Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Um cheirinho de uma entrevista próxima...

Algures feita pela CM TV à Mula

Jornalista: Mula, foi presa por violência e desobediência à autoridade por sair de casa quando não podia. A Quarentena estava a correr assim tão mal?

Mula: Não... Mas depois... Acabou o chocolate!

 

 

P.s.: e o stock de chocolate está quase a acabar!!! "Happy Hunger Games! And may the odds be ever in your favor."

App Peoople - onde os likes valem dinheirinho

 

Já ouviram falar na App para smartphone Peoople?

 

Screenshot_1.png

(imagem retirada daqui)

 

Uma espécie de mistura entre Pintrest e Instagram, onde podem recomendar tudo aquilo que quiserem desde livros, restaurantes, filmes, lugares, ... só que contrariamente às outras app's, os likes que receberem são convertidos em saldo, que depois podem transferir para a vossa conta. A Mula aderiu, adere tu também!

 

Basta aceder aqui e registarem-se com o facebook ou com uma conta totalmente nova. A Mula está entusiasmada, confesso, porque é uma nova forma de descobrir-mos um novo restaurante,  ou um novo local para visitar, ou até um novo livro para ler.  

 

Quem é que já conhece e usa a app Peoople? Sigam a vossa Mula mais fofinha da blogosfera (e única, creio...)!

The Happening II?

Igualmente rasca como o primeiro filme, em 2008!

Se há uns meses me dissessem que eu iria estar a trabalhar em casa, de pijama, num improvisado escritório desconfortável no local que outrora era chamado de "Bar", aqui em casa, devido a um Vírus Chinês [como o Trump lhe chama, com o devido respeito], eu certamente me riria e diria à pessoa para deixar de ver os filmes do M. Night Shyamalan, que normalmente são toscos e sem noção.

 

 

E assim é este corovirus [como um deputado qualquer se enganou a pronunciar]. Despropositado, desproporcional - ou demasiado proporcional? - e irreal. Tal como os filmes de Shyamalan.

 

E tal como nos filmes parvos do Shyamalan vemos atitudes tão irreais das pessoas... Desde pessoas a açambarcar supermercados inteiros, pessoas de risco a passear nas ruas em bando como se nada fosse... As atitudes conseguem ser tão díspares que parece que as pessoas não estão a viver a mesma situação.

 

Um destes dias precisei de ir aos CTT e senti-me num filme de terror. Via pessoas a caminhar perto de mim e desviava-me como se me fossem matar, precisei de tocar em portas e em sacos e em terminais de multibanco e levei luvas. Vissem vocês o cuidado com que eu tirei as luvas. Parecia que tinham ácido sulfúrico. Meticulosamente retiradas. Fiquei com as mãos secas de tanto álcool. E o pior é que eu não sou assim! Não sou uma pessoa naturalmente assustada, costumava fazer parte do grupo dos que desvalorizam e dos que riam e dos que diziam "que exagero!"

 

E é assim que esta Mula se tornou: Fechada em casa, de pijama e que desinfeta as mãos sempre que vai buscar alguma carta ou encomenda.

 

Eu sou uma personagem estranha de Shyamalan e parece que estamos a viver o The Happening II e é só horrível! Eu odiei o The Happening!!!

Desafio de escrita dos pássaros #2.8 Foi tão bom, não foi?

Sei que estou em falta com o texto passado... Mas... Recomecemos a partir daqui, sim? Façamos ó de conta que tenho todos os textos em dia, que está tudo bem, que não sou uma baldas e uma desorganizada e façamos também ó de conta que publiquei isto na hora certa e que não ando a fugir às regras nem ao tema  como quem anda por entre as gostas de chuva, sim? Muito agradecida! Vamos a mais um poema?

 

 

584139d94f8d620517efb839593c5750.jpg

 

 

Foi tão bom, não foi?

Percorreste toda a minha boca,

Causaste-me arrepios!

Fizeste até parar o tempo.

Puseste-me em rodopios!

 

E agora que acabou, 

Ainda sinto o teu cheiro,

O teu leve travo a laranja,

O teu toque suave e macio.

 

Percorreste todo o meu corpo,

Fizeste-me tremer e desejar-te ainda mais,

Mas o controlo logo impede,

Gosto de manter firmes os meus ideais.

 

Sonho-te e desejo-te todo o dia.

Sorriso rasgado, só de te imaginar,

A percorrer novamente com a minha língua,

Pões-me facilmente a salivar.

 

Foi tão bom, não foi?

Apalpo-te e sinto-te a terminar.

Fico em êxtase com o teu último bocado,

Sei bem que me tenho de afastar!

 

E de repente a tablete acaba,

Como o teu último quadradinho,

E a delícia dá lugar ao desespero,

Tenho de comprar outra, pelo caminho!

 

Uma espécie de curta do dia #47

Coisas que eu não entendo:
E se houver algum entendido que me possa explicar a Mula agradece.

 

Falou-se de medidas, decretou-se ações, fechou-se estabelecimentos, obrigaram outros a funcionar sem interrupção... Mas parece-me que se esqueceram de falar de um ponto importante: E os salários dos que deixaram de trabalhar? Quem é responsável? Quem os assegurará? Quem os protegerá? 

Sobre o instável que é... Viver!

(imagem retirada daqui)

 

 

Dizem que os tempos são de guerra.

 

Eu digo que os tempos são de reflexão. De reflexão de como nada é garantido nesta vida, nada é verdadeiramente estável e seguro e do assustador que é hoje ser uma coisa e amanhã ser outra completamente diferente. Ou nem é necessário esperar por amanhã, pode ser já no minuto a seguir.

 

Hoje estamos atolados de trabalho, em crescimento, amanhã podemos estar na merda, no desemprego ou na falência. Hoje somos livres, banhamo-nos no mar e andamos descontraídos de mãos dadas lá fora, amanhã podemos estar enclausurados em casa sem que nada o fizesse prever. Neste momento estamos vivos a rir-nos alegremente, e no momento a seguir podemos estar simplesmente estatelados no chão. Nem sempre tem de existir previsão para o que vai acontecer. Raramente a há, na realidade. Nem sempre tem de existir aviso prévio ou sinais.  Por vezes acontece apenas. Do mesmo modo que é suspirar. A vida é tão instável e tão breve como um suspiro.

 

Tic tac... Tic tac... O relógio não para, e cada minuto pode ser diferente, totalmente diferente do anterior.

 

Viver é instável... demasiado instável... Gosto de aventuras... Odeio instabilidade!

E é com muito orgulho que apadrinho mais uma bloguer

E é tão bom ver esta comunidade crescer e com pessoas que me dizem tanto! Esta menina é das pessoas mais importantes da minha vida, uma daquelas amigas pra vida e que está sempre lá quando é necessário, mesmo quando não é, ela está lá, sem julgar, sem reservas, sem enfado. A Ti* quis criar um blog, a Mula ficou radiante e... Como seria possível não lhe quitar o blog? "Quero algo clean, nada de cores!" como assim a Mula criaria um banner sem cor ou artefactos? Digamos que cedi numas coisas mas ganhei algumas lutas! [Imaginem-me a sorrir com um ar altamente angelical!] ficou clean tal como a "cliente" pediu, ficou fofo e teve cor como a executante gosta! 

blog di.png

E é isto! Visitem a Miúda com 30! Dêem-lhe as boas vindas à boa moda do sapo!

 

Telegrama #8 Quarentena

7º dia de quarentena.

Já comi 3 pacotes de bolachas e um de pipocas, 3 gelados e duas ou três taças de mousse de chocolate. Treinei 2 vezes. Duas péssimas vezes para a porcaria toda que tenho andado a comer. Estive a sufocar com as alergias - isto de estar enclausurada com os maiores  alergénios não é fácil - mas acho que o meu corpo está a encontrar maneiras de conviver com o pelo de gato. Tenho melhorado. Encontrei umas novas séries que me estão a prender ao ecrã, a solidão aguça a necessidade de nos ocuparmos. Voltei a ler. Todos os dias, religiosamente, antes de deitar, leio o capítulo do livro que há meses está na mesinha de cabeceira. Continuo em contacto de quem gosto. Mas tão longe, tão longe... Tenho centenas de fotos dos meus gatos tiradas diariamente. Fotos e videos do meu cão. Deixei de seguir as notícias. Já não consigo ouvir mais falar sobre o vírus e de como nos vai atacar a todos. Acho que até então não sabia como sou uma Mula de pessoas. As pessoas têm-me feito falta. Não de lhes ouvir as vozes, que continuo a ouvi-las, mas de me rir diariamente com elas, de lhes tocar, de saber que são reais e que estão logo ali. Achava eu que era uma Mula isolada... Descobri que não sou. Dizem que é em tempos de crise que nos conhecemos melhor... Já vi toda a primeira temporada de Killing Eve, estou a caminho da segunda e quero ver Chernobil, mas dizem-me que não é o momento ideal. Devo mudar para séries de comédia? O isolamento tornar-me-á doida como o Jack Torrance? Falam em não saber o que fazer com o tempo livre. Por aqui trabalha-se e tenta-se cumprir as mesmas rotinas: pausas no mesmo horário, almoço no mesmo horário, ... para que tudo pareça o mais normal possível apesar de tudo ocorrer dentro do mesmo edifício mas em divisões diferentes. Às vezes sinto-me no Big Brother e imagino-me assim com um montão de desconhecidos irritantes. Eu seria o Marco da minha temporada. Corria tudo à paulada. Tenho o desafio dos pássaros em atraso. Sou uma vergonha mas confesso que a vontade de escrever tem sido zero, ou... próxima de zero. Apeteceu-me este telegrama, estava a precisar de desabafar apesar de não ter nada de jeito para dizer...

 

E é isto... Espero que não se note muito que estou a pirar um bocadinho...

Desafio de escrita dos pássaros #2.6 oh não, um vírus outra vez!

Cresci com a Doença das Vacas Loucas - proibiu-se o belo do bife aqui em casa, e o leite era fervido e refervido e refervido, e a mãe não me deixava se quer babar para o belo do queijinho fresco... - depois veio a loucura da Gripe A, muito alcooool seeeempre! E agora... o Corona, que até há bem pouco tempo fazia parte do dicionário da Mula como sendo a gostosona da cerveja.

 

Mas não...

 

É um vírus... Outra vez!

 

 

Pois que a Mula também está de quarentena... Por aqui trabalha-se a partir de casa desde quinta-feira.

 

Era suposto neste momento estar de férias e pior, a divertir-me na Suíça, a atirar bolas e a fazer anjinhos de neve mas quis o covid-19 que a Mula ficasse em casa, e quis a Easyjet que a Mula ficasse sem o seu dinheiro. Tinha esta viagem marcada já há algum tempo e aguentei-me firme quase até ao último segundo, ou até ao último dia, basicamente. Pedi para anular as férias, continuo a trabalhar... A partir de casa pois claro. Não é possível a Mula viajar nestas condições, ainda pra mais quando a mãe continua a trabalhar e em contacto com tanta gente diferente. Era irónico a Mula não apanhar o vírus na Suíça mas apanhar em casa estando barricada em casa já há alguns dias... Até ver está tudo bem. Ando um pouco constipada, com alguns sinais agudos de alergia - passar tempo em casa dá nisto... - mas zero sintomas do bicho, por isso acredito que esteja tudo bem. Estamos firmes. 

 

Tinha outra viagem marcada, para Barcelona, para Abril, para festejar o meu aniversário... Estou mesmo a ver o que vai acontecer... Estou a tentar cancelar hotel e viagens mas a coisa não está fácil... Não está mesmo nada fácil...

 

E já agora questiono: Quem é que teve a ideia deste tema mesmo? Quem é que tem a bolinha de cristal escondida debaixo da cama?

 

Eu não fui... Eu só escondo bolachas!

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.