Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Desafios de uma recém divorciada #4 Saudades

 

É impossível não olhar para trás e não questionar a certeza do caminho que traçamos. Do caminho em terra acidentado que traçamos. Dizem que o tempo suaviza o que aconteceu de mal e que enfatiza o bom. É possível que seja verdade. É por isso impossível não olhar para trás e não sentir saudades. 

 

Faz dia 10, 5 meses que terminamos. Parece bastante tempo, mas 5 meses comparando com os quase 16 anos que estivemos juntos não é nada. Não é rigorosamente nada.

 

Se há dias que tenho a certeza e convicção da minha decisão, confesso que há dias em que as pernas me fraquejam e que não estou assim tão certa. Ou não fosse o futuro, um tempo carregado de "ses". Resta descobrir se estou com saudades do passado, ou com medo do futuro.

 

As saudades são um grande desafio. Acalmar o coração para ter a certeza de que não iremos fazer nada de que nos venhamos a arrepender depois, também. É fácil ir a correr quando fraquejámos e tentar reconstruir o castelo que derrubamos, mas não o podemos fazer, não assim, porque não é só a nossa vida que está em jogo. Não, quando no momento a seguir já temos a certeza da decisão que tomamos e queremos voltar a partir. É incrível como passados 5 meses ainda tenho uma balança que não sabe para onde pender...

 

Visto de fora é fácil: Existia uma rotina que não me satisfazia, uma relação que estava bastante aquém do que eu desejava e dois caminhos que insistiam em ir no mesmo sentido mas cujos desejos eram opostos. Visto por aqui o rompimento era inevitável. Mas depois há o outro lado: Não havia pessoas mais companheiras que nós, mais cúmplices que nós, mais resilientes que nós. E apesar disso tudo se perde.

 

Às vezes sinto que nos precipitamos demais, que apressamos demasiado a oficialização do divórcio. Outras vezes sinto que se não fosse há 5 meses atrás, era para o ano, ou para o outro ano, que a nossa relação estava condenada desde o momento em que eu passei a suportar o peso dos dois. Não é possível amar por dois, contrariamente cantado por Salvador Sobral. Não é possível... Eu sou a prova de que não é possível...

 

Apesar de tudo, o que também não é possível, é não olhar para trás e não sentir saudades. Não... Não é possível!

 

Mas também não é possível passar uma borracha em tudo o que foi dito e feito e fazer de conta que nada aconteceu. Muita coisa aconteceu. 5 meses é, apesar de tudo, muito tempo e muita coisa aconteceu de ambas as partes.

 

Resta-me olhar para trás, sentir saudades, olhar em frente e seguir o meu caminho. Temos os dois de seguir o nosso caminho. E isto sim, é um grande desafio: Seguir em frente sem armaduras, armas de fogo nem preconceitos.

20 comentários

Comentar post

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.