Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos da Mula

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos.

Desabafos da Mula

Desafio de Cinema | 52 filmes em 52 semanas

#49 Filme para ver com as amigas

Bem, aqui qualquer comédia é perfeita já que dramas já bastam os da vida que conhecemos umas das outras e terror já basta os terrores do dia-a-dia. Sim, um filme de comédia é o melhor para ver com as amigas. Este não é bem um filme de comédia, mas que nos faz rir e vibrar faz, por isso também vale.

 

Escolho o Magic Mike para nos alegrar a alma e as vistas.

 

 

Quem daí é também fã do Channing Tatum e do Magic Mike?

Desafio de Cinema | 52 filmes em 52 semanas

#48 Filme do ano em que nasci (1988)

E aqui tive, claramente, de ir fazer uma pesquisa sobre filmes do meu ano e confesso que a maioria não conheço nem nunca ouvi falar. Possivelmente porque preguiçosa como sou, quando abri os olhos já o ano de '88 tinha passado e só mais tarde comecei a ver televisão. Mas devo ter visto sempre muita televisão de certeza, por isso que grande falha a minha.

 

Ora bem, há no entanto um que me saltou à vista e que eu adoro, sempre. Ainda hoje é daqueles filmes que sempre que dá eu paro para ver, qual Sozinho em Casa qual quê. Falo pois claro do filme Onde Pára a Polícia?

 

 

Como resistir ao Leslie Nielsen, ora digam lá?

Desafio de Cinema | 52 filmes em 52 semanas

#47 Filme premiado

Já disse por aqui algures que não costumo ser fã dos filmes vencedores de Óscars e afins, mas há um, para além deste, que eu gosto muito e bem recente: Moonlight.

 

 

Gostei tanto, mas tanto, mas tanto deste filme. Podem encontrar a review do filme aqui.

 

Quem mais aí desse lado viu e adorou Moonlight?

Uma espécie de Review de alguém que não percebe nada disto: Bohemian Rhapsody

Ja vi este filme há mais de uma semana, mas só agora consegui parar por uns segundos e vir aqui falar-vos sobre esta maravilha de filme.

 

 

Acho que o filme dispensa apresentações, mas ainda assim... Bohemian Rhapsody conta a história de Freddie Mercury, dos Queen, desde a formação da banda, em 1968, até ao Live Aid em 1985.

 

Apesar de gostar dos Queen desde sempre nunca me interessei muito pela história deles e do Freddie Mercury, pelo que não sei se a história é verdadeiramente fiel à biografia oficial ou não, mas posso dizer-vos que é uma história louca, o que torna o drama que foi a história deste grande homem numa história um tanto cómica. Freddie Mercury, foi  um homem que sofreu muito e é o exemplo de que podemos estar muito sós no meio de uma multidão. Confesso que apesar de lhe conhecer alguma excentricidade que desconhecia que ele era assim tão excêntrico como referido no filme.

 

A caracterização do ator está brutal, há mesmo alturas que parece o próprio Freddie Mercury. Os efeitos sonoros são brutais e parece mesmo o próprio a cantar, mas aqui tanto quanto consegui apurar não é o ator que canta propriamente, mas sim a sua voz misturada com a de Marc Matel, conhecido imitador de Freddie Mercury.

 

Fui ver o filme a uma sala Atmos, e o som foi incrível. Recomendo mesmo a verem o filme, essencialmente se forem fãs da música (é possível não ser?), mas mesmo que não sejam o filme vale pela história.

 

E daqui, quem já viu o filme? Quem quer muito ver levante o braço!

Desafio de Cinema | 52 filmes em 52 semanas

#46 Filme baseado no trailer

Vou ver os filmes por causa dos trailers, quase sempre. Com à excepção de um filme esperado, de alguma saga, ou de algum livro que possamos ter lido, o primeiro contacto que temos com os filmes é através dos trailers. Mas, e porque realmente os trailers podem ser muito importantes, vou escolher o Deadpool para esta categoria porque eu não gosto de filmes de super-heróis e se o trailer não me tivesse captado a atenção não seria agora a fã que sou deste anti-herói.

 

 

E vocês, qual a importância que dão aos trailers?

Desafio de Cinema | 52 filmes em 52 semanas

#45 Filme Japonês

Os filmes com o Jackie Chan contam? Não não contam, o Jackie Chan é chinês e os filmes em que ele entra são na maioria americanos...

 

Então olhem... Não sei. Acho que nunca vi nenhum filme japonês. Já vi alguns remakes de japoneses, mas nunca o original... Queria muito ver o filme do livro Contigo para Sempre mas ainda não encontrei legendas por isso está complicado.

Uma espécie de Review de alguém que não percebe nada disto: Halloween

Parece que o Michael Myers está de volta e em vésperas de halloween fui ver o Halloween. Quem desse lado é fã da saga?

 

 

Michael Myers, 40 anos depois de ter atacado Laurie Strode, é transferido para outra prisão e durante a transferência consegue, uma vez mais, escapar. Laurie preparou-se durante toda a sua vida para o encontro, e chegou a hora de ajustar contas com o homem que lhe estragou, irremediavelmente, a vida. Ela não sabe onde ele está, mas sabe que está à procura dela.

 

Achei curioso manterem o estilo de filme, a música, a forma de construção do enredo. Não é um filme inovador, não é um filme terrorífico, mas promete algum suspense, e entretém. A primeira parte do filme achei-a aborrecida, confesso, demasiado longa, demasiado descritiva, e ainda demora até nos colar à cadeira, o verdadeiro suspense só ocorre depois do intervalo, mas depois vai direitinho até ao final do filme. Mas confesso que esperava um filme mais emocionante, com mais terror, com mais movimento.

 

Este filme fez-me lembrar o porquê de eu tanto odiar máscaras, e o carnaval e o halloween. Digam o que disserem, usar máscaras é perigoso, não ver quem está para lá de uma máscara é perigoso. Oh Mula é só um filme! É só um filme mas poderia não ser... 

 

Mas pronto, se procuram entretenimento este filme permite entreter quem gosta de algum terror algum suspense - e tem muitas cenas nojentas digo desde já aos amantes do macabro - mas se querem ficar aterrorizadamente colados à cadeira, acho que este não é o filme.

 

Quem é que já viu ou vai ver?

Uma espécie de Review de alguém que não percebe nada disto: Assim Nasce Uma Estrela

A minha primeira vez com ATMOS... A primeira vez de Bradley Cooper como realizador... A primeira vez de Gaga no cinema. São demasiadas primeiras vezes para um filme só. Que filme! Só me apetece gritar! E logo eu que não costumo ser fã de remakes, mas como não vi o primeiro filme, nem o segundo, nem o terceiro... Este remake para mim sabe a original.

 

Desde que vi o trailer que eu sabia que tinha de ver este filme. Há filmes que nos fazem qualquer clique no interior, e este é um desses filmes.

 

Posso já acabar com todo o suspense e dizer que amei? Sim, digo-vos já que amei, arrepiei-me vezes sem conta e claro... Chorei. Esta poderia ser a minha review, fechava o computador e ia dormir a sesta para me refazer - sim porque este filme descompensou-me  um bocadinho, talvez por estar a viver a situação que estou... - mas este filme merece ser explanado, só um pouquinho, para não lhe tirarmos a essência, porque é um filme que sem dúvida merece ser visto e merece ser reconhecido.

 

 

Assim Nasce Uma Estrela conta a história de Jackson Maine, um famoso cantor e compositor country, que luta contra uma doença degenerativa auditiva, que o poderá deixar surdo, à medida que se afunda no vício do alcool e das drogas. Após um concerto com a sua banda, entra num bar durante um espetáculo transformista e aí conhece Ally, uma jovem empregada de mesa apaixonada por música, com um talento incrível quer para cantar, quer para compor. Desde logo se apaixonam. Jack é intenso, e apaixonado por Ally decide mostrar ao mundo a sua incrível voz, convidando-a para cantar com ele nos seus concertos. À medida que o amor entre eles evolui Jack melhora no que toca ao seu vício e ambos parecem felizes. Mas tudo muda quando Ally conhece Rez, que se tornará seu produtor musical. Rez afasta Ally da música rock/country e transforma-a numa cantora pop com tudo o que isso implica, para desgosto e vergonha de Jack. E é aqui que Jack entra numa espiral cada vez mais perigosa no que toca ao álcool e às drogas que poderá colocar tudo a perder, desde o seu casamento à sua vida. À medida que Ally vai "nascendo" Jack vai "morrendo", como se o mundo da música só pudesse suportar um deles, não os dois.

 

Assim Nasce Uma Estrela é um filme intenso. É um filme que nos prende do início ao fim do filme, essencialmente para pessoas que como eu vivem a música de uma forma intensa e verdadeira. Uma música no dia e na hora certa podem ajudar-me a tomar decisões.

 

Este é um filme que levanta um pouco o véu do que acontece por trás dos palcos, de como as pessoas se anulam em prol das vendas, do sucesso e de como isso nem sempre lhes trás felicidade, pelo menos não a felicidade que procuram. É um filme que fala de como a ambição pode estragar tudo o que traçamos, e de como os nossos atos influenciam demasiado os outros. É um filme que pretende passar uma imagem clara, é um filme que mais que uma história quer retratar emoções, sentimentos, vivências.

 

Sou fã do Bradley Cooper já há muito tempo e sabia que não me ia desiludir, mas confesso que fiquei bastante surpreendida com a Lady Gaga. O filme não desilude nem um pouco e a química entre os dois atores é... fantástica! A imagem é linda, a história é apaixonante e as músicas? As músicas são incríveis e o Mr. Cooper canta muito bem, aqui confesso que fiquei surpreendida!

 

Sabem que mais? Vejam-no... É incrível!

Desafio de Cinema | 52 filmes em 52 semanas

#43 Filme Nacional

Sou fã assumida do cinema nacional. Para mim o cinema português tem evoluído imenso nos últimos anos e temos muitos e bons filmes. Podia destacar aqui o Sorte Nula, o São Jorge, o Amo-te Teresa, e tantos outros bons filmes que adoro.

 

Destaco no entanto o Assim Assim, que é bem capaz de ser um dos meus filmes favoritos com atores que eu adoro como o Ivo Canelas, o Nuno Lopes e o Joaquim Horta.

 

 

 

Para quem não conhece, Assim Assim não conta uma história, conta antes várias histórias. É um filme em mosaico, que conta a história de várias pessoas que se cruzam em Lisboa dando enfoque ao amor, à falta dele e à complicação das relações devido às pessoas pensarem demasiado.

 

É um filme introspetivo com boas reflexões sobre a vida, sobre o amor e sobre as relações.

 

Quem daqui já viu?

Desabafos do quotidiano, por vezes irritados, por vezes enfadonhos, mas sempre desabafos. Mais do que um blog, são pedaços de uma vida.