Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Sobre emoções e sentimentos

 

Semana passada tive uma formação de motivação pessoal e profissional. Falou-se de emoções, de sentimentos, de motivações e frustrações. No final da formação foi-nos pedido que ligássemos a alguém que fosse importante para nós e que disséssemos a essa pessoa o quanto era importante e o quanto a amávamos. Muita gente se recusou. Outros tantos receberam o "agradecimento" de o que é que precisas? Aconteceu alguma coisa? Já bebeste a esta hora da manhã?

 

Fiquei a pensar nisto ao longo do dia - acho que a formação cumpriu o seu propósito.

 

É incrível como nos consegue ser tão difícil dizer a alguém o quanto gostamos e o quanto nos é importante quando nos deveria de ser tão fácil. E é ainda mais incrível a nossa falta de à-vontade para ouvirmos e para recebermos essas emoções esse carinho em forma de som. Diz muito sobre a nossa cultura.

 

Sentir-nos-emos tão desconfortáveis porquê? Ficamos vulneráveis? Sentimo-nos ridículos? Se não dizemos que gostamos das nossas pessoas, em vida, vamos dizer quando? Qual a importância que isso representa na nossa vida? Que seríamos de nós sem pessoas que gostassem de nós...? Gostar de alguém, seja mãe, pai, amigos, companheiros é algo natural, certo? Ou deveria de ser...

 

Fiquei a pensar no meu caso. Não sou pessoa de me exprimir demasiado e não me é tão fácil assim dizer que gosto de alguém - a menos que seja por escrito -, no entanto tento, no meu dia-a-dia através de outras ações demonstrar que gosto e de que são importantes para mim, mas fiquei a pensar se isso passará, se é suficiente, se fica percetível do quanto as pessoas de quem gosto são importantes para mim...

 

E vocês? Exprimem-se com facilidade ou partilham das mesmas dificuldades?

23 comentários

Comentar post

Pág. 2/2

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.