Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Cenas da vida de um casal...

Chego a casa do trabalho, cansada, e o meu gajo diz-me:

 

"Vá... vai tomar banho, que eu estou a preparar o jantar.":

 

Porque:

 

a) Tem uma amante escondida, e quer-me entretida para a poder pôr a andar daqui para fora.

b) Sabe o quão importante é o banho na minha vida e quer-me relaxada.

c) Está a destruir a cozinha e não quer que eu perceba.

d) Estou a cheirar mesmo muito mal, e não quer que contagie a casa com o meu mau cheiro.

e) Outro. Qual?

 

Digam de vossa justiça, e vá.... sejam sinceros comigo, que eu não gosto que me enganem!

Eu já... #13

 

Eu já fui cobaia para um teste de cabeleireiro. Tenho a dizer-vos que NUNCA mais, e só para vos adiantar... a miúda reprovou no teste!

 

O teste era aparentemente fácil, pelo menos para uma suposta finalista do curso de cabeleireiro. Tinha que me cortar 6 centímetros de cabelo, fazer-me madeixas loiras e apresentar um penteado ondulado adequado à minha idade.

 

As madeixas estavam horríveis, nada uniformes, tinha mais de um lado do que doutro, o corte não estava certo, e o ondulado envelhecia-me, no mínimo, uns 10 anos. Fui o caminho todo, ia para a faculdade depois disso, a tentar destruir os caracóis... e no dia seguinte, tive que cortar ainda mais um pedaço de cabelo para o acertar e pintar o cabelo de quase preto para cobrir todo o mal que me tinha sido feito.

 

Não... descobri que para além de não ter vocação para anjo, também não tenho vocação para cobaia!

 

Apesar de tudo, o que mais me assustou, é que a miúda andava a estagiar nos cabeleireiro Inês Pereira, e descobri com isso, que muitos cabeleireiros da Inês Pereira estão "empestados" com estagiárias. Ou seja, as pessoas pagam couro e cabelo, literalmente, e são atendidas por estagiárias... Viva à exploração dos mercados!

 

Quem conta um conto # 8 À tua espera!

Quem conta um conto.jpg

 

Ísis chegou à estação e lá estava ele, descontraído e sereno como sempre. Já o tinha visto outras vezes, mas desta vez sentiu algo diferente. Entravam sempre na mesma estação e tinham os dois o mesmo destino, mas quando saíam do comboio perdia-lhe o rasto. Julgou que trabalharia numa empresa perto, e por isso não percebia qual o seu real destino. Depois percebeu que era o passo apressado dele, o responsável por todo aquele mistério. Ísis sentiu, e apesar de terem trocado apenas uns breves olhares, que precisava de saber mais sobre ele. Aquela figura ensonada de jeans e óculos escuros matinais, que lhe escondiam os seus belos olhos verdes, suscitava-lhe curiosidade. 

 

"Estás a apaixonar-te". Diziam as suas amigas.

"Como seria isso possível? Eu nem o conheço..." retorquia.

 

A verdade é que todos os dias Ísis acelerava o seu passo para o seguir um pouco mais, mas o facto de nem sempre estarem na mesma carruagem lhe facilitava a tarefa. Ao fim de quase um mês percebeu que afinal estariam mais próximos do que julgava, descobriu afinal que o caminho que faziam todos os dias de manhã em direcção ao trabalho, era comum, e que apenas alguns minutos os separavam.

 

Não havia dia que não trocassem um olhar, e Ísis decidiu sorrir-lhe envergonhada. Quando ele lhe retribuiu calorosamente o sorriso, facilmente percebeu que a atracção era mútua, e que provavelmente ele seria tão envergonhado quanto ela. Passaram-se alguns meses e nada se alterou, a não ser a distância que os separava. Entravam diariamente para a mesma carruagem, sentavam-se frente-a-frente como se se conhecessem, e ficavam ali a olhar timidamente um para o outro, ela enquanto lia o seu livro que sempre a acompanhava, ele enquanto mexia no telemóvel para escolher uma outra música.

 

Com o inverno a terminar e com os primeiros raios de sol quentes a espreitarem pela janela do seu quarto, Ísis tomou uma decisão. "É hoje que perco a vergonha e lhe falo!", saiu decidida, vestiu a sua melhor roupa, calçou os seus melhores sapatos e maquilhou-se cuidadosamente para não parecer demasiado exagerado. Queria estar bonita, mas não exageradamente bonita. Atrasada, saiu de passo acelerado em direcção à estação, onde ele deveria estar, como sempre de olhar atento à sua espera. Mas nessa manhã, Ísis iria sozinha para o seu trabalho. Procurou-o com o seu olhar irrequieto, olhando para todo o lado e não o encontrou. "Deve ter-se atrasado..." pensou. Passou o seu dia desanimada e sentiu-se parva por toda aquela situação, como se o destino estivesse naquele preciso momento a conspirar contra si. Ísis deu por si a pensar no moço de jeans e olhos verdes e a sentir saudade. Percebeu então, que estranhamente estava apaixonada, ainda que fosse um sentimento que não explicava facilmente.

 

No dia seguinte, decidida, voltou a aperaltar-se novamente na esperança de o destino lhe reservar melhor sorte desta vez. Mas uma vez mais, ninguém apareceu. Dia após dia, Ísis tentava sem sucesso procurar os olhos verdes por quem se tinha apaixonado... 

 

Ísis continuou a apanhar o comboio, todos os dias, à mesma hora, na mesma estação, mas o moço de olhos verdes, nunca mais apareceu.

Curral da Má Língua # 1 Ginásios

197034_955e_1024x20002.jpg

 

Sejam todos bem vindos e bem vindas ao curral da Mula, à humilde residência deste ser tão imponente e irritado. Sentem-se bem confortáveis, que o debate está prestes a começar. Não sabem do que é que estou a falar? Ide aqui e verão.

 

E nada melhor que iniciar a rubrica com uma ideia da fundadora da mesma. A Sofia lança o tema bem polémico dos ginásios:

 

Já que falas-te em músculos para exercitar, que tal como primeiro tema os ginásios? Irrita-me aqueles homens sempre a encher nas máquinas, com músculos que mais parece o boneco da Michelin, andarem a passear no ginásio com a mania que são bons e estão sempre a olhar para o espelho, please! Outra é as mulheres andarem a passear nuas no balneário em modo exibicionista! Odeio entrar no balneário e ter um cu espetado para mim e ter que pedir com licença, ladies, existem uma coisa chamada toalhas!

 

Quem anda no ginásio, sabe bem as coisas horripilantes que por lá acontecem... E então minha boa gente de língua má e nervosinha, que têm a dizer sobre isto?

 

[A malta do facebook também se pode juntar aqui ao Curral, que até é mais quentinho, que eu liguei a lareira, é só irem ali ao " (moderado)" e porem um nome qualquer, que se não disserem mal da Mula, nem a denunciarem por pirataria, ela aprova os vossos comentários assim que lhe for possível.]

Curral da Má Língua

Então meus queridos, anda tudo bem dispostinho? É bem que não, que a Mula precisa de vocês mal dispostos. Quanto mais mal dispostos e irritados, melhor!

 

Sofia lançou uma ideia à Mula, e a Mula pensou: Porque não?

 

197034_955e_1024x20002.jpg

 

Está oficialmente aberta a rubrica Curral da Má Língua. Assim e sempre que desejarem falar de um tema, que vos apeteça de forma mais irritada ou menos irritada, escrevam-me uma carta bela e preciosa, com o tema, que será lançado para discussão, onde as feridas ficarão abertas e onde será jorrado sangue sempre que for caso disso.

 

Agrada-vos, ou nem por isso?

 

Quem quiser participar no seu blog, podem usar e abusar da imagem, notifiquem-me só, para ir lá dar as minhas linguaradas azedas!

 

Por aqui, aqui têm o meu e-mail - desabafosdamula@hotmail.com - ou deixem nos comentários o tema.

 

Mi liga vai.... 

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.