Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Deixem os cereais em paz!

Que é feito da doçura dos cereais de pequeno almoço das crianças?

 

Têm noção que acabaram com os desejos da criança que há em mim? [Não dentro de mim, mas em mim!]

 

Estava há vários dias com desejos de Golden Grahams. Comprei, fui a correr preparar a minha taça e meto a primeira colherada à boca e eis que chega a desilusão... Os cereais já não têm o típico sabor intenso a mel... Falta-lhes doçura, falta-lhes sabor! 

 

#Deixemoscereaisempaz

 

Querem coisas saudáveis para as crianças? Se querem que as crianças comam coisas com pouco açúcar, cereais com bonecos na caixa nunca é uma boa solução, mas deixem os cereais em paz!

 

Reúno assinaturas convosco?

Desafios de uma recém divorciada #5 As tralhas

 
Este fim-de-semana foi o fim-de-semana que escolhi para ir buscar - finalmente! - as minhas tralhas. Andei a adiar, a adiar, a adiar... Na realidade, andei a adiar o que é inadiável e finalmente ganhei coragem e lá fui.
 
Não vos posso dizer que tenha sido um processo fácil. Só a mentalização foi um bicharoco enorme, e entrar numa casa que outrora foi minha e que já não o é, não foi um bicharoco enorme, foi mesmo um monstro gigante. Não é fácil descobrir que a casa que outrora foi nossa está tão diferente, com coisas diferentes, com cheiros diferentes. Toda a casa é uma casa diferente. E não teria de ser de outra forma, mas não vos posso mentir: mexeu bastante comigo.
 
O outro grande desafio foi encontrar forma de trazer as minhas coisas, descobri que tinha muito mais tralhas do que imaginei. Lá se foi a minha lombar... Pareço uma velha, toda manca, toda torcida, toda entravada. 
 
Fi-lo sozinha.
 
A mãe ajudou depois a carregar o carro, mas estive sempre naquela casa agora estranha, sozinha, e tantas lembranças com que me deparei. As nossas fotografias amontoadas no armário que outrora fora meu. Fotografias de momentos muito felizes. Fotografias são mais do que meras recordações... Fotografias são murros no estômago. E tantos murros no estômago que levei neste fim-de-semana.
 
Cheguei a casa e percebi que muita coisa ficou para trás, desde roupa, a calçado a tantos outros objetos. Ou seja, mais tarde ou mais cedo, vou ter de passar por um novo processo, desta vez mais simples, espero.
 
Agradeço-lhe o facto de me ter deixado fazer isto sozinha, teria sido muito mais difícil se ele estivesse presente. 
 
Chorei. Não vos posso mentir. Chorei muito. Revoltei-me muito. Mil e uma coisas me passaram pela cabeça. Uma parte de mim agradeceu este momento, outra parte de mim arrependeu-se de todo o processo. Outra parte de mim revoltou-se com o facto de me estar a sentir arrependida porque sabe perfeitamente que é só pelo calor do momento e que nós já não tínhamos solução possível...
 
Fomos felizes. Fomos muito felizes...
 
... Mas deixamos de o ser.
 
Chegou a altura de fechar este capítulo e seguir em frente, e encontrar novos capítulos, novos desafios, uma nova vida.
 
Só lhe desejo tudo de melhor que esta vida lhe possa dar.
 

Coisas que só a mim... #2

Fui para o ginásio mas esqueci-me de levar a minha garrafa de água. Como é impossível para mim estar a saltar e a correr sem ter abastecimento líquido, tive de encontrar uma alternativa. Felizmente tinha trocos na carteira e então fui às máquinas tirar uma garrafa de água.

 

 

 

Confesso que às vezes me sinto uma velha. E nestas coisas das máquinas de vending todas digitais, é uma dessas situações. Máquina toda XPTO, dá para tirar snacks e bebidas quentes. Percebo como se tiram as bebidas quentes, não percebo como se tiram os snacks - e as respetivas garrafas de água. Olhei, olhei, olhei, respirei fundo, disse para mim mais de umas vinte vezes "tu não és burra, esta máquina não é melhor que tu, vais descobrir como é que a coisa funciona!" e a coisa lá se deu e eu lá percebi como é que a coisa iria funcionar. Escolho a minha garrafa de água, coloco o dinheiro na máquina e...

 

...Nada!

 

Após voltar a repetir "tu não és burra, esta máquina não é melhor que tu, tu vais vencer esta máquina" mais umas cinco vezes, entendi que a máquina primeiro aceitava o dinheiro e só depois é que tínhamos de selecionar o produto pretendido. Piece of cake! e lá carrego no botão correspondente do meu snack. Só que não! Para a coisa ter funcionado assim, como era meu desejo, eu teria de ter voltado a selecionar snacks, mas não, a máquina estava novamente no menu inicial que é o quê, tentem lá adivinhar? Exatamente: Bebidas quentes!

 

E foi assim que eu bebi um capuccino - carregado de leite! - antes de uma aula de pula, corre e avança e onde quase morri! Saí de lá mais branca que a cal, nem banho tomei e pirei-me rapidamente para casa antes que caísse para o lado... Ou simplesmente passasse pela vergonha de vomitar em público!

 

 

 

P.S.: Mas só para que não restem dúvidas sobre a minha inteligência, à enésima tentativa, consegui comprar a água!

Coisas de ginásio que me encanitam os nervos...

Estava na aula de zumba - regressei finalmente às segundas-feiras zumbásticas! - e entra uma tipa atrasada. Dizer que estava atrasada é estar a ser simpática, porque a aula já tinha passado de meio, na realidade. Sala obviamente à pinha - daí a minha indignação - e a tipa faz o quê?

 

Fica no fundo da sala, como qualquer pessoa normal atrasada faria? Não!

 

Arranja um cantinho algures onde não fosse muito notada, como qualquer pessoa com dois dedos de testa, atrasada, faria? Óbvio que não!

 

Fura a fila, interrompe mais de uma dúzia de pessoas que estão a dançar para ir para a frente para simplesmente ocupar o lugar que outrora fora de outra pessoa? Óbvio que sim!

 

 

A sério, digam-me o que é que esta malta tem na cabeça? Sugestões requerem-se!

Uma espécie de curta do dia #14

Sabem, nas compras online, aquela peça que adoramos mas que está esgotada? Aquela peça que passamos horas a olhar - alguns minutos vá, também não vamos exagerar! -, apesar de sabermos que nunca vamos poder comprar, porque simplesmente está esgotada? Aquela peça que apesar de estar esgotada e não ser uma opção, nos faz ter a certeza - mesmo sem a ter na realidade - de que era mesmo aquilo que queríamos e precisávamos e que parece estar à distância de um clique, só que não?

 

Às vezes fazemos o mesmo na vida: continuamos a colocar na balança pessoas, questões e situações, que não são se quer uma opção.

Coisas que acontecem por cá... #6

Quando acharem que este mundo ainda tem cura e que a humanidade ainda tem solução, pensem de novo: Já não há solução possível. As pessoas estão simplesmente a pirar da cabeça de modo irrecuperável.

 

A próxima história poderia ser anedota. Teria até piada se fosse anedota, só que aconteceu aqui na terrinha da Mula, e sendo uma história real perde a sua piada...

 

Uma pessoa chegou ao seu local de trabalho logo de manhã e deparou-se com um carro ligado, mal estacionado e de vidro aberto, mas sem ninguém. "Por certo é alguém que já vem". Pensamento óbvio. Quem pensaria de modo diferente? Claro, ninguém. Só que às três da tarde esse carro continuava ligado, mal estacionado e de vidros abertos. Até que chamaram a polícia que interveio desligando o carro, trancando-o e ficando com a chave deixando um papel para a pessoa ir à esquadra levantar a dita.

 

O carro teria sido roubado? Teria alguém morrido? O que foi feito do condutor?

 

Ao final do dia descobriu-se que era de uma senhora que trabalhava ali perto, que por certo chegou atrasada - imagino que bastante atrasada - e com o desvaire ali deixou o carro naqueles preparos sem olhar para trás...

 

E é isto: As pessoas estão suficientemente doidas para saírem de um carro, irem trabalhar e não o imobilizarem devidamente e em segurança!

 

Não antevejo um futuro muito brilhante...

Pág. 1/2

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.