Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

As lágrimas e a Mula

tear.jpg

Chorar faz bem... alivia tantas tensões! Chorar é uma verdadeira descarga eléctrica, e por isso sou defensora de que se deve deixar chorar e sou contra frases ao estilo "oh vá lá não chores"; "tristezas não pagam dívidas", "agora, não adianta chorar..." e frases deste género. Porque estar triste e sofrer faz parte da nossa condição humana, faz parte da vida.

 

Só que eu não sei lidar com as lágrimas dos outros... 

 

Sou uma pessoa meiga, mas não sou muito carinhosa. Não sou das que abraça os amigos, não sou das que está sempre agarrada e aos beijinhos, e que toca na cara e faz carinho. Não sou assim, assim como não me sinto à vontade quando as pessoas o fazem comigo. Não lido bem com muitos abraços apertados, beijinhos e festinhas. Não que não as agradeça, não que até não me possam fazer sentir bem, acarinhada... Só não me sinto à vontade! 

 

Deste modo, quando alguém chora à minha frente, fico sem saber o que fazer: agarro/não agarro; continuo a falar/calo-me; digo chavões para alegrar a pessoa/sou sincera. No fundo, sou uma boa amiga, mas tenho um péssimo ombro, porque apesar de achar que todos devem chorar e que chorar faz bem à alma, desejo secretamente que a pessoa não chore, num ato de egoísmo, porque eu não sei o que fazer com aquilo, até porque na maior parte das vezes implica quebra do meu espaço, de entrar numa realidade que me é desconfortável.

 

Confesso que esta relação que tenho com o corpo e com o meu espaço pessoal, mudou muito com o Mulo, com ele, sou diferente, com ele sou das que agarra e esborracha, mas não sou assim com mais ninguém. Não dou beijinhos e digo que amo às pessoas de quem gosto. Mas ainda assim acho que essas pessoas sabem que as amo e as respeito, e que as quero, à minha maneira. Na minha maneira especial e tosca de querer e de amar.

 

Por ser assim, também não choro à frente dos outros - a não ser quando não dá para ser de outra maneira. Não sou das que liga para desabafar. Eu não desabafo, e às vezes quebro. Choro muito, muitas das vezes isolada no quarto às escuras, mas não ligo - e acho que nunca liguei - a pedir ajuda. Prefiro antes afundar-me no chocolate e nas natas. E não sou assim por orgulho, não para não pensarem que afinal eu também tenho os meus momentos maus, mas porque se eu não consigo suportar as lágrimas dos outros, porque haveriam os outros de suportar as minhas? Prefiro semanas depois dizer o que se passou, e que já passou e que já não há motivos para tristeza... e as pessoas ficam sempre assim:

 

"Então e não disseste nada porquê?"

 

Pois... Assim sou eu, que não sei ser de outra maneira.

Desafio | Eu e os Filmes #26

Toda a gente adora menos eu

 

Podia começar aqui a enumerar uma série de filmes sucessos de bilheteiras, que nunca vi porque não gosto, como Harry Potter, Senhor dos Anéis, Star Wars, mas não. Trago-vos mesmo um filme que eu já vi, que não gostei, e que toda a gente adora... menos eu.

 

Falo por isso do filme...

 

Sempre que falo sobre alguém e este filme vem à baila, toda a gente me diz o quanto adorou este filme... Eu só o achei estranho e enfadonho. Que esforço tive de fazer para não adormecer... Basicamente, e resumindo numa frase todo o filme. Perfume conta a história de um moço psicótico que mata moças em busca de um aroma qualquer que ele considerava perfeito, mas como fracassava, continuava a matar... e a matar... e a matar... Acho que tinha tudo para ser um bom filme, mas na minha humilde opinião, não foi bem conseguido.

 

As doidas por cinema a responder a este desafio: Eu, Alexandra, MagdaSofiaAna SofiaDrama QueenMafaldaJustJPAndy BloigGirl About TownRute, Nathy, Ana Rita Garcia,CaracolJoana e Bruxinha

Cenas de preparação de um casamento #4 Noiva à beira de um ataque de nervos!

 

 

Isto de preparar um casamento tem muito que se lhe diga. E eu que pensava, inicialmente, que era só ir à conservatória, comprar um vestido, arranjar um espaço e... aparecer! Qual rainha de Hollywood! Confesso que apesar de sonhar desde sempre com o meu casamento, que dispensava esta trabalheira toda e tivesse eu dinheiro que alguém estaria a tratar desta organização!

 

Mas não... como o dinheiro é pouco, há que reduzir os custos e há que fazer o máximo de coisas possíveis em casa. É preciso fazer convites, fazer rótulos para as lembranças, pedir orçamentos (muitos) para tudo e mais alguma coisa, negociar (muito) para que o dinheiro estique mais um pouco, e desfrutar do pouco tempo que sobra das decisões tomadas, sempre com desconfiança se tomamos a decisão mais acertada.

 

Soubesse eu o que sei hoje, que me tinha deixado ficar assim como estou, sem casamentos, sem gastos exorbitantes, sem chatices, acima de tudo sem chatices. Ora se não vejamos:

 

Como sabem mudei de espaço a três meses do casamento, porque o espaço inicial foi o que foi - felizmente devolveram o sinal -quase morri quando tentava marcar a nova data no registo civil - é que isto de casar a um Domingo é uma chatice para os profissionais que casam pessoas -; quase não tinha sutiã para as minhas mamarocas irem mais confortáveis no vestido, para além de que as ditas incharam e estão dois autênticos balões dentro do mesmo

 

Acharam isto pouco? Calma que os problemas ainda não terminaram.

 

A mãe dele não vai, porque o pai dele vai - e eu que julgava que éramos todos crescidos... -; há pessoas que não sabem se vão porque "ah e tal o transporte? Não tenho transporte!" - ajuda se eu vos disser que me vou casar no Porto? Bem no coração do Porto? É capaz de ajudar... - vão pessoas que praticamente não conheço, e outras que não conheço mesmo - porque a família encarregou-se de convidar pessoas sem a nossa autorização -; a minha madrinha de casamento tem o cartão de cidadão caducado e não a deixam ser testemunha apenas com o passaporte - e o consulado só a recebe no dia 11 de Maio... -; eu quero ir dormir a um hotel para ficar longe do stress e ter uma noite descansada longe da família mas a minha mãe faz chantagem emocional comigo para eu ir lá para casa, para que os vizinhos me vejam - farta de saber que eu odeio estas coisas, e os vizinhos e bla bla bla pardais ao ninho - e para terminar - para já - tenho um DJ e o noivo recusa-se a dançar - ando a tentar endrominar um plano para abrir a pista de um modo não tradicional.

 

Entretanto surgiram outros problemas menores: o Mulo diz que não se sente confortável a escolher os pratos para a boda, porque diz que não sabe o que 60 pessoas vão querer comer - lá acabei por ser eu a decidir, escolhi os nomes mais pomposos, e prontus, tá chic tá munito -; os pratos têm todos um aspecto deliciosos, mas são tudo coisas que eu não sei pronunciar, e ainda... com alguns convites enviados de forma duvidosa - para a família dele - arriscámo-nos a não conseguir o número mínimo de pessoas estipulado pelo espaço!

 

A somar a todos estas chatices, o trabalho... Este fim de semana foi em grande.

 

Este fim-de-semana, terminamos a entrega dos convites de casamento; reuni-me com a cabeleireira para decidir-mos o tipo de penteado - preciso de uma banda de cabelo que me vai custar um balúrdio, estou mesmo a ver -; marcamos com a decoradora e com o DJ uma reunião; marcamos com o espaço a degustação dos pratos escolhidos e ainda desenhei o rótulo para os brindes do casamento! Para além de que era suposto estar de dieta para perder estes braços e estas mamarocas que estão a mais... e com este stress todo: comi... comi... comi... comi... - mas continuei a fazer exercício de braços e retomei o ginásio!

 

Apesar de tudo isto, a cabeleireira, deu-me imensa confiança - acho que afinal já não vou com um aspecto todo lambido para o meu casamento - os convites que EU fiz ficaram lindos e mereceram um montão de elogios "muitos profissionais" disseram-me; os rótulos para os brindes também ficaram fofos. E... Já nos decidimos relativamente à lua de mel. E é isto...

 

UFA! Estou cansada! 

Desafio | Eu e os Filmes #25

Sugeriram-me e adorei

 

Este seria daqueles filmes que se não tivessem insistido comigo para eu ver, eu provavelmente não teria visto, e teria sido uma pena, porque o filme é realmente muito engraçado. Adorei!

 

 

Gaiola Dourada conta a história de Maria e José que estão há mais de 30 anos a viver em França e que não conhecem outra vida se não a de trabalhar e a de ajudar os outros. Porém tudo muda quando este casal de emigrantes recebe uma herança - em Portugal. Entre várias indecisões Maria e José não sabem o que fazer: se continuam a ser empregados em França, ou se largam tudo o que têm no país que os acolhe e regressam - como tanto desejavam - a Portugal. Entre temas sérios, há bastantes peripécias e por isso é um filme que é impossível não rir.

 

As doidas por cinema a responder a este desafio: Eu, Alexandra, MagdaSofiaAna SofiaDrama QueenMafaldaJustJPAndy BloigGirl About TownRute, Nathy, Ana Rita Garcia,CaracolJoana e Bruxinha

Relembrando parvoíces de outros tempos #1

Tropecei num poema que escrevi no início deste blog, e não pude deixar de reparar como continua tão actual... Porque há coisas que realmente nunca mudam...

 

11755887_150762545255585_2373810972671117489_n.png

 

E quando olho para a data, até me arrepio. E eu que não dava nem um mês de vida a este blog, e ele já está tão crescido... Soubessem vocês ao tempo que eu já não jogo Candy Crush, só por causa do tempo de vida que este blog me ocupa! Amigos e amigos, a quem não envio vidas atrás do facebook, por causa de já não ter tempo - nem paciência - para jogar joguinhos de telemóvel! Como eu era desocupada, nesta altura! Oh céus! [Vá, continuo a sê-lo mas com um vício bem mais saudável, creio eu.]

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.