenshot_2.png

 

 

Tudo começou com um casamento...

De uma Mula que já se descasou.

E foi assim que diferentes gentes,

Num só chat se juntou!

 

E desde aí que não se calam,

Piu, piu, piu, é todo o dia assim.

E centenas de mensagens trocam,

Mesmo em dias assim-a-assim.

 

Nunca estão sozinhos, os pássaros,

Nem na alegria, nem na tristeza,

Porque existe sempre alguém no grupo,

Com palavras de delicadeza.

 

Também temos humores diversos,

Com estes pássaros é uma animação,

Apesar da Mula não ler metade,

Porque quando os pássaros falam...

É na hora do patrão!

 

São todos diferentes estes pássaros,

E tantos outros que já avoaram,

Mas aqueles que resistiram

No chat nunca mais se calaram!

 

Piu, piu, piu! Piu, piu, piu!

É todo o dia assim!

Feito de gentes com blogs com gente dentro,

Que carinhosamente o Sapo Blogs uniu!

 

Vi a minha vida a andar para trás...

Semana passada a caminho de casa depois do ginásio, à noite, saio como sempre na saída de sempre da autoestrada, à hora praticamente de sempre mas a situação essa foi única e assustadora.

 

Assim que saio, o terceiro carro que vai à minha frente para de repente e fica atravessado na faixa impedindo que mais alguém saia. O carro de trás bateu-lhe. Pensei. Mas logo percebi que não. Estava chateado e queria discutir com o carro de trás. Estavam picados e a coisa parecia séria. A minha primeira reação foi trancar de imediato o carro. O carro que estava à minha frente tentou passar pelo cantinho da faixa mas sem sucesso e isso pelos vistos enervou ainda mais o tipo que discutia e esbracejava no exterior.

 

Voltou ao carro. Só me passou pela cabeça que ia buscar uma arma, um pau ou o que seja, pela forma como foi ao carro. Entretanto chega um carro que para atrás de mim. Fez marcha-atrás, regressou à autoestrada e seguiu, e eu ia fazer o mesmo. Marcha-atrás já metida ia recuar até à saída que havia logo ali ao lado. Mas o tipo lá percebe que já tinha demasiado público e entrou no carro e arrancou a todo o gás.

 

Tudo isto durou uns 3/4 minutos. Mas confesso que foram os 3/4 minutos mais longos da minha vida ultimamente.

 

As pessoas são tão más, tão descompensadas. Tão, demasiadamente parvas!

Barras de Access com Twist

Que é o mesmo que dizer: Com uma massagem incrível

A Mula voltou a ser convidada para uma sessão de barras de access, desta vez com uma massagem bio energética no final.

 

Já vos falei das barras de access aqui, mas para os mais preguiçosos a Mula resume.

 

As barras de access é uma técnica terapêutica energética que através da estimulação de determinados pontos no crânio, liberta energia de forma a potenciar desbloqueios emocionais, pensamentos, limitações psicológicas, entre outros. Quanto à massagem bio energética, é uma massagem que trabalha o corpo todo - quando permitido, e já vos explico porquê - através de manobras de relaxamento muscular e a mente e alma, através da aromaterapia com o objetivo de aumentar a energia vital do corpo e da mente.

 

As barras de access e massagem bio energética no final permitem o verdadeiro equilíbrio entre o corpo e a mente, já que as primeiras podem ser bastante desgastantes para a alma, a segunda permite repor a tranquilidade.

 

(imagem retirada daqui)

 

Desta vez a Mula fez esta terapia conjunta na Hebe Clínica, em Vila Nova de Gaia, com a Sara e com a Susana que são extremamente simpáticas e atenciosas - nem poderia ser de outra maneira tendo em conta o objetivo, porque também é preciso confiar para nos deixarmos levar. Para além das meninas serem espetaculares, o espaço é muito mimoso, e até a maca é aquecida! Uma chiqueza! A Mula habituar-se-ia a fazer desta a sua vida, confesso. A Mula nasceu pobre mas com gostos de rica o que fazer?

 

1574727516696.jpg

Ó! Ólhem pra Mula ali toda pimpona com um robe quentinho, quentinho, quentinho!

 

A Sara eu já conhecia, até porque já foi com ela que fiz a anterior sessão, a Susana conheci durante a sessão e é muito atenciosa e preocupada. Perguntou-me se havia alguma parte do corpo em que não me deveria de tocar, se tinha algum tipo de problema específico e qual o meu maior sentimento dos últimos dias, para poder adaptar o aroma, na parte da aromaterapia. Tudo é pensado ao pormenor.

 

Lembram-se quando eu disse na anterior publicação das barras de access, que a terapia apesar de se focar só na cabeça parecia uma full body massage? Agora imaginem realmente uma full body massage no final! É simplesmente incrível! As barras preparam o corpo para um estado de relaxamento tal, que a massagem flui de uma forma incrível. É realmente um complemento brilhante. Trabalhar corpo e mente de uma vez só.

 

Quanto às barras de access, a Sara foi muito sincera, estou um caco, a vários níveis. Ela que me conhece, diz que me desconheceu totalmente quando me fez as barras. Que estou com problemas a vários níveis e que piorou significativamente desde a primeira sessão. E perguntou-me algo que confesso, que me marcou bastante: Onde está a minha alegria? Fiquei um pouco chocada com a pergunta, confesso, mas olhando bem para mim para os meus últimos meses, a verdade é que tenho andado muito mais rabugenta que o normal, mais stressada, mais apática. Não é realmente positivo. Marquei já uma segunda sessão. Sexta-feira a Sara que me aguarde! Obviamente preciso de ajuda, acho que quando andava mais chorona, mais deprimida, que não reprimia tanto, tudo o que sinto cá dentro e isso claramente não está a resultar. 

 

Mas se foi estranho ver alguém que eu conheço, mas com quem não me relaciono diariamente, falar tantas coisas certas sobre mim apenas com base no meu campo energético, confesso-vos que foi ainda mais assustador ver alguém que nunca me tinha visto na vida, dizer coisas tão acertadas da forma como eu me sinto, da forma como eu estou, e dizer tanto acertado sobre mim, sobre a minha vida, com base apenas numa massagem! Pelos vistos toda a minha ansiedade e problemas se depositam na coluna e pernas e é aí que tenho de investir mais para as trabalhar. Aconselhou-me a fazer mais coisas de que gosto, de que me estou a perder, que preciso de me encontrar e que para isso preciso de fazer o que gosto e voltar a encontrar a minha alegria, a minha paz.

 

Com os óleos no cabelo saí de lá toda descabelada, toda despenteada, mas posso assegurar-vos que no fundo era apenas o reflexo da minha alma.

 

Se é verdade que este tipo de tratamento põe demasiado a minha vida em perspectiva o que me pode deixar um tanto angustiada, a verdade é que saio dele tão, mas tão relaxada e cheia de força, como se tudo se pudesse desmoronar naquele momento que eu me sentiria com forças para aguentar qualquer coisa. Até posso levar com um calhau na testa e estatelar-me no chão. Mas saí com a certeza de que sou forte e que consigo aguentar seja o que for, como de resto sempre aguentei... No fundo.

 

P.S.: Tenho só uma pequena ressalva a fazer... Um pequeno desagrado diria. Gentes fofinhas da Mula, quando quiserem oferecer estas coisas que a Mula adora, avisem-me quando tiver que me despir para eu puder ter a depilação em dia. Grata.

 

P.S.2.: Isto deveria de ser patrocinado pelo estado, feito em parceria com o SNS, obrigatório, portanto, a toda a população. Isto tem tudo a ver com saúde mental - ou falta dela, no caso da vossa Mula.

 

P.S.3.: Se tudo isto não for suficiente para vos convencer a conhecer este tratamento na Hebe Clínica, aceno-vos com comida: Elas têm chá e bolachinhas! Acredito que assim já não preciso de vos dizer mais nada, certo?

 

Todos nós devíamos lutar por uma melhor saúde mental, por uma melhor visão de nós próprios, por uma maior tranquilidade. Essencialmente por uma vida mais feliz. Nada disto faz milagres...  Mas ajuda!

Parabéns Magda!

Foste uma das primeiras pessoas que conheci pessoalmente do blog. Foste das pessoas que mais me inspiraste a ler mais e mais e a pensar sobre o que li. És das pessoas mais bem dispostas que conheço, e das que tem sempre uma palavra alegre para dizer mesmo quando a vida nem sempre sorri.

 

Hoje fazes mais um ano, mas parece que o teu espírito se torna cada vez mais jovem!

 

ef7495b380e2e7e1fda653c2b4ee5232.png

 

Um dia muito feliz Pássara Magda!

 

Portugal: Empresas, trabalho e disponibilidade

Screenshot_1.png

 

Quando as empresas mais precisam das pessoas, é quando mais as transformam em zombies. Quanto mais as empresas precisam que as pessoas sejam produtivas, é quanto mais as cansam e as transformam em seres em piloto automático, pouco produtivas.

 

Quanto mais as pessoas precisam de descansar é quanto mais as pessoas trabalham.

 

A minha empresa está com um volume de trabalho anormal. E eu há 3 semanas estive de baixa, e precisei de mais uns dias para além da baixa, fiquei a dever à empresa. Quando é que compensamos a empresa? Quanto a empresa precisa. E quando é que a minha empresa precisa? Agora!

 

Estou há 2 semanas a trabalhar 6 dias por semana e mais horas por dia. Estou cansada. Os meus colegas estão cansados. Eu ainda não fiquei curada totalmente mas insisto. Insisto até que um dia quebre. Não vivemos num país onde possamos ficar doentes, essencialmente quando temos contas para pagar. E por isso é que eu preferi dever alguns dias à empresa em vez de me descontarem todos no salário. E mesmo não recuperada ali estou a trabalhar mais do que as minhas forças, mais do que o meu cérebro aguenta. 

 

Dói-me os olhos... O pescoço, as costas. Estou cada vez mais rabugenta, e com a paciência a baixo de zero. E os meus colegas iguais.

 

Sim... A empresa precisa de nós, mais do que nunca, mas nós estamos mais indisponíveis que nunca, apesar de aparentemente estarmos a trabalhar muito mais horas que o normal...

 

Ninguém percebe que assim não é nada produtivo. Que mais horas não é produtivo. Que menos descanso não é produtivo...

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.